Ibovespa fecha em alta de 0,4% com trégua externa

Reuters
Donald Trump prometeu um acordo com o presidente chinês, Xi Jinping

O Ibovespa fechou no azul hoje (14), ajudado pela relativa pausa na troca de farpas entre Washington e Pequim e tendo de pano de fundo a reta final da temporada de balanços no Brasil, com JBS avançando 8% após mais do que dobrar o lucro nos primeiros três meses do ano.

LEIA MAIS: Ibovespa fica abaixo de 92 mil pontos

Índice de referência da bolsa brasileira, o Ibovespa subiu 0,4%, a 92.092,44 pontos, experimentando uma trégua após três quedas seguidas, período em que acumulou declínio de 4%. O giro financeiro na sessão somou R$ 12,8 bilhões.

No exterior, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manteve sua retórica pró-tarifas, mas prometeu um acordo com o presidente chinês, Xi Jinping. “Vai acontecer e muito mais rápido do que as pessoas imaginam.”

Em outro momento, Trump disse que as negociações comerciais com a China não colapsaram, chamando a guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo de pequeno atrito.

Pequim, por sua vez, disse que a China e os EUA concordaram em seguir conversando. Washington, contudo, prepara tarifas de 25% sobre todas as importações chinesas restantes sem novas negociações agendadas.

Em Wall Street, os pregões fecharam em alta ao redor de 1% após forte declínio na véspera, quando o S&P 500 teve a sua maior queda percentual desde o começo do ano.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa recua em semana de negociações EUA-China

“O mercado externo se recuperou bem após os comentários de Trump…embora ele possa mudar de ideia a qualquer momento”, destacou um gestor de portfólio da asset de um banco estrangeiro em São Paulo, sugerindo que o clima permanece de incertezas quanto o andamento das negociações entre os dois países.

No Brasil, a cena política trouxe desconforto, com agentes de mercado destacando a quebra de sigilo bancário do filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), e a delação premiada envolvendo o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) em “benefícios financeiros”.

“Os ruídos políticos têm aumentado a cada dia”, citou a equipe da corretora Rico em nota a clientes.

Ao mesmo tempo, o Banco Central apontou na ata da última reunião do Copom uma “probabilidade relevante” de que a economia brasileira tenha recuado ligeiramente no primeiro trimestre deste ano sobre os três meses anteriores, mas não sinalizou um eventual corte na taxa básica de juros.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).