Nestlé começará a vender produtos Starbucks este mês

Reuters
Produtos estarão disponíveis na Bélgica, Brasil, Chile, China, México, Holanda, Coreia do Sul, Espanha e Grã-Bretanha

A Nestlé venderá o café da marca Starbucks em lojas e pela internet na Europa, Ásia e América Latina a partir deste mês, à medida que busca aumentar sua liderança sobre rivais como a JAB.

LEIA MAIS: Nestlé tem alta de 2,9% nas vendas no 3º tri

Após um acordo de US$ 7,15 bilhões em dinheiro no ano passado pela exclusividade na venda de cafés e chás da companhia dos EUA, a Nestlé começará a vender grãos de café rotulados pela Starbucks, torrados e moídos e cápsulas de dose única para suas cafeteiras Nespresso e Nescafé Dolce Gusto.

Estes estarão disponíveis na Bélgica, Brasil, Chile, China, México, Holanda, Coreia do Sul, Espanha e Grã-Bretanha, com mais mercados sendo atingidos posteriormente, afirmou o maior grupo de alimentos do mundo hoje (13).

Perguntado se o lançamento de cápsulas Starbucks Nespresso ajudaria a Nespresso a voltar ao crescimento de dois dígitos, Patrice Bula, vice-presidente executivo e chefe de negócios estratégicos, marketing, vendas, disse: “Sim, espero que sim. Temos grandes ambições”.

A Starbucks, a maior rede de café do mundo, tem impulsionado vendas de seu café para uso doméstico – incluindo uma variedade de grãos torrados inteiros, versões instantâneas ou moídas, bem como cápsulas de café – em toda a América do Norte durante anos.

VEJA TAMBÉM: Nestlé e Starbucks fecham acordo de US$ 7,15 bi

Pelo acordo do ano passado, a Starbucks, que está se expandindo na China e finalmente se aventurou em setembro na Itália, país obcecado por café, terá seu negócio fora de casa gerenciado pela Nestlé, enquanto continua vendendo diretamente seus produtos prontos para beber.

A Nestlé deve publicar os resultados financeiros amanhã (14).

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).