Dólar sobe ante real e fecha a R$ 3,73

Getty Images
A moeda norte-americana avançou 0,63%, a R$ 3,7340 na venda

O dólar fechou em alta ante o real hoje (8), com o mercado à espera de avanços nas negociações para a reforma da Previdência e investidores buscando proteção em meio à cautela no exterior, com temores de desaceleração econômica global e incerteza sobre negociações entre EUA e China.

LEIA MAIS: Dólar tem pouca variação ante real

A moeda norte-americana avançou 0,63%, a R$ 3,7340 na venda. A moeda oscilou entre R$ 3,7031 e R$ 3,7491. Na semana, a divisa acumulou alta de 1,96%. O dólar futuro tinha avanço de 0,36%.

O dólar passou a operar com um pouco mais de força frente ao real por volta das 14 horas, acompanhando o exterior, diante da piora nos índices acionários norte-americanos relacionada ao ceticismo sobre o acordo comercial entre EUA e China.

A Casa Branca confirmou que conversas de alto nível entre representantes serão retomadas em Pequim nos dias 14 e 15 de fevereiro.

Na véspera, declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, de que não pretende se reunir com o líder chinês Xi Jinping antes do prazo de 1º de março determinado pelos dois países para chegar a um acordo comercial alimentou incertezas.

Também segue no radar do mercado preocupações sobre a desaceleração global alcançando a Europa. A Comissão Europeia reduziu estimativas de crescimento econômico da zona do euro neste e no próximo ano, o que endossou o sentimento.

VEJA TAMBÉM: Dólar fecha com pequeno acréscimo ante real

Após pregão de ajuste ontem (7), quando calibraram apostas sobre a reforma da Previdência, investidores retomaram posições de espera, com a percepção de que só haverá uma definição quando Jair Bolsonaro tiver alta hospital e voltar a Brasília.

Nesta sexta, o porta-voz da Presidência afirmou que a pneumonia contraída por Bolsonaro ainda não foi completamente debelada e que o encerramento do processo infeccioso depende de exames de imagens e avaliações médicas.

“Tem um certo desconforto com relação à saúde de Bolsonaro que pode atrasar a composição política pra fazer a reforma”, afirmou mais cedo o estrategista de renda fixa da Coinvalores Corretora, Paulo Celso Nepumoceno. “É preciso um apoio para a reforma acontecer e com uma demora um pouco maior, com ele [Bolsonaro] mais afastado da linha de frente, pode atrasar um pouco a coalizão que o governo precisa formar”, avaliou.

Dirigentes partidários indicaram apoio à reforma da Previdência, mas se disseram insatisfeitos com a falta de informações e de contato por parte de interlocutores do governo.

E AINDA: Dólar sobe ante real

O BC vendeu na sessão 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Assim rolou US$ 3,01 bilhões dos US$ 9,81 bilhões que vencem em março.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).