Cielo corta custos para enfrentar mercado competitivo

Athit Perawongmetha/Reuters
O programa é a mais recente de uma série de medidas tomadas pela Cielo para compensar uma queda nas margens

A Cielo, maior processadora de cartões de crédito do Brasil, apertará os cintos em meio a uma feroz concorrência com rivais, como PagSeguro Digital e StoneCo, para atrair comerciantes.

LEIA MAIS: Cielo desiste de meta de lucro

A Cielo contratou a consultoria Gradus para implementar um programa de redução de custos, em um projeto a ser realizado neste ano e no próximo ano, disse à Reuters o vice-presidente financeiro, Gustavo de Sousa.

O programa de redução de custos é a mais recente de uma série de medidas tomadas pela Cielo para compensar uma queda nas margens, depois de cortar os preços para enfrentar seus principais rivais como Rede, GetNet, PagSeguro e Stone. No início deste ano, a empresa reduziu o pagamento de dividendos para 30% de 70% do lucro e cancelou sua perspectiva de lucro para este ano.

“Nosso objetivo é aplicar uma estratégia de orçamento base zero, com alguns resultados já aparecendo em 2019”, disse ele, sem fornecer uma meta para a economia. “Descarte a ideia de que os contratos vão ser reajustados em linha com a inflação.”

Sousa disse que a economia esperada provavelmente ajudará a rentabilidade, se todos os demais fatores forem mantidos iguais.

O corte de gastos também pode oferecer mais espaço para investimentos em novos produtos ou mercados, o que poderia também contribuir para aumentar o lucro, disse ele.

As despesas operacionais da Cielo cresceram 46% no primeiro trimestre em relação ao ano anterior, puxadas pela contratação de 1.000 vendedores em janeiro. Sousa disse que a empresa não tem planos atuais para expandir ainda mais sua força de vendas, que deve se concentrar em atrair comerciantes com vendas anuais entre R$ 120.000 e R$ 15 milhões, elevando o piso dessa faixa.

VEJA TAMBÉM: Cielo vai oferecer pagamento instantâneo a lojistas

“Clientes menores devem adquirir máquinas de leitura de cartões online ou em agências porque são canais de distribuição mais baratos”, disse Sousa, citando comerciantes com faturamento anual abaixo de R$ 120 mil.

Questionado sobre possíveis demissões, ele disse que não há mudanças planejadas na força de trabalho da empresa de 3.250 pessoas.

A Cielo tem atraído em média 1.600 clientes por dia neste ano, mas a receita líquida do primeiro trimestre permaneceu praticamente estável em relação ao ano anterior. Vendas mais altas por cliente ajudariam a impulsionar os resultados da companhia.

As ações da Cielo caíram mais de 14% este ano, enquanto as ações de seus concorrentes listados nos EUA, PagSeguro e StoneCo, subiram.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).