Bolsonaro diz que acordo UE-Mercosul pode despertar “operação dominó”

Forbes Brasil
De acordo com o presidente Jair Bolsonaro, o tratado de livre comércio entre União Europeia e Mercosul pode encorajar outros países a negociarem acordos comerciais com o Brasil

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (29) que o tratado de livre comércio entre União Europeia e Mercosul pode gerar uma “operação dominó” e encorajar outros países a negociarem acordos comerciais com o Brasil.

VEJA MAIS: Mercosul e União Europeia fecham acordo de livre comércio

“Acho que é operação dominó, com toda certeza outros países terão interesse em negociar conosco, o Japão, inclusive”, disse Bolsonaro em entrevista coletiva no encerramento da cúpula do G20 na cidade japonesa de Osaka, citando como exemplo a carne brasileira.

Mercosul e União Europeia (UE) assinaram um acordo preliminar de livre comércio na sexta-feira (28), encerrando duas décadas de negociações e contrariando uma tendência global de crescimento do protecionismo diante da disputa comercial entre as duas maiores economias do mundo, a China e os Estados Unidos.

Bolsonaro também enfatizou a importância da China como parceira comercial do Brasil, lembrando que planeja visitar o país no segundo semestre, possivelmente em outubro. Ele teria uma reunião bilateral com o presidente da China, Xi Jinping, neste sábado, mas o encontro foi cancelado por atraso na agenda do líder chinês, segundo reportagens de jornais brasileiros.

Na entrevista, Bolsonaro disse que iria desfazer “qualquer mal entendido” no encontro com Xi e buscar ampliar o comércio com a China, após ter criticado Pequim diversas vezes durante a campanha presidencial do ano passado.

“A China vai continuar fazendo comércio conosco”, afirmou.

Questionado sobre o encontro na véspera com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o presidente brasileiro disse que ambos discutiram formas de aproximação e também de ampliar o comércio.

E AINDA: Como MP de Bolsonaro pode impulsionar o livre mercado

Segundo Bolsonaro, Trump deve fazer uma visita à Argentina ainda este ano, oportunidade em que defendeu um encontro entre o líder norte-americano com diversos presidentes de países da América do Sul.

Bolsonaro também comentou o encontro que teve com a chanceler alemã, Angela Merkel, que antes de embarcar para o G20 disse que gostaria de ter uma conversa franca com o líder brasileiro sobre a questão ambiental.

Ele disse que Merkel “arregalou os olhos” em determinado momentos, inclusive quando a convidou para explorar a Amazônia “de forma racional e sustentável”.

“Se alguém pode falar sobre preservação ambiental é o Brasil”, disse. “Não podemos aceitar certas observações e uma difamação do Brasil no tocante a essa área”.

“Mostramos que o Brasil mudou o governo e é um país que vai ser respeitado. Falei para ela da questão da psicose ambientalista que existe para conosco”, acrescentou.

Na agenda de política nacional, Bolsonaro disse que o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, permanecerá no cargo até segunda-feira (1), como todos os demais ministros. Antônio é suspeito de envolvimento em esquema de candidaturas laranjas do PSL, partido de Bolsonaro, investigado pela Polícia Federal.

Sobre o sargento da Aeronáutica preso na Espanha em um avião da FAB na Espanha esta semana por porte de 39 quilos de cocaína, Bolsonaro disse que gostaria que o caso tivesse ocorrido na Indonésia, onde o crime de tráfico de drogas é punido com a pena de morte.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).