Ibovespa fecha no vermelho, com queda de 0,98%

Reuters
Índice foi pressionado por Vale, bancos e Petrobras

A Bovespa fechou no vermelho hoje (11), sucumbindo à pressão das ações de Vale (queda de 2,64%), de bancos e da Petrobras em meio à ausência de novidades em torno da reforma da Previdência e ao sentimento de cautela que permeava as negociações no exterior.

LEIA MAIS: Ibovespa fecha em leve queda com exterior e Vale

Referência da bolsa paulista, o Ibovespa encerrou em baixa de 0,98%, a 94.412,91 pontos, após ter caído 1,68% no pior momento do dia. O giro financeiro da sessão somou R$ 12,49 bilhões.

O indicador fechou no vermelho em três dos cinco pregões da semana passada, recuando 2,57% no período, após uma sequência de seis semanas de alta, em movimento de correção após renovar máximas recordes repetidamente em janeiro.

Operadores de renda variável avaliam que a bolsa paulista carece de gatilhos no curto prazo para engatar um movimento de alta, dado que o avanço das reformas econômicas, sobretudo a da Previdência, depende da recuperação de Jair Bolsonaro.

“Não tem fato novo porque toda a expectativa de melhora [da economia] está atrelada à Previdência na verdade… O mercado fica sem força com ausência de notícias novas e, nesse compasso de espera, muita gente acaba realizando um pouco de lucro”, explicou Ari Santos, da H.Commcor.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse acreditar que o presidente esteja de volta a Brasília até sexta-feira (15) para tomar “decisões finais” sobre a proposta da reforma da Previdência que será enviada ao Congresso. Mais tarde, o porta-voz da presidência ressaltou que ainda não há previsão de alta do hospital.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa cai 3,7% e fecha abaixo de 95 mil pontos

Enquanto não surgem novidades no front político ou nas articulações em torno das reformas, investidores dividem as atenções entre o noticiário externo e os balanços corporativos.

Para o economista-chefe da gestora Infinity, Jason Vieira, a temporada de resultados ainda não exerce grande influência sobre o mercado doméstico em função do espaçamento maior do cronograma de balanços, até o fim de março.

No exterior, as bolsas norte-americanas perdiam fôlego perto do final dos negócios, conforme prevalecia em Wall Street um sentimento de cautela diante das negociações comerciais entre China e Estados Unidos e a possibilidade de nova paralisação do governo devido ao impasse envolvendo o orçamento.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).