Renault embarca na era pós-Ghosn

Foto Rep. Forbes
Ghosn enfrenta julgamento no Japão depois que uma investigação interna da Nissan revelou indícios de má conduta, incluindo falha em declarar mais de US$ 80 milhões em renda diferida.

A Renault estabeleceu uma meta de lucro mais baixa para o ano, citando desafios cambiais e incertezas de mercado, já que a montadora francesa apresentou resultados anuais sem o seu ex-CEO Carlos Ghosn pela primeira vez em 13 anos.

LEIA MAIS: Renault cancela pagamentos de € 30 mi para Ghosn

Sob nova liderança desde a demissão forçada de Ghosn no mês passado, por causa de alegações de má conduta financeira, a Renault atingiu uma lucratividade de “cerca de 6%” em 2019, em comparação com uma margem operacional de 6,3% registrada no ano passado.

Tanto a receita quanto o lucro caíram conforme esperado sob efeito combinado dos reveses das moedas, de uma retirada do Irã e de um colapso nas vendas do diesel que atingiu a produção de motores para a parceira da Renault, a Nissan e a afiliada Daimler.

Os resultados, no entanto, alcançaram as metas da própria Renault, incluindo o crescimento da receita antes os efeitos cambiais e uma margem operacional acima de 6%, a caminho de seu objetivo de médio prazo de ultrapassar os 7% em 2022.

A receita total caiu 2,3%, para € 57,42 bilhões, enquanto o lucro operacional recorrente recuou 6,3%, para € 3,61 bilhões. O lucro líquido totalizou € 3,3 bilhões, uma queda acentuada em relação aos € 5,31 bilhões registrados em 2017, refletindo em parte o excepcional ganho do ano anterior da Nissan.

SAIBA TAMBÉM: França alerta contra pacote de demissão de Carlos Ghosn

Excluindo os efeitos cambiais, a receita teria aumentado 2,5%, segundo a Renault. Os analistas esperavam lucro operacional recorrente de € 3,52 bilhões com receita de € 58,1 bilhões, com base na mediana de 12 estimativas de uma pesquisa da Infront Data.

“2018 foi claramente um ano desafiador em que enfrentamos dificuldades esperadas e inesperadas”, disse o novo presidente Thierry Bollore, acrescentando que os resultados “demonstram a resiliência do grupo”.

Bollore, ex-vice de Ghosn, foi promovido a presidente em 24 de janeiro, com o chefe da Michelin, Jean-Dominique Senard assumindo o papel de presidente do conselho de administração.

Ghosn enfrenta julgamento no Japão depois que uma investigação interna da Nissan revelou indícios de má conduta, incluindo falha em declarar mais de US$ 80 milhões em renda diferida. Ghosn nega as irregularidades.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).