JPMorgan tem resultado abaixo do esperado

A receita com renda fixa recuou 18% pressionada por picos de volatilidade no final de 2018

O JPMorgan Chase divulgou hoje (15) resultado trimestral abaixo do esperado, atingido por baixa atividade no mercado de bônus, o que minimizou ganhos com juros maiores e crescimento na carteira de crédito.

LEIA MAIS: Lucro do JPMorgan supera estimativa e vai a US$ 8,32 bi

As ações do maior banco dos Estados Unidos em ativos caíam 3% antes da abertura dos negócios, com a queda na receita em três das quatro principais áreas de negócios da instituição financeira no quarto trimestre.

A receita com renda fixa recuou 18% pressionada por picos de volatilidade no final de 2018, motivo citado pelo Citigroup ontem (14) ao comentar a queda acentuada na atividade do segmento.

As mesas de negociação de bancos têm sido abaladas por preocupações sobre o crescimento global e pela guerra comercial iniciada pelos Estados Unidos contra a China.

“Conforme entramos em 2019, pedimos aos líderes do nosso país para adotarem um tom colaborador e construtivo, que poderia reforçar a confiança do consumidor e de empresários, que já está forte”, disse o presidente-executivo do JPMorgan, Jamie Dimon.

O lucro líquido trimestral do JPMorgan subiu 67%, para US$ 7,07 bilhões, ou US$ 1,98 por ação, sobre igual período do ano anterior, quando o banco foi atingido por encargo extraordinário relacionado à reforma tributária nos EUA. O resultado, porém, não cumpriu expectativas de analistas, que esperavam, em média, lucro de US$ 2,20, segundo dados da IBES Refinitiv.

VEJA TAMBÉM: JPMorgan anuncia plano de investimento de US$ 20 bi depois de ganhos com impostos

A carteira de crédito do banco cresceu 6% no trimestre na comparação anual. A receita subiu 4,1%, para US$ 26,8 bilhões ante expectativa média de analistas de US$ 26,83 bilhões.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).