Dólar recua a R$ 4,10 com expectativa de corte de juros nos EUA

Reuters
O dólar à vista teve queda de 1,783%, a R$ 4,1051 na venda

O dólar encerrou em queda contra o real hoje (6), marcando sua primeira queda semanal em quase dois meses, em dia de maior ânimo nos mercados por expectativas de corte de juros nos Estados Unidos.

LEIA MAIS: Dólar tem forte queda e bate mínimas em 2 semanas

O dólar à vista teve queda de 1,783%, a R$ 4,1051 na venda. Na semana, a moeda norte-americana acumulou queda de 1,512%, primeira desvalorização semanal desde 12 de julho, quando registrou variação negativa de 2,113%.

Para Camila Abdelmalack, economista-chefe da CM Capital Markets, a queda do dólar foi influenciada por um clima de menor aversão ao risco no exterior diante da ratificação das apostas de cortes de juros nos EUA após a divulgação de dados do mercado de trabalho e da fala do chairman do Federal Reserve, Jerome Powell.

“A ausência de notícias negativas já é um sinalizador positivo, e o mercado encontra espaço para se recuperar. O caso é que estamos muito vulneráveis ao cenário externo. Hoje, o movimento é esse, mas na semana que vem tudo pode mudar.”

A economia dos Estados Unidos gerou, em termos líquidos, 130 mil empregos em agosto, mostrou um relatório do Departamento do Trabalho nesta sexta-feira. O dado ficou abaixo da expectativa de analistas consultados pela Reuters, que esperavam a criação de 158 mil novas vagas.

Em um discurso na Universidade de Zurique nesta sexta, Powell reafirmou o posicionamento do Fed de continuar agindo “conforme apropriado” para sustentar a expansão econômica do EUA. O Fed cortou os juros em 0,25 ponto percentual em julho, e os investidores apostam em mais dois cortes de taxa neste ano, incluindo um ainda neste mês.

Moedas emergentes pares do real, como rand sul-africano e o peso mexicano, também se valorizavam frente ao dólar. Contra uma cesta de moedas, a moeda norte-americana tinha leve alta de 0,02%, a 98,434.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).