5 pontos para considerar antes de voltar com seu ex

Psicólogo afirma que é primordial refletir sobre questões envolvendo o relacionamento como um todo - inclusive como ele acabou

Getty Images
Getty Images

Quer voltar com um ex-parceiro? Alguns pontos devem ser levados em consideração

Acessibilidade

Muitas pessoas sonham com a ideia de se reconciliar com um ex-parceiro, especialmente quando se sentem sozinhas ou vivem outro relacionamento fracassado. Mas voltar após um rompimento pode significar ter de enfrentar muitos desafios.

Para começar, envolve lidar com emoções complexas e avaliar as perspectivas de um futuro viável e feliz como casal. Por isso, antes de considerar seriamente a possibilidade de voltar a ter uma relação romântica com seu ex, é primordial refletir cuidadosamente sobre a situação.

Veja cinco pontos que devem ser levados em conta antes de tomar essa decisão:

  • Getty Images

    #1. Qual é a sua motivação para se reconciliar?

    Você quer voltar porque está se sentindo sozinho ou porque a outra situação não deu certo? A solidão frequentemente pode nublar nosso julgamento, levando-nos a buscar companhia mesmo quando isso pode não a melhor ideia para o nosso bem-estar.

    A psicóloga Zsófia Csajbók, autora principal de um estudo publicado em Personality and Individual Differences sobre sinais vermelhos em relacionamentos, afirma que ter clareza sobre o que você precisa e o que não pode tolerar em seu parceiro pode poupar você de muita angústia em seus relacionamentos futuros.

    “Podemos facilmente entrar em um relacionamento para evitar ficar sozinhos,” diz Csajbók.

    Para garantir uma reconciliação saudável é vital: pausar e refletir se o desejo de reconciliação vem de emoções genuínas em relação ao seu ex-parceiro ou se é apenas um anseio passageiro por conexão emocional; garantir que você esteja em um lugar mental e emocionalmente estável em sua vida; é possível que a saudade que você possa estar sentindo seja apenas um anseio por estabilidade, conforto ou familiaridade.

  • Getty Images

    #2. Os dois podem assumir a responsabilidade pelo primeiro término e lidar com os problemas?

    Para uma base sólida de reconciliação, ambas as partes devem estar dispostas a assumir a responsabilidade por suas ações passadas e contribuir para uma mudança positiva. Em vez de se apressar em voltar ao relacionamento, avalie se seu ex-parceiro consegue articular efetivamente o papel que teve na dissolução do relacionamento passado. Procure por sinais de que ele assume responsabilidade por suas ações e está disposto a fazer mudanças positivas.

    Avalie a situação fazendo as seguintes perguntas:

    Ambos conseguem identificar áreas específicas de problemas, como falhas na comunicação, questões de confiança ou estilos de vida incompatíveis? Seu parceiro está sinceramente disposto a trabalhar em si mesmo e no relacionamento? Um plano bem pensado demonstra compromisso com o desenvolvimento pessoal e disposição para investir esforço na reconstrução da confiança e estabelecimento de uma dinâmica mais saudável.

  • Getty Images

    #3. A separação se deu por um ponto irreconciliável?

    Pontos irreconciliáveis abrangem questões essenciais ou valores que não podem ser negociados em um relacionamento. Isso pode envolver confiança, respeito, compatibilidade e valores compartilhados. Reflita se o rompimento com seu ex-parceiro foi causado por um ponto irreconciliável. Se sim, as questões podem ser genuinamente abordadas e resolvidas? Você pode seguir em frente na relação com um senso renovado de confiança e alinhamento?

    Considere o seguinte:

    Pense se o motivo do primeiro término envolveu um desses pontos irreconciliáveis. Isso evitará que você se apresse em voltar para seu parceiro e perceba depois que você realmente não perdoou ou mudou de ideia. Reflita se você e seu ex-parceiro podem reconstruir um senso renovado de confiança e alinhamento em relação a esses pontos. Apaixonar-se novamente por alguém que você vê como um “culpado” é uma expectativa distorcida. É melhor chegar a um consenso sobre a questão em vez de transformá-la em um campo minado no qual nenhum de vocês pode se aventurar. Pesquisas publicadas no Journal of Divorce and Remarriage sugerem que a introspecção pode te ajudar a obter novas perspectivas e identificar áreas para melhoria pessoal. Uma introspecção honesta ajudará você a avaliar se o relacionamento pode ir para frente.

  • Getty Images

    #4. Existem padrões e dinâmicas recorrentes que podem ressurgir?

    Examine cuidadosamente os padrões e dinâmicas de seu relacionamento anterior. Ambos evitavam confronto? Usavam o sexo para evitar conversas difíceis e conseguir o que queriam?

    Identificar quaisquer problemas ou conflitos recorrentes que possam ter contribuído para o rompimento pode ajudar a desenvolver comportamentos substitutos com o objetivo de quebrar esses padrões. Algumas perguntas que você pode fazer a si mesmo para identificar seus ciclos prejudiciais:

    A reconciliação perpetuaria um padrão prejudicial ou o quebraria? Existem problemas de comunicação, conflitos não resolvidos ou dinâmicas de poder prejudiciais que só podem ser abordados ou mediados por um profissional qualificado? Reconhecer as potenciais armadilhas e ser honesto sobre a probabilidade de mudanças positivas é essencial. Se você optar por se reconciliar, entre no processo com os olhos abertos e disposição para enfrentar os desafios de frente. Lembre-se de que se reconciliar sem abordar as questões subjacentes pode te prender em um ciclo de decepções repetidas.

  • Anúncio publicitário
  • Getty Images

    #5. Vocês dois cresceram individualmente desde a separação?

    Antes de se reconciliar, pense se houve crescimento e progresso individual para ambos desde a separação. A abordagem do seu parceiro em conversas delicadas mudou? Você trabalhou para se tornar mais honesto?

    Avalie se cada um de vocês teve a oportunidade de refletir sobre o passado e aprender com os erros.

    O crescimento pessoal é um fator importante a ser considerado ao pensar em uma reconciliação. Um estudo com ex-cônjuges mostrou que maior empatia e disposição para assumir responsabilidade facilitaram mudanças positivas nos relacionamentos daqueles que se casaram novamente com seus ex-parceiros. Portanto:

    Pergunte a si mesmo se tanto você quanto seu ex-parceiro demonstraram sinais tangíveis de crescimento e um compromisso genuíno com mudanças positivas. Celebre o progresso e reflita cuidadosamente se ele está alinhado com sua visão de um relacionamento que promove crescimento e a realização mútuos.

Getty Images

#1. Qual é a sua motivação para se reconciliar?

Você quer voltar porque está se sentindo sozinho ou porque a outra situação não deu certo? A solidão frequentemente pode nublar nosso julgamento, levando-nos a buscar companhia mesmo quando isso pode não a melhor ideia para o nosso bem-estar.

A psicóloga Zsófia Csajbók, autora principal de um estudo publicado em Personality and Individual Differences sobre sinais vermelhos em relacionamentos, afirma que ter clareza sobre o que você precisa e o que não pode tolerar em seu parceiro pode poupar você de muita angústia em seus relacionamentos futuros.

“Podemos facilmente entrar em um relacionamento para evitar ficar sozinhos,” diz Csajbók.

Para garantir uma reconciliação saudável é vital: pausar e refletir se o desejo de reconciliação vem de emoções genuínas em relação ao seu ex-parceiro ou se é apenas um anseio passageiro por conexão emocional; garantir que você esteja em um lugar mental e emocionalmente estável em sua vida; é possível que a saudade que você possa estar sentindo seja apenas um anseio por estabilidade, conforto ou familiaridade.

Leia também:

*Mark Travers é colaborador da Forbes USA. Ele é um psicólogo americano formado pela Cornell University e pela University of Colorado em Boulder.


Conteúdo publicitário