Sony fechará fábrica de smartphones na China

Reuters
A produção na fábrica na China vai parar até o final do mês

A Sony está fechando sua fábrica de smartphones em Pequim, disse um porta-voz hoje (28), em um momento em que a gigante japonesa de eletrônicos reduz custos em uma tentativa de tornar o negócio de celulares, que está perdendo dinheiro, rentável a partir do próximo ano.

LEIA MAIS: Sony reforçará divisão de chips com novos engenheiros

A operação é um dos poucos pontos fracos da Sony e está enfrentando uma perda de 95 bilhões de ienes (US$ 863 milhões) para o ano fiscal que se encerra este mês.

O porta-voz disse que a decisão de fechar a fábrica não está relacionada às tensões comerciais entre Estados Unidos e China. A produção vai parar até o final do mês, acrescentou ele, sem dizer quantos empregos seriam afetados pela decisão.

Após o fechamento, a Sony só fabricará smartphones em uma planta na Tailândia, mas continuará terceirizando parte da produção para fabricantes contratados, disse o porta-voz, que não quis se identificar.

Alguns analistas afirmaram que a Sony deveria vender o negócio de smartphones devido à forte competição de preços com rivais asiáticos. A empresa tem uma participação de mercado global de menos de 1%, embarcando apenas 6,5 milhões de aparelhos neste ano financeiro, principalmente para o Japão e a Europa.

Mas a Sony disse que não tem intenção de vender a unidade, já que espera que os smartphones sejam uma parte central das redes sem fio de quinta geração, onde carros e vários dispositivos podem ser conectados. O objetivo é tornar o negócio lucrativo no ano fiscal que se inicia em abril de 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).