Brasil é o terceiro país com mais acidentes aéreos

Contagem, feita desde 1945, traz os Estados Unidos na primeira posição, com 821 tragédias

Redação
Compartilhe esta publicação:

No decorrer de apenas uma semana, dois acidentes aéreos de voos comerciais abalaram o mundo. Em 11 de fevereiro, 71 pessoas morreram quando uma aeronave Antonov An-148 caiu pouco depois de decolar em Moscou. Sete dias mais tarde, no dia 16, 66 pessoas perderam a vida na queda de um ATR-72 uma hora depois de partir do Aeroporto de Tehran-Imam Khomeini, no Irã.

Acessibilidade


LEIA MAIS: Faça sua indicação para o Under 30 de Forbes Brasil

Apesar dos padrões de segurança da aviação terem reduzido o número de tragédias, as quedas nunca serão erradicadas. Desde a Segunda Guerra Mundial, a maioria dos voos com vítimas fatais foi nos Estados Unidos, país que contabiliza um total de 821 acidentes aéreos, segundo os dados mais recentes do site “Aviation Safety Network”. O Brasil ocupa a 3ª posição do ranking com 188 voos.

Veja, na galeria de fotos a seguir, 10 países com mais acidentes aéreos fatais desde 1945:

  • iStock

    10) Índia
    Número de tragédias: 94

  • iStock

    9) México
    Número de tragédias: 96

    Inscreva-se para receber a nossa newsletter
    Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
  • iStock

    8) Indonésia
    Número de tragédias: 98

  • iStock

    7) França
    Número de tragédias: 103

  • iStock

    6) Reino Unido
    Número de tragédias: 105

  • iStock

    5) Canadá
    Número de tragédias: 179

  • iStock

    4) Colômbia
    Número de tragédias: 182

  • iStock

    3) Brasil
    Número de tragédias: 188

  • iStock

    2) Rússia
    Número de tragédias: 520

  • iStock

    1) Estados Unidos
    Número de tragédias: 821

iStock

10) Índia
Número de tragédias: 94

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected])

Compartilhe esta publicação: