Computação em nuvem impulsiona lucro da IBM no 2º trimestre

A receita total caiu 4,2%, para US$ 19,16 bilhões

A IBM superou expectativas de analistas no resultado do segundo trimestre, impulsionada pelo crescimento dos negócios de computação em nuvem.

LEIA MAIS: IBM fecha acordo de compra da Red Hat por US$ 34 bilhões

A companhia, que concluiu na semana passada uma bilionária fusão com a produtora de software Linux, Red Hat, enfrentou anos de queda de receitas enquanto mudava seu foco para serviços de computação em nuvem ante venda de mainframes.

A receita da unidade de computação em nuvem subiu 5%, para US$ 19,5 bilhões. Já o faturamento da área que inclui serviços de análises de dados, cibersegurança e inteligência artificial avançou 3,2%, para US$ 5,65 bilhões, acima dos US$ 5,49 bilhões esperados segundo pesquisa com três analistas consultados pela Refinitiv IBES.

A receita total caiu 4,2%, para US$ 19,16 bilhões, em linha com estimativas dos analistas.

O vice-presidente financeiro da IBM, James Kavanaugh, afirmou que a queda na receita pode ser atribuída à fraqueza dos negócios legados da empresa, de venda de hardware.

A IBM, que obtém mais de 60% da receita fora dos Estados Unidos, afirmou que a valorização do dólar reduziu a receita em cerca de US$ 500 milhões.

O lucro líquido da companhia subiu para US$ 2,5 bilhões, ou US$ 2,81 por ação, no segundo trimestre, ante US$ 2,4 bilhões, ou US$ 2,61 por ação, um ano antes.

Em termos ajustados, a companhia teve lucro de US$ 3,17 por ação, superando expectativas do mercado de US$ 3,07.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).