Biofótons: por que influenciar pessoas cria uma felicidade duradoura

Todos nós emitimos luz, uma energia eletromagnética que a ciência explica, e é assim que podemos fazer a diferença no mundo

Christine Comaford
Compartilhe esta publicação:
CHRIS WALTON VIA LINKEDIN ARTICLES
CHRIS WALTON VIA LINKEDIN ARTICLES

Biofísicos demonstraram o comportamento vibratório do chamado DNA Junk, os chamados biofótons

Acessibilidade


Seu corpo se comunica e influencia os outros. E não estamos falando apenas de suas palavras, tom vocal e postura/gesto corporal. Seu coração e cérebro também se comunicam. E eles fazem isso por meio de fótons, ou biofótons, para ser exato. Em 1974, os biofísicos demonstraram o comportamento vibratório do chamado DNA Junk como a fonte primária de emissão de luz ultra fraca, também chamada de biofótons. E biofótons agora podem ser detectados irradiando de nossos corações e cérebros.

Seu cérebro emite luz? Sério? E o seu coração também? Uau.

LEIA MAIS: Devemos perseguir a felicidade? Psicólogo explica por que não

E afetamos os outros com os biofótons que irradiamos. Todos nós sabemos como são as vibrações ‘boas’ e ‘ruins’. Quando você está perto de alguém com raiva ou irradiando vibrações ‘ruins’, seu corpo quer ficar longe deles. Da mesma forma, quando uma pessoa irradia ‘boas’ vibrações, você se sente atraído por ela. De onde vêm essas vibrações? E elas são a forma ‘sensível’ dos biofótons?

Em 1926, o embriologista russo Alexander Gurwitsh descobriu a emissão de luz das células de um organismo vivo (Gurwitsch, 1934). Ele os chamou de mitogênicos. Então, em 1974, o pesquisador alemão e indicado ao Prêmio Nobel de Física, Fritz Albert Popp, reconfirmou a existência desses raios e os renomeou como biofótons.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Popp verificou que todos os sistemas biológicos transmitem luz e informação e que essas partículas de luz subatômicas emanam de todos os sistemas vivos, inclusive das células e do DNA de nossos corpos. E como os fótons são a menor unidade de energia eletromagnética, não é de surpreender que possamos senti-los e vê-los.

Quando tive a grande sorte de apoiar o Dalai Lama em sua turnê no Centro-Oeste de 2010, vi sua aura. Ele irradiava luz a cerca de 10 metros de seu corpo. Agora entendo o que estava vendo: biofótons.

Na obra de Dalai Lama, “O Livro da Alegria: Felicidade Duradoura em um Mundo em Mudança”, ele cita um estudo conduzido por pesquisadores alemães da Universidade de Kassel. Ele mostra que o peito (centro do coração) de uma pessoa média emite 20 biofótons por segundo. No entanto, se uma pessoa medita em seu centro cardíaco e envia amor e luz para os outros, seu coração emite incríveis 100.000 fótons por segundo.

Isso é 5.000 vezes mais do que o ser humano médio. Numerosos estudos mostraram que, quando esses biofótons são infundidos com intenção amorosa e curativa, sua frequência e vibração aumentam a ponto de poderem literalmente mudar a matéria, curar doenças e transformar eventos negativos. Isso é o que o Reiki é, e explica por que aproximadamente 20% dos pacientes de hospícios que recebem Reiki curam suas doenças ‘terminais’ e são liberados desse jugo. Eu testemunhei isso pessoalmente ao longo dos meus 23 anos como voluntário de pacientes de cuidados paliativos.

Dalai Lama diz em seu livro que “Depois de dez minutos meditando na compaixão, na bondade para com os outros, você verá seus efeitos o dia todo. Essa é a maneira de manter uma mente calma e alegre.”

É assim que todos nós podemos fazer uma diferença positiva no mundo. E talvez seja por isso que estarmos juntos, trabalhando próximos uns dos outros, seja tão útil. Podemos mais facilmente sentir e ser influenciados pelos biofótons positivos de todos.

A Rede-Rede

· Todos nós emitimos luz (energia eletromagnética) chamada biofótons. Os cientistas agora podem fotografar esses biofótons emitidos pelo nosso coração, cérebro e corpo.

· A qualidade da luz que emitimos pode impactar positivamente os outros. Todos nós podemos fazer a diferença.

A pergunta que fica é: como você gostaria de fazer uma diferença positiva hoje?

  • Christine Comaford é colaboradora da Forbes EUA, consultora, estrategista de negócios e coach executiva.
Compartilhe esta publicação: