Julho Verde e o alerta para os riscos do câncer de cabeça e pescoço

Tabagismo e etilismo são os grandes responsáveis pela maioria das lesões iniciais que se transformam em tumores malignos nestes órgãos

Fernando Maluf
Compartilhe esta publicação:
Cavan Images/Getty Images
Cavan Images/Getty Images

Diagnóstico precoce é sempre aconselhado e pode evitar sequelas graves, ainda muito comuns no tratamento deste tipo da doença

Acessibilidade


O câncer de cabeça e pescoço engloba os tumores que atingem os lábios, língua e céu da boca, maxilares, nasofaringe (localizada atrás da cavidade nasal), orofaringe (onde se encontra a amígdala e a base da língua) e hipofaringe (porção final da faringe, junto ao início do esôfago). Estas neoplasias também se localizam nas glândulas salivares, vasos sanguíneos, músculos e nervos da região e a glândula tireoide. 

Tabagismo e etilismo são os grandes responsáveis pela maioria das lesões iniciais que se transformam em tumores malignos nestes órgãos. Além do tabaco em suas diversas apresentações e do álcool, vírus como o papilomavírus humano (HPV) e o HIV, depressões imunológicas – como em transplantados que fazem uso de imunossupressores e o consumo de bebidas e alimentos muito quentes são considerados fatores de risco.

Leia mais: Marcadores no sangue podem auxiliar tratamento do câncer de bexiga

A excessiva exposição ao sol, por exemplo, também pode ser um risco para o câncer de lábio. Assim, a adoção de hábitos saudáveis, como o uso do protetor solar, além da prática de exercícios físicos, a mudança de dieta com o controle da gordura corporal e a imunização contra o HPV são atitudes importantes de prevenção. 

A vacinação contra o HPV deve ser feita em crianças a partir dos 9 anos de idade para meninas e 11 anos para meninos, gratuitamente, no SUS. Para quem não foi vacinado na adolescência, a imunização ainda vale a pena, mesmo com benefício menor. 

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O diagnóstico precoce é sempre aconselhado e pode evitar sequelas graves, ainda muito comuns no tratamento deste tipo de câncer.

Portanto, se houver qualquer lesão na área da boca, na língua, na gengiva, lábio ou outras partes da mucosa que não cicatrize em até 15 dias, busque o seu médico para investigação e exames necessários.

Fernando Maluf é cofundador do Instituto Vencer o Câncer e professor livre-docente da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: