CEO da Boeing admite erros no sistema de segurança do 737 MAX

Sarah Silbiger/Reuters
Dennis Muilenburg reconheceu “cometemos alguns erros” no desenvolvimento do MCAS

O presidente-executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, reconheceu hoje (30) que a empresa cometeu erros no desenvolvimento do sistema de segurança MCAS, que está no centro de dois acidentes do 737 MAX.

LEIA MAIS: Lucro trimestral da Boeing cai 53%

Os parlamentares divulgaram documentos da Boeing que mostraram que a empresa considerou adicionar um alerta do MCAS no painel de controle de voo do 737 MAX. Outro documento alertou que, se um piloto não responder ao software em mais de 10 segundos, a ativação poderia levar a uma falha catastrófica.

Em audiência na Congresso dos EUA, Muilenburg reconheceu “cometemos alguns erros” no desenvolvimento do MCAS, sistema que empurra automaticamente o nariz do avião para baixo, deixando os pilotos lutando para controlar a aeronave.

O parlamentar Peter DeFazio, que chefia o Comitê de Transporte e Infraestrutura do Congresso que realizou a audiência, pressionou Muilenburg sobre o motivo pelo qual a empresa não exigiu dados cruciais de fluxo de ar conhecidos como sensores de ataque quando projetou o avião. Muilenburg disse que a empresa repetidamente fez a mesma pergunta.

Na semana passada, investigadores indonésios descobriram que a Boeing não conseguiu identificar riscos no design do MCAS.

“O design e a certificação do MCAS não consideraram adequadamente a probabilidade de perda de controle da aeronave”, afirmou o relatório.

O 737 MAX, quando voltar, terá várias novas proteções, coletando dados dos sensores de ataque e impedindo a ativação do MCAS mais de uma vez, antes de uma situação ser resolvida.

VEJA TAMBÉM: Boeing recebe 1ª encomenda de 737 MAX desde quedas

DeFazio também questionou por que a Boeing, após não ter divulgado detalhes do sistema, descartou planos de instalar um alerta no MCAS para ajudar pilotos a se recuperarem se o sistema falhasse. Ele também criticou suposições da Boeing sobre quanto tempo os pilotos levariam para responder a uma falha.

Num momento da audiência, o representante Rick Larsen, de Washington, pediu a Muilenburg para citar três erros cometidos pela empresa. O executivo listou rapidamente a falha da Boeing em divulgar por meses que havia tornado opcional um alerta na cabine, sinalizando desacordo entre os sensores de fluxo de ar.

Muilenburg também disse, “claramente, tínhamos algumas áreas a melhorar” em relação ao MCAS. E, finalmente, ele disse que a empresa deveria ter sido mais “eficiente e abrangente” em suas comunicações e documentação “para todos os nossos acionistas”.

Mas Muilenburg se esquivou de uma pergunta sobre se poderia nomear indivíduos responsáveis pelos erros, observando que equipes maiores são responsáveis por cada uma dessas áreas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).