Bolsa fecha em forte alta com sinais trégua política

Reuters
Aumento foi de 2,7%; índice passa dos 94 mil pontos

O Ibovespa fechou em forte alta hoje (28), com sinais mais apaziguadores do front político servindo como argumento para ajustes após fortes perdas recentes, enquanto a volatilidade tende a continuar elevada no pregão, em meio às expectativas para a pauta econômica no país.

LEIA MAIS: Ibovespa quebra série de perdas e avança

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 2,7%, a 94.388,94 pontos. O volume financeiro somou R$ 17,4 bilhões.

Ontem (27), a bolsa paulista caiu 3,57%, para 91.903,40 pontos, encerrando na mínima do dia, em nova sessão contaminada por desconfianças com a cena política. No começo da semana passada, o Ibovespa tinha superado os 100 mil pontos pela primeira vez durante o pregão.

“A volatilidade aumentou e acho que pode permanecer alta até que a reforma seja aprovada”, afirmou o gestor de portfólio Guilherme Foureaux, sócio na Paineiras Investimentos.

Agentes financeiros vinham mostrando desconforto com o ambiente político, particularmente a articulação do governo para a aprovação do texto que muda as regras das aposentadorias, considerado crucial para a melhora fiscal do país, mas que vem enfrentando dificuldades no avanço de sua tramitação.

Na véspera, os presidentes da República, Jair Bolsonaro, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltaram a trocar farpas publicamente, um dia após a Câmara aprovar PEC que reduz margem de manobra do orçamento pelo governo. Nesta sessão, contudo, sinalizações mais apaziguadoras acalmaram os ânimos.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa fecha em queda de 0,08%

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara procuraram mostrar um discurso afinado em entrevista à imprensa após almoçarem juntos nesta quinta-feira e garantiram que, após os atritos políticos recentes, a reforma da Previdência vai deslanchar no Legislativo.

Mais cedo, Bolsonaro também disse que a crise com o presidente da Câmara é página virada e que, da sua parte, não há qualquer problema com o parlamentar. “Foi uma chuva de verão e agora o céu está lindo”, disse.

Na parte da tarde, foi a vez de o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, contribuir ao afirmar que “se Deus quiser” o relator da reforma na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara seria definido nesta quinta-feira, o que foi confirmado durante o ajuste de fechamento.

A CCJ é o primeiro colegiado em que a reforma da Previdência tramitará e a expectativa era de que o relator fosse anunciado no começo desta semana. Nesta quinta-feira, o presidente da CCJ disse que o deputado federal Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG) será o relator da proposta.

E MAIS: Ibovespa encerra em queda de mais de 3%

“Hoje vimos sinais, mesmo que incipientes, de arrefecimento da crise política. Por ora, a despeito da volatilidade e de todos os ruídos, não parece haver nenhuma mudança substancial de cenário local”, afirmou o estrategista Dan Kawa, sócio na TAG Investimentos, em nota a clientes.

O cenário externo também continuou no radar, em meio a preocupações com o ritmo de crescimento da economia global, com o fechamento modesto mas positivo em Wall Street ajudando na recuperação das ações brasileiras.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).