BB tem 20,6% de aumento no lucro do 4º tri

O lucro ajustado de outubro a dezembro do BB atingiu R$ 3,845 bilhões

A combinação de aumento das receitas com controle de custos levou o Banco do Brasil a uma forte alta do lucro no quarto trimestre, roteiro que foi mantido nas previsões para 2019, frisando o foco de elevar sua rentabilidade a níveis similares aos dos rivais privados.

LEIA MAIS: BB Seguridade tem lucro de R$ 839,8 mi no 4º tri

O BB anunciou hoje (14) que seu lucro ajustado de outubro a dezembro atingiu R$ 3,845 bilhões, um aumento de 20,6% ante mesma etapa de 2017. Incluindo efeitos não recorrentes, o lucro líquido ano a ano subiu 22,3%, a R$ 3,8 bilhões.

Com isso, a rentabilidade sobre o patrimônio líquido, que mede como um banco remunera o capital de seus acionistas, atingiu 16,3%, alta anual de 1,8% contra 12 meses antes e o maior nível em cinco anos. Rivais como Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil tiveram índices acima de 20% no fim de 2018.

Um dos pilares do resultado do BB foi a queda de 19% das despesas com provisões para perdas com inadimplência, que somaram R$ 3,17 bilhões no trimestre. O movimento refletiu a manutenção da qualidade dos ativos, com o índice de inadimplência acima de 90 dias caindo a 2,53%, ante 3,72%.

Em outra frente, a despesa administrativa teve baixa de 0,2%, para R$ 8,22 bilhões. Enquanto isso, a receita com tarifas subiu 7,4%, para R$ 7,24 bilhões.

Nesse contexto, as operações de crédito ficaram em segundo plano, com o estoque de empréstimos atingindo R$ 697,3 bilhões no fim de 2018, alta de apenas 1,8% no ano.

2019

Nas estimativas de desempenho para este ano, o BB mostrou que deve manter a estratégia recente de controle das despesas administrativas e com provisões para calotes, aumento das receitas com tarifas em nível superior ao da inflação e aceleração moderada das operações de crédito.

VEJA TAMBÉM: Governo quer vender subsidiárias de BR, BB e Caixa

A previsão para o lucro ajustado é de R$ 14,5 bilhões a R$ 17,5 bilhões. No centro dessa faixa, o lucro crescerá 18,5% em relação aos R$ 13,5 bilhões do ano passado.

A previsão de alta da margem bruta foi fixada entre 3% e 7%. Enquanto isso, a expectativa do BB para incremento de sua carteira de empréstimos ficou entre 3% e 6%, abaixo da média prevista por seus principais rivais.

O BB também previu alta de 5% a 8% das receitas com tarifas e de 2% a 5% das despesas administrativas. Para provisão para inadimplência, a expectativa é de que a despesa líquida fique na faixa de R$ 11,5 bilhões a R$ 14,5 bilhões. No ano passado, o montante foi de R$ 14,2 bilhões nesta linha.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).