Ex-advogado ataca Trump: “Ele é um vigarista”

Reuters
Michael Cohen não apresentou, no entanto, provas de conluio com a Rússia

Michael Cohen, ex-advogado pessoal do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atacou o caráter de seu antigo cliente em uma audiência tensa no Congresso hoje (27), classificando-o como um “vigarista” que soube de antemão sobre a divulgação de e-mails roubados com o objetivo de prejudicar sua rival democrata na eleição presidencial de 2016.

LEIA MAIS: Ex-advogado de Trump o acusará de vazamento de e-mails

Mas Cohen, que foi um “solucionador de problemas” do presidente republicano, disse não ter provas diretas de que Trump se mancomunou com a Rússia para fortalecer sua campanha à Casa Branca. Essa é uma linha de inquérito essencial na investigação do procurador especial Robert Mueller sobre a Rússia que vem assombrando Trump durante seus dois anos de governo.

“Estou envergonhado porque sei quem o senhor Trump é. Ele é um racista. Ele é um vigarista. Ele é um trapaceiro”, disse Cohen a um comitê da Câmara dos Deputados. “Donald Trump é um homem que concorreu ao governo para tornar sua marca grande, não para tornar nosso país grande”, acrescentou. “Ele não tinha desejo ou intenção de liderar esta nação – só de fazer marketing de si mesmo e de aumentar sua riqueza e poder.”

A Casa Branca não comentou ainda o depoimento de Cohen, mas, mais cedo, Trump acusou seu ex-empregado de mentir. “Ele fez coisas ruins sem relação com Trump. Ele está mentindo para reduzir sua pena de prisão”, tuitou Trump do Vietnã, onde se encontra com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un.

Cohen afirmou que Trump aprovou pagamentos para acobertar relacionamentos extraconjugais, uma violação das leis de financiamento de campanha, e que orientou as negociações de um projeto imobiliário em Moscou durante a corrida presidencial, apesar de ter declarado publicamente que não tinha investimentos na Rússia.

Ele não chegou a dizer que Trump ou sua campanha conspirou diretamente com a Rússia, mas disse que tem suspeitas de que isso tenha acontecido.

VEJA TAMBÉM: Trump diz que conversas com a China foram ‘produtivas’

“Eu não usaria a palavra conluio”, disse Cohen a respeito dos negócios de Trump com a Rússia, mas acrescentou que havia “algo estranho” no bom relacionamento de seu ex-cliente com o presidente russo, Vladimir Putin. “Há muitos pontos que parecem levar para a mesma direção”, disse.

Parlamentares republicanos presentes à audiência tentaram minar Cohen e seu depoimento diversas vezes, retratando-o como um mentiroso incurável que se beneficiou de crimes financeiros e dizendo que a audiência foi um primeiro movimento de uma investida democrata visando um impeachment de Trump.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).