Dólar tem 1ª alta em mais de uma semana ante real

Paulo Whitaker/Reuters
Dólar quebrou uma sequência de quatro quedas e fechou em alta frente ao real hoje (15)

O dólar subiu ante o real hoje (15), primeira alta em mais de uma semana, num movimento amparado pela força da moeda no exterior.

LEIA MAIS: Governo corta projeção do PIB em 2019 pela metade

Contudo, a volatilidade implícita no câmbio voltou a cair, renovando o menor patamar desde abril de 2018, um sinal de que investidores têm enxergado menos riscos à frente.

O dólar à vista subiu 0,45%, a R$ 3,7563 na venda. É a primeira alta desde 5 de julho, quando a cotação avançou 0,54%. Na B3, o dólar futuro tinha ganho de 0,56%, para R$ 3,7625.

O índice, que mede o valor do dólar contra uma cesta de moedas, subia 0,14% no fim da tarde, puxado pelas quedas do euro e da libra esterlina. O mercado compra mais dólares conforme reavalia as chances de um corte mais agressivo de juros pelo Federal Reserve, em meio a alguma trégua nas tensões comerciais EUA-China e recordes nos mercados de ações dos EUA. Apesar do viés de dólar forte no exterior, o real figurou nesta sessão entre as moedas de pior desempenho, com a terceira pior performance, melhor apenas que o peso argentino e a libra.

Analistas viram o desempenho mais fraco do real como um ajuste, depois de a moeda brasileira ter encabeçado a lista de ganhos por várias sessões, diante do otimismo com o andamento da reforma da Previdência.

“Apesar do adiamento do segundo turno para agosto, os mercados estão reagindo com calma. Existe uma percepção entre os analistas de que o grande número de votos a favor dificilmente será revertido”, disse economista-chefe da Genial Investimentos, José Márcio Camargo.

VEJA TAMBÉM: Privatização deve dominar mercado de capitais no Brasil em 2019

O mercado ainda espera dólar de R$ 3,80 ao fim do ano, segundo a mais recente pesquisa Focus. E, de acordo com agentes financeiros, uma queda mais sustentada do dólar depende não apenas da aprovação da reforma da Previdência.

“Em nossa opinião, a performance relativamente mais fraca tanto das ações quanto do câmbio está ligada empiricamente ao crescimento mais fraco”, disseram analistas do UBS em nota a clientes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).