Celular dobrável da Samsung abre novas fronteiras

Reuters
O Galaxy Fold abre como um livro, revelando uma segunda tela do tamanho de um pequeno tablet

A Samsung fascinou a indústria de smartphones ontem (20) com seu primeiro aparelho de tela dobrável. Além de reforçar suas credenciais de inovação, a empresa afastou críticas de só seguir tendências e, a um valor de quase US$ 2 mil, definiu um novo padrão para os aparelhos topo de linha.

LEIA MAIS: Samsung anuncia celular Galaxy “dobrável”

O Galaxy Fold apresentado ontem lembra um smartphone convencional, mas abre como um livro, revelando uma segunda tela do tamanho de um pequeno tablet de 7,3 polegadas (18,5 cm). O aparelho começará a ser vendido em 26 de abril.

No evento de lançamento do aparelho em São Francisco, a gigante sul-coreana aumentou o fator surpresa ao dar detalhes antecipados de sua estratégia, como versões 5G de seus atuais telefones Galaxy S, atuais topo de linha da marca.

“Estou impressionado”, disse Patrick Moorhead, da Moor Insights & Strategy, acrescentando que o telefone dobrável da companhia poderia ajudar a Samsung a rejuvenescer sua divisão de telefonia móvel, cuja liderança está sob ataque da chinesa Huawei. “Eu acredito que você pode inovar fora de um mercado maduro”, disse ele, observando que quando a Apple lançou o iPhone, em 2007, a maioria dos observadores da indústria acreditava que o mercado já estava maduro com telefones em formato “tijolo” de US$ 100 e sem telas sensíveis ao toque.

NOVOS PADRÕES DE PREÇO

O Galaxy Fold, que pode operar três aplicativos simultaneamente e possui seis câmeras, também desafia a noção de quanto um celular pode custar, estreando a US$ 1.980, quase o dobro do preço dos atuais modelos topo de linha da Apple e da própria Samsung.

“Devido ao preço, é provável que seja vendido principalmente para os fãs de tecnologia. Os valores são essenciais para expandir as vendas”, disse Kim Yong-serk, ex-executivo da Samsung, que hoje é professor da Universidade Sungkyunkwan, na Coreia. “O aparelho ajudará a Samsung a criar uma imagem de uma empresa inovadora, mas é improvável que seja lucrativo. Espero que a Apple aguarde um ano e crie telefones dobráveis com mais recursos, como fizeram com o smartwatch”, disse ele.

VEJA TAMBÉM: Samsung lança televisão 8k de 85 polegadas por US$ 15 mil

A corretora Hana Investment & Securities espera que a Samsung venda 2 milhões de telefones dobráveis este ano, com o preço mantendo o volume relativamente baixo, enquanto outra corretora espera que as vendas cheguem a 1 milhão de unidades. Isso seria menos de 1% dos 291 milhões de smartphones vendidos pela Samsung no ano passado.

“O sucesso de um telefone dobrável está relacionado ao fato de atender à demanda dos usuários de tablets. Acreditamos que será difícil alcançar vendas significativas com uma tela de 7,3 polegadas”, disseram analistas da Meritz Securities em nota aos clientes. “Para ter sucesso, ele precisa evoluir ainda mais para poder suportar telas de 10 polegadas ou mais com várias dobras.”

Alguns analistas da indústria disseram que esses telefones dobráveis poderiam entrar no mercado de tablets, que encolheu 6% no ano passado, mesmo quando a Apple vendeu mais iPads.

O iPad Mini4, com tela de 7,9 polegadas, é o menor e mais barato tablet da Apple, custando entre US$ 329 e US$ 559. A empresa norte-americana comanda 25,8% do mercado mundial de tablets, quase o dobro dos 13,3% da Samsung.

Enquanto a maioria dos analistas acredita que a Apple vá esperar até 2020 para competir com o telefone dobrável da Samsung, a empresa sul-coreana definiu novos padrões de preço na categoria premium, uma vez que busca reviver o interesse do consumidor em uma indústria que registrou seu primeiro declínio de vendas no ano passado.

“O fato de as pessoas estarem apenas reclamando sobre o preço diz que muitas delas realmente têm interesse nele. A segunda geração desse aparelho vai vender como pão quente”, disse o usuário AmazedCoder, no Reddit.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).