Huawei diz que vai continuar oferecendo suporte

Reuters
A Huawei não disse o que acontecerá com novos modelos da companhia

A Huawei continuará oferecendo suporte a seus smartphones e tablets, disponibilizando atualizações de segurança e serviços, após o Google ter bloqueado a empresa de atualizações no sistema operacional Android.

LEIA MAIS: Google abandona Huawei após restrições de Trump

Mas a empresa de tecnologia chinesa não disse hoje (20) o que acontecerá com novos modelos da companhia, que dificilmente terão acesso aos serviços populares do Google, incluindo o Gmail, o YouTube e os mapas, a menos que uma licença especial seja obtida. O governo dos Estados Unidos incluiu a Huawei em uma lista negra que torna difícil para empresas fazerem negócios com companhias norte-americanas.

Os dispositivos da Huawei na China usam um sistema operacional personalizado baseado em código aberto Android, mas não incluem o acesso a quaisquer serviços do Google, que são proibidos na China. Mas as restrições do Google vão prejudicar o apelo global da Huawei.

“A Huawei continuará a fornecer atualizações de segurança e serviços pós-venda para todos os produtos smartphones e tablets Huawei e Honor, cobrindo aqueles que foram vendidos e que ainda estão em estoque globalmente”, disse um porta-voz da Huawei por e-mail.

“Continuaremos a construir um ecossistema de software seguro e sustentável”, afirmou a Huawei, que aspira superar a Samsung para ser a maior fabricante de smartphones do mundo.

“Como um dos principais parceiros globais do Android, trabalhamos de perto com sua plataforma de código aberto para desenvolver um ecossistema que beneficiou usuários e a indústria”, acrescentou.

VEJA TAMBÉM: Estados Unidos colocam Huawei em “lista negra”

Quase metade dos 208 milhões de telefones que a Huawei vendeu em 2018 foi para fora da China continental, e a Europa é o mercado externo mais importante, com 29% de participação no mercado no primeiro trimestre de 2019, segundo a IDC.

A perda do Google provavelmente custaria à Huawei todas as suas vendas de smartphones fora da China, já que “a compra de dispositivos agora é quase totalmente impulsionada pelo ecossistema”, disse Richard Windsor, analista do setor.

“A Huawei não perderá acesso ao próprio Android, que é de código aberto, mas os dispositivos Android fora da China devem oferecer acesso aos serviços do Google para ter qualquer perspectiva de serem vendidos”, acrescentou Windsor.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).