Citigroup tem lucro acima do esperado

Forbes
Resultado foi impulsionado por aumento nas receitas de banco de investimento

O Citigroup divulgou um lucro trimestral melhor do que o esperado hoje (15), impulsionado por um aumento nas receitas de banco de investimento e menores despesas.

LEIA MAIS: Citigroup divulga queda na receita trimestral

A receita de banco de investimento aumentou 20%, para US$ 1,4 bilhão, conforme o forte crescimento em assessoria e subscrição de dívida grau de investimento mais do que compensou a queda na subscrição de ações.

As negociações com títulos subiram 1%, em contraste com o Goldman Sachs e o JPMorgan, que divulgaram queda nessa métrica.

Mas um declínio de 24% nas negociações com ações pressionou a receita do Citi, que caiu 2%, para US$ 18,58 bilhões, e ficou um pouco abaixo das estimativas dos analistas.

A receita do banco de varejo, o maior negócio do banco, ficou estável, em US$ 8,5 bilhões, devido à fraqueza na Ásia.

No começo deste ano, o banco disse que ganharia US$ 2 bilhões a mais em receita com atividades de empréstimo do que em 2018.

VEJA TAMBÉM: Citigroup cresce 12% no 3º trimestre

Os empréstimos totais no terceiro maior banco dos EUA por ativos aumentaram 3%, para US$ 682,3 bilhões, enquanto os depósitos cresceram 5%, para US$ 1,03 trilhão, excluindo as flutuações cambiais.

A margem financeira líquida do Citi (NIM, na sigla em inglês), uma medida observada de perto, subiu 8 pontos-base, para 2,72% no trimestre, enquanto as despesas operacionais totais caíram 3%, para US$ 10,58 bilhões.

O lucro líquido subiu para US$ 4,71 bilhões, ou US$ 1,87 por ação, no primeiro trimestre encerrado em 31 de março, de US$ 4,62 bilhões, ou US$ 1,68 por ação, um ano antes.

Analistas esperavam um lucro de US$ 1,80 por ação, segundo dados do IBES da Refinitiv.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).