Queda de ações da Lyft traz sombra a IPO do Uber

Getty Images
A ação ficou enfraquecida desde a estreia na Nasdaq em 29 de março

O Uber pode enfrentar uma recepção mais fria de investidores do que o esperado quando precificar sua oferta pública inicial no próximo mês, após a rival Lyft fazer uma estreia agressiva em bolsa e recuar na sequência.

LEIA MAIS: Ações da Lyft caem 11% com proximidade de IPO da Uber

O IPO da Lyft teve seu preço no topo da faixa revisada no mês passado, atribuindo à empresa uma avaliação de mais de US$ 24 bilhões em uma oferta que levantou US$ 2,34 bilhões. Mas a ação ficou enfraquecida desde a estreia na Nasdaq em 29 de março, já que as preocupações com o potencial de lucratividade da startup se tornaram mais proeminentes.

As ações da Lyft caíram 11% ontem (10), a US$ 60,12, bem abaixo do preço de IPO de US$ 72. A Lyft foi a primeira em uma série de IPOs de tecnologia esperados para este ano, incluindo o serviço de entregas de alimentos Postmates e a empresa de ‘smart bikes’ Peleton.

O fraco desempenho das ações da Lyft é um mau presságio para esses IPOs, especialmente para empresas como o Uber, sem lucro para mostrar.

“Não há maneira perceptível de essas empresas serem precificadas. O que você realmente está comprando é a capacidade de longo prazo da empresa de capturar muitas vendas e, com sorte, tornar-se lucrativa em algum momento”, disse Brian Hamilton, fundador da empresa de dados Sageworks. “Tenho certeza de que a estreia da Lyft afetará tanto o Uber quanto o Pinterest”, acrescentou Hamilton.

Investidores e analistas disseram que os IPOs de unicórnios estão perdendo seu brilho, não apenas porque mais investidores estão fazendo perguntas difíceis sobre suas perspectivas, mas porque as startups superestimaram a demanda reprimida por suas ofertas.

VEJA TAMBÉM: Por que, apesar do salto da Lyft, fundadores não são bilionários

“A Lyft queria ser a primeira, e chegou a um ponto em que eles ficaram tão agressivos com seus preços e meio gananciosos”, disse Catherine McCarthy, analista de pesquisa da Allianz Global Investors.

A pressão para se tornar rentável aumentará quando essas empresas se tornarem públicas, disse Jordan Stuart, gerente de portfólio de fundos da Federated Kaufmann, que frequentemente compra ações de empresas no IPO. “O ritmo da mudança está acontecendo tão rapidamente que você precisa mostrar que pode se tornar lucrativo logo”, diz. “Algumas dessas empresas podem ir embora amanhã porque é apenas um aplicativo no meu telefone e eu posso encontrar outro em um segundo para começar a trabalhar ou ter comida entregue.”


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).