Hôtel de Crillon, em Paris, une design, luxo e história

Reprodução Forbes
Suíte Grand Appartement

Resumo:

  • Hôtel de Crillon recebeu o título conferido a propriedades consideradas superiores a hotéis cinco estrelas;
  • Recebem o selo estabelecimento empenhados em manter viva a “art de vivre” parisiense;
  • Propriedade encomendada em 1754 por Luis 15 foi reformulada para combinar a história do local com elementos de design contemporâneos.

Em 2018, o histórico Hôtel de Crillon conseguiu um lugar em um clube francês exclusivo. A propriedade recebeu o título ministerial oficial da França de “palace distinction” -um passo à frente de uma propriedade cinco estrelas– um ano depois de sua reabertura após quatro anos de reformas, juntando-se assim ao clube de elite de apenas uma dúzia de hotéis parisienses (como Le Royal Monceau, La Réserve, Le Bristol, Le Meurice, o Four Seasons Hotel George V ou o Park Hyatt Paris Vendôme).

Para receber tal título é preciso mais do que boa localização, patrimônio de prestígio, lista de convidados famosos, cozinha excelente, grandes, instalações e padrões de serviço mais altos. É preciso design e esforços das propriedades para espalhar a “art de vivre” (arte de viver, em tradução livre) francesa.

VEJA TAMBÉM: Amantes da gastronomia ganham nova opção de hotel em Paris

Diante de uma concorrência cada vez mais forte com os vizinhos Mandarin Oriental, Shangri-La e The Peninsula, dirigidos por grupos asiáticos, o Hôtel de Crillon estava sob crescente pressão para reformar seu interior envelhecido, assim como o Plaza Athénée e o Ritz Paris antes dele. Portanto, o estabelecimento mítico da Place de la Concorde em Paris, com vista para o Obelisco de Luxor -onde reza a lenda que a rainha Maria Antonieta tinha aulas de piano- anunciou em 2012 que fecharia suas portas. O dono da propriedade, o príncipe saudita Mutaib bin Abdullah bin Abdulaziz Al Saud, convidou o arquiteto Richard Martinet e a diretora artística Aline Asmar d’Amman, da agência Culture in Architecture, com sede no Líbano e em Paris, para liderar o restauro de cima para baixo, e a Rosewood Hotels & Resorts de Hong Kong para gerenciá-lo.

Em vez de uma restauração completa do hotel, situado em um edifício histórico originalmente encomendado em 1754 pelo rei Luís 15 e antiga residência do duque de Crillon -cuja fachada de referência foi projetada pelo arquiteto do Petit Trianon, Ange-Jacques Gabriel-, d’Amman orquestrou uma modernização na qual a história da propriedade casa com o século 21. Para tanto, o arquiteto contou com a ajuda de quatro designers: Tristan Auer, Chahan Minassian, Cyril Vergniol e Karl Lagerfeld. A opulência permanece, mas o sentimento é inteiramente contemporâneo, e os olhos são maravilhados por móveis, objetos e acabamentos personalizados criados pelos melhores artesãos da França -marceneiros, estofadores, moldadores de vidro e fabricantes de tecidos- que emprestaram sua sabedoria para a criação da joia principesca. Tirando a rigidez e a formalidade da tradicional experiência de uma estadia cinco estrelas, o Crillon parece mais uma casa particular do que um hotel, repleto de flores vivas de Djordje Varda (a florista responsável pelas flores do casamento de Pippa Middleton) e fragrâncias interiores da perfumista parisiense Buly.

Conhecido por projetar móveis, residências e hotéis como Les Bains e Cotton House, em Paris, na ilha de Mustique, Auer transformou a antiga recepção em um paraíso de tranquilidade com área de concierge; adicionou um lounge para fumantes coberto com folhas de papiro, em referência à textura e cor das embalagens de charutos; espaço de cabeleireiro em uma alcova forrada de pavão e penas pretas à la Madame Pompadour; uma barbearia dirigida por La Barbière de Paris (a primeira barbearia da França); uma área de engraxate com assentos da Aston Martin dos anos 60 que fazem referência à paixão do decorador por carros; elevadores de vidro espelhado gravados criados pelos especialistas da Arizio; um boudoir em tons de marrom e teto abobadado com decoração de fogos de artifício, cravejado de estrelas -concebido por artesãos franceses em folha de ouro, folha de paládio e pintura acrílica- para provar rótulos extremamente raros de conhaques e Armagnacs; e a casual Brasserie d’Aumont com assentos de vime e bar de madeira. Auer até deu uma nova vida ao carro de cortesia Citroën DS de 1973 do hotel, com um luxuoso cinza parisiense inteiramente personalizado.

Enquanto Auer injetava uma estética pura e refinada, porém quente, Minassian fazia uso de materiais exclusivamente ricos, com minerais, texturas e brilho em outras áreas. O restaurante com uma estrela Michelin L’Ecrin, liderado pelo chef Boris Campanella, conta com uma decoração de espelhos antigos de madeira patinada, arandelas de cristal de Murano e móveis em tons de gesso e quartzo. Uma magnífica e curva escada branca e o corredor de estuque levam ao spa repleto de mármore, gesso veneziano e espelhos em tons de creme, ouro, água e turquesa, conferindo uma atmosfera praiana. No entanto, a cereja do bolo é a novíssima piscina linear interna forrada com 17.600 folhas de ouro, pastilhas de vidro em formato de escama de peixe aplicadas à mão, cercados por paredes de cerâmica cravejada com grandes pérolas e ouro pelo artista americano Peter Faixa. Ao descer dois andares no subsolo, é possível encontrar um ambiente iluminado pela luz natural que atravessa o telhado de vidro do pátio Gabriel no térreo, projetado pelo famoso arquiteto paisagista Louis Benech.

E AINDA: Conheça os hotéis vencedores do Forbes Travel Guide de 2019

Com o uso de 600 materiais diferentes (o que inclui 40 tipos de mármore) em uma paleta de cinza, azul ou marrom, Vergniol reformou os 124 quartos e suítes com móveis como poltronas estofadas de seda dos anos 50, tapetes macios, jogos de tabuleiro e livros especialmente selecionados para dar a sensação de lar. Como o designer de moda Karl Lagerfeld era especialista em decoração do século 18 e era particularmente apto a combinar elementos históricos com a estética da art de vivre francesa, foi encarregado de decorar duas suítes do Grands Appartements e uma sala que ele dedicou ao seu mascote felino Birman -forrada com carpete em preto e branco inspirado em arranhões de gato. As suítes exibem paredes cinza texturizadas, em menção à luz prateada de Paris, composta por nove camadas de tinta com toques de madrepérola furta-cor. Ele havia escolhido pessoalmente cada cristal para o lustre da sala de jantar, e foram instaladas pias originais do Château de Versailles no lavabo. Preocupado com as proporções e como os convidados interagiam com os móveis, instalou um sofá branco na sala de estar para garantir a curvatura ideal para a postura das mulheres. Os hóspedes podem até viver como poetas e pintores boêmios nas suítes Ateliers d’Artistes no último andar da propriedade, mas de maneira ultra luxuosa e romântica, combinando uma série de quartos de antigos funcionários sob o telhado da mansão do hotel, agora dotado de varandas privadas com vista para Paris.

O proprietário do Crillon é um ávido colecionador de arte, e o hotel conta com 1.000 obras de arte originais de sua coleção, com curadoria de Fru Tholstrup. Entre as peças estão: o polegar gigante de César em cristal de Baccarat; o Tussle da artista britânica Kate MccGwire feita de penas de faisão que lembram serpentes entrelaçadas; a escultura Stack 9 Copper Blue de Annie Morris em metal pigmentado, concreto, gesso e areia, que recebe os visitantes na entrada, assim como fotos em preto e branco do fotógrafo Cecil Beaton de personalidades famosas, como Alberto Giacometti e Coco Chanel, deliciam os clientes. Na Brasserie d’Aumont; a escultura de chapa de latão polida Le Berre L’Infini de Nathanaël adorna o boudoir; os pontos coloridos Léopoldine Roux acrescentam cor a gravuras antigas que retratam cenas reais nos corredores; e uma tapeçaria francesa antiga reformada com bordados divertidos pela Bokja Design.

Em três salões patrimoniais, com tetos altos de seis metros, enormes pinturas encomendadas para o artista francês Laurent Grasso retratam cenas de batalha embasadas na ciência, história, mitologia e fenômenos sobrenaturais. Para hóspedes que procuram desesperadamente o palácio parisiense perfeito que combina arte, alto design e luxo, o Hôtel de Crillon é o local ideal.

Veja, na galeria de imagens a seguir, fotos do interior do Hôtel de Crillon:

  • Brasserie d’Aumont projetada por Tristan Auer

  • Área para engraxar sapatos com assentos da Aston Martin dos anos 60, em referência à paixão por carros do decorador francês Tristan Auer

  • Bar Les Ambassadeurs decorado por Chahan Minassian

  • O spa do hotel em mármore, gesso veneziano e espelhos em tons de creme, dourado, água e turquesa apresenta uma piscina interna forrada com 17.600 folhas de ouro, mosaicos em escama de peixe de vidro fundido aplicados à mão

Brasserie d’Aumont projetada por Tristan Auer

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).