Por dentro da biotech que edita DNA em seres humanos vivos

Intellia Therapeutics descobriu como alterar os genes causadores de doenças dentro dos pacientes, mas deve primeiro se curar de seus problemas legais e financeiros

Aayushi Pratap
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Crispr é um método revolucionário de edição precisa de DNA

Acessibilidade


John Leonard, CEO da Intellia Therapeutics, acabou de terminar uma reunião de uma hora na sede da empresa em Boston, que fica a cinco minutos de caminhada do campus do MIT. Ele estica os braços, entrelaça os dedos e os apoia na parte de trás da cabeça. Por um momento, o homem de 64 anos está relaxado. Mas ele imediatamente se reanima ao explicar a ciência da edição de DNA, usando marcadores, um espanador e qualquer outra coisa que possa encontrar para mostrar seu ponto de vista. “Já usei os colares da minha esposa de vez em quando”, diz ele. Leonard sugere imaginar o DNA humano como um colar feito de 3 bilhões de contas e quatro cores diferentes. “O desafio 54 é como encontrar 20 contas excluindo todo o resto”, acrescenta. As contas a que ele se refere são genes, seções de DNA que dão às células as instruções de que precisam para fazer seu trabalho.

Muitas empresas usam Crispr, um método revolucionário de edição precisa de DNA que foi a base para o Prêmio Nobel de Química em 2020, para cortar genes causadores de doenças no laboratório e depois injetar as células “corrigidas” de volta nos pacientes. Intellia também faz isso. Mas é sua outra plataforma de edição de genes que chamou a atenção de Wall Street. A empresa de valor de mercado de US$ 3,6 bilhões (R$ 18,1 bilhões) descobriu como usar o Cripsr fora do laboratório, dentro de um ser humano vivo. Seu trabalho pode ter grandes implicações no desenvolvimento de novos medicamentos para doenças genéticas que atualmente têm apenas tratamentos limitados ou inexistentes. “A Intellia é a primeira a fazer in vivo de maneira sistêmica. Acho que esse é o verdadeiro fator de diferenciação para mim”, diz Jack Allen, analista sênior da Baird Equity Research.

Leia mais: Crispr na Agricultura: conheça a empresa dos EUA que editou a genética do milho e soja

Apesar da novidade de sua tecnologia de edição de genes, a empresa está enfrentando ventos contrários significativos. Nos últimos 12 meses, perdeu US$ 277 milhões (R$ 1,39 bilhão) e teve receita de US$ 33 milhões (R$ 165 milhões). As receitas vêm caindo trimestralmente desde 2020, enquanto as perdas vêm aumentando. A empresa arrecadou um total de US$ 1,8 bilhão, (R$ 9 bilhões) incluindo US$ 115 milhões (R$ 578 milhões) quando abriu seu capital em 2016, e ainda tem US$ 1 bilhão (R$ 5 bilhões) em caixa. Mas com as taxas de queima atuais, vai ser apenas por um par de anos.

A Intellia tem um medicamento promissor em testes clínicos em estágio inicial, mas cerca de 90% dos tratamentos neste estágio não chegam ao mercado. E depois há a batalha de patentes sobre sua tecnologia central.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Parece bastante sombrio, e as ações da Intellia sofreram uma surra. Desde o início do ano, as ações da Intellia caíram 62% em comparação com 23% para o Nasdaq e 24% para o índice de biotecnologia da Nasdaq. Ainda assim, a Intellia tem pelo menos um ás na manga: o homem que dirige a empresa não é estranho a esses desafios. Leonard, um médico de formação, tem um histórico que poucos outros podem apontar nesta indústria. Em 1992, Leonard ingressou na Abbott, onde a pesquisa de sua equipe obteve a aprovação da FDA para os tratamentos para HIV Norvir e Kaletra, que ajudaram a reduzir a epidemia de AIDS nos anos noventa. E em 2013 ele se juntou à Abbvie, a divisão biofarmacêutica da Abbott, onde foi fundamental no desenvolvimento do Humira, que teve vendas de US$ 21 bilhões (R$ 105,56 bilhões) no ano passado, tornando-o um dos medicamentos mais vendidos do mundo.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

John Leonard, CEO da Intellia Therapeutics

“Trabalhei em Humira por 13 anos”, diz Leonard. “Aprendi muitos princípios sobre uma organização. O que o faz funcionar? O que faz com que às vezes não funcione.”
Suas experiências de levar esses medicamentos de grande sucesso do laboratório para o mercado podem ajudar a transformar o medicamento para o fígado da Intellia, o NTLA-2001, que está sendo codesenvolvido junto com a Regeneron Pharmaceuticals, em um sucesso. A droga é uma terapia de edição genética injetável para o tratamento da amiloidose ATTR – uma condição genética rara do fígado que afeta 1 em 100 mil americanos e mata cerca de 850 deles por ano.

O mercado para o tratamento dessa doença foi de US$ 585 milhões (R$ 2,9 bilhões) em 2019. Mas mais pessoas provavelmente têm a doença e não estão sendo diagnosticadas adequadamente. Diagnósticos melhores podem levar esse mercado a se tornar um mercado de US$ 14,1 bilhões (R$ 70,87 bilhões) em 7 anos, de acordo com um relatório da consultoria GlobalData, com sede em Londres. Atualmente, existem três medicamentos aprovados pela FDA que retardam o progresso da doença, mas nenhum deles é uma cura permanente e os pacientes muitas vezes acabam ainda precisando de transplantes de fígado. Em fevereiro, a Intellia divulgou dados iniciais de seus ensaios clínicos mostrando um efeito positivo e sustentado nos participantes, sem efeitos colaterais preocupantes.

Apesar dos dados promissores, a estrada futura da Intellia não está livre de obstáculos. A empresa licencia a tecnologia Crispr que usa para realizar edições genéticas in vivo da Universidade da Califórnia, da Universidade de Viena e do pesquisador de patógenos Emmanuel Charpentier (coletivamente conhecido como grupo CVC). A bioquímica da Universidade da Califórnia Jennifer Doudna, que ganhou o Nobel junto com Charpentier por descobrir o sistema de edição Crispr, é cofundadora da Intellia, embora tenha responsabilidades cotidianas limitadas.

Essas patentes detidas pelo grupo CVC são onde entra o problema legal. As patentes obtidas pelo grupo CVC estão em desacordo com outras de propriedade do Broad Institute, o centro de pesquisa médica poderoso iniciado pelo falecido bilionário Eli Broad e afiliado a Harvard e ao MIT. Isso gerou uma batalha legal, começando em 2016, com dezenas de milhões de dólares em royalties em jogo, sobre quem foi o primeiro a inventar a ferramenta de edição de genes Crispr usada em células humanas e vegetais. Em mais de 80 países, incluindo China, Japão e as 27 nações da União Europeia, afirma-se que o grupo CVC de Doudna o inventou primeiro. Mas nos EUA, um veredicto recente do Conselho de Apelação e Julgamento de Patentes (PTAB) decidiu a favor do Broad Institute. O grupo CVC é atraente.

“Felizmente, esta decisão não impacta o desenvolvimento do Crispr de forma alguma”, diz Doudna. “Os investidores continuam a colocar dinheiro”, acrescenta ela.
Claro, mesmo que a Intellia perca no tribunal, eles ainda poderão licenciar a tecnologia. “Qualquer um que não tenha uma licença do Broad Institute e que esteja realizando um trabalho com [Crispr] provavelmente terá que obter uma em algum momento. Eu imagino que isso incluiria Intellia”, diz Jacob Sherkow, professor de direito da Universidade de Illinois.

Leonard está olhando além da batalha da propriedade intelectual. Seu foco atualmente é expandir o pipeline de desenvolvimento da empresa para incluir tratamentos para muitas outras doenças, como angioedema hereditário, hemofilia, câncer de sangue e de ovário. Mas primeiro, Leonard terá que resolver a bagunça das patentes e arrecadar mais dinheiro. Dada a promessa da tecnologia da Intellia, ele está otimista.

“Acho que quando as pessoas fazem julgamentos sobre onde investir seu dinheiro, elas olham para a possibilidade real de programas [de desenvolvimento de drogas] chegarem ao mercado. Estamos definitivamente nessa categoria”, diz Leonard. “Então, achamos que estamos bem posicionados para continuar o financiamento da empresa à medida que avançamos.”

Ele está ainda mais otimista sobre o futuro dos medicamentos à base de Crispr, que têm o potencial de relegar todo um hospedeiro de doenças mortais aos livros de história. “Nos próximos anos seremos limitados não pela tecnologia, mas pela imaginação.”

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação:

Temas