Jovem europeu cria braço protético com blocos de Lego

Reuters
Braços protéticos criados com peças de Lego pelo jovem David Aguilar

Nascido sem o antebraço direito devido a um problema genético raro, David Aguilar criou um braço protético robótico para si mesmo com blocos de Lego.

LEIA MAIS: Cientistas desenvolvem prótese para restaurar memória

Aguilar, europeu de 19 anos que estuda bioengenharia na Universidade Internacional da Catalunha, já está usando o quarto modelo colorido da prótese, e seu sonho é criar membros robóticos acessíveis para aqueles que necessitam.

Antes seus brinquedos favoritos, os blocos de plástico se tornaram o material do primeiro e ainda muito rudimentar braço artificial que Aguilar construiu aos 9 anos, e cada versão nova lhe dava mais capacidade de movimento que a anterior.

“Quando era criança ficava muito nervoso diante dos outros meninos porque era diferente, mas isso não me impediu de acreditar nos meus sonhos”, disse Aguilar, que é natural de Andorra, um pequeno principado entre a Espanha e a França, à Reuters. “Queria me ver no espelho como vejo os outros caras, com duas mãos”, disse ele, que só usa o braço artificial ocasionalmente e é autossuficiente sem ele.

Todas as versões estão à vista em seu quarto no dormitório da universidade dos arredores de Barcelona. Os modelos mais recentes trazem a sigla MK e um número – uma homenagem ao super-herói Homem de Ferro e suas armaduras MK.

Aguilar, que usa peças de Lego fornecidas por um amigo, exibiu com orgulho um braço robótico vermelho e amarelo totalmente funcional que construiu aos 18 anos, dobrando-o na junta do cotovelo e flexionando a garra enquanto o motor elétrico interno zumbia.

Um vídeo publicado em seu canal de YouTube, no qual usa o apelido “Hand Solo”, informa que seu objetivo é mostrar às pessoas que nada é impossível e que a deficiência não pode contê-las.

Depois de se formar na universidade, ele quer criar soluções protéticas acessíveis para as pessoas necessitadas. “Eu tentaria lhes dar uma prótese, mesmo que fosse de graça, para fazê-las se sentirem normais, porque, afinal, o que é normal?”, pergunta.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).