Ghosn usa Twitter para convocar coletiva de imprensa

Getty Images
Coletiva de imprensa com Carlos Ghosn será no dia 11 de abril

Demitido da direção da Nissan, Carlos Ghosn prometeu “dizer a verdade” em uma coletiva de imprensa na próxima semana, usando o Twitter para fazer seu primeiro comunicado desde que foi solto sob fiança e horas depois de uma reportagem dizer que procuradores preparam um novo caso contra ele.

LEIA MAIS: Advogado quer separar julgamento de Ghosn e Nissan

Ghosn, elogiado por muitos por resgatar a Nissan de uma falência iminente duas décadas atrás, caiu em desgraça de forma dramática, o que abalou a indústria automotiva global e provocou dúvidas sobre o futuro da aliança da Nissan com a francesa Renault.

Ele foi preso em Tóquio em novembro e enfrenta acusações de má conduta financeira e violação de confiança grave por supostamente omitir cerca de US$ 82 milhões em salários e transferir perdas financeiras pessoais temporariamente para os livros contábeis da Nissan durante a crise financeira.

Libertado no mês passado com uma fiança de US$ 9 milhões, Ghosn negou as acusações, que afirmou “não terem mérito”, e disse ser vítima de um golpe da diretoria.

“Estou me preparando para dizer a verdade sobre o que está acontecendo. Coletiva de imprensa na quinta-feira, 11 de abril”, escreveu Ghosn no Twitter, que mostrou a marca azul que indica que o tuíte foi verificado pela rede social.

Foi a única mensagem, em japonês e inglês, na conta criada neste mês.

Pelos termos da fiança, Ghosn não tem permissão de usar a internet, mas o tuíte pode ter sido publicado em seu nome, como é comum para celebridades e figuras de grande destaque. Não foi possível contatar representantes de Ghosn para obter comentários sobre a mensagem.

VEJA TAMBÉM: Nissan diz que fatos mostram violações de Ghosn

Mais cedo, o jornal japonês “Yomiuri” noticiou que procuradores de Tóquio estão preparando um novo caso contra ele devido a supostos pagamentos que a montadora fez a um parceiro de negócios em Omã.

Os procuradores estão conversando com a Suprema Procuradoria-Geral e outras entidades e planejam decidir em breve se processarão Ghosn por novas acusações de violação de confiança grave, disse o jornal, citando fontes envolvidas no caso.

Um porta-voz da Procuradoria-Geral de Tóquio disse não estar ciente de nenhuma investigação nova quando foi indagado pela Reuters.

Já o porta-voz de Ghosn havia dito que pagamentos de US$ 32 milhões feitos ao longo de nove anos foram recompensas pelo fato de a empresa de Omã ser uma concessionária destacada da Nissan. Estes incentivos não estavam a cargo de Ghosn e os fundos não saldaram dívidas pessoais, segundo o porta-voz.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).