Disney assume o controle total do Hulu

Reuters
A Walt Disney busca uma fatia maior do mercado global de streaming de vídeo

A Walt Disney disse que vai assumir o controle total do serviço Hulu em acordo com a Comcast, à medida que busca uma fatia maior do mercado global de streaming de vídeo dominado por empresas como a Netflix.

LEIA MAIS: Ação da Disney bate recorde após anúncio de streaming

O acordo, que atribui valor patrimonial mínimo de US$ 27,5 bilhões ao Hulu, permite a qualquer empresa acionar uma venda ou compra da participação de 33% da Comcast para a Disney a partir de janeiro de 2024.

Ao estabelecer uma data de vencimento de cinco anos a partir de agora, a Comcast aposta que o valor de sua participação vai, pelo menos, dobrar sem quaisquer obrigações financeiras adicionais.

A saída da Comcast do Hulu vai deixar a Disney sem impedimentos para expandir o escopo e o alcance do serviço e, assim, combater concorrentes como Netflix, Amazon e Apple.

“É importante para a Disney ter controle total sobre a direção e o conteúdo do Hulu”, disse Trip Miller, sócio-gerente do fundo de hedge Gullane Capital, cujos fundos incluem ações da Disney. “Adiar o fechamento por mais cinco anos permite que a Disney não assuma mais dívidas após fechar a compra da Fox, ao mesmo tempo em que oferece a Comcast uma opção positiva se/quando a avaliação do Hulu aumentar nesse período.”

VEJA TAMBÉM: Disney fecha aquisição da Twenty-First Century Fox

A Disney está se preparando para lançar seu próprio serviço de streaming chamado Disney + em 12 de novembro. Em conferência com investidores realizada hoje (14), o presidente-executivo da Disney, Bob Iger, disse que o serviço será lançado na Índia.

O Hulu, que compete com a Netflix e o Prime Video, da Amazon.com, tem mais de 26,8 milhões de assinantes pagos.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).