Produção industrial no Brasil sobe e interrompe 4 meses de queda

Reuters
Veículos automotores, reboques e carrocerias sofreram uma queda de 4,2%

A produção da indústria brasileira avançou em novembro e interrompeu quatro meses de queda impulsionada pelos bens intermediários, mas registrou o resultado mais fraco para o mês em três anos.

LEIA MAIS: Indústria brasileira fecha ano com produção mais forte, mostra PMI

Em novembro, a produção industrial teve alta de 0,1% em relação a outubro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) hoje (8).

Ainda assim, o resultado é o mais fraco para novembro desde 2015, quando houve queda de 2%. Sobre novembro de 2017, a produção teve queda de 0,9%, leitura mais baixa para o mês desde o recuo de 1,2% registrado em 2016.

“O ano vai fechar positivo, mas com uma taxa menor do que se esperava. Será o segundo ano seguido de alta, mas não se repõe a perda acumulada de 16,7% nos anos de 2014, 2015 e 2016”, avaliou o gerente da pesquisa, André Macedo.

“Isso tem a ver com a greve dos caminhoneiros, dificuldades no mercado de trabalho, crise na Argentina, instabilidade causada pelo período eleitoral”, completou.

De acordo com o IBGE, entre as categorias pesquisadas, somente Bens Intermediários teve avanço na produção no mês, de 0,7%, após três meses de perdas.

Por outro lado, a fabricação de Bens de Capital, uma medida de investimento, recuou 2,7%, enquanto Bens de Consumo teve perdas de 0,4%.

VEJA TAMBÉM: Atividade industrial da China encolhe pela 1ª vez em 19 meses

Entre as atividades, a principal influência positiva partiu dos produtos alimentícios, com avanço de 5,9%, interrompendo quatro meses consecutivos de queda. Também se destacaram as altas de 7,1% de produtos farmoquímicos e farmacêuticos e de 0,5% de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis.

Já entre as quedas, destacou-se a de 4,2% entre veículos automotores, reboques e carrocerias, eliminando o ganho de 2,8% de outubro.

A confiança da indústria brasileira terminou o ano registrando sua segunda alta consecutiva em dezembro, com melhora da percepção sobre a demanda interna, embora ainda sinalize um ritmo moderado de atividade do setor na virada para o próximo ano, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).

A pesquisa Focus do Banco Central mais recente mostra que a expectativa dos economistas é de que a indústria tenha terminado 2018 com crescimento de 1,91%, e acelere para 3,04% em 2019

Veja abaixo os resultados da produção industrial (%):

Categorias de Uso Mensal Anual Acumulado em 12 meses

.Bens de Capital -2,7 +3,5 +8,3

.Bens Intermediários +0,7 -1,4 +0,9

.Bens de Consumo -0,4 -0,9 +2,1

.Duráveis -3,4 -3,4 +10,3

.Semiduráveis e Não Duráveis 0,0 -0,3 +0,1

.Indústria Geral +0,1 -0,9 +1,8

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).