Europa eliminará obrigatoriedade de máscaras durante viagens aéreas na próxima semana

Itália, França, Bulgária e outros países europeus estão flexibilizando ou encerrando muitas ou todas as suas medidas para conter a propagação do coronavírus.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

A partir da próxima semana, as máscaras faciais não precisarão mais ser obrigatórias nas viagens aéreas em aeroportos da Europa

Acessibilidade


As máscaras faciais não terão que ser usadas em aeroportos e em voos na Europa a partir de 16 de maio, disseram a EASA (Agência Europeia para a Segurança da Aviação) e o ECDC (Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças) hoje.

“A partir da próxima semana, as máscaras faciais não precisarão mais ser obrigatórias nas viagens aéreas em todos os casos, alinhando-se amplamente às mudanças nos requisitos das autoridades nacionais em toda a Europa para o transporte público”, disse o diretor executivo da EASA, Patrick Ky.

Itália, França, Bulgária e outros países europeus estão flexibilizando ou encerrando muitas ou todas as suas medidas para conter a propagação do coronavírus.

Várias companhias aéreas dos Estados Unidos disseram que não exigiriam mais máscaras em abril, depois que um juiz federal na Flórida decidiu que a obrigatoriedade de uso de máscaras do governo dos EUA no transporte público era ilegal.

A diretora do ECDC, Andrea Ammon, disse que, embora o uso de máscaras não seja obrigatório, “é importante estar ciente de que, juntamente com o distanciamento físico e a boa higiene das mãos, é um dos melhores métodos para reduzir a transmissão”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Espera-se que as regras para o uso de máscaras variem após a retirada da obrigatoriedade, com as companhias aéreas instruídas a incentivar os passageiros a usar máscaras em voos de ou para destinos onde o uso de máscara no transporte público ainda é obrigatório, disseram as agências.

Compartilhe esta publicação: