GPA tem alta no terceiro trimestre

Grupo varejista GPA teve expansão do resultado operacional no terceiro trimestre

O grupo varejista GPA teve expansão do resultado operacional no terceiro trimestre, apoiado no crescimento das vendas de seu braço de atacarejo Assaí, o que ajudou a compensar o desempenho mais fraco do multivarejo.

LEIA MAIS: Casino eleva oferta da Almacenes Éxito por fatia no GPA

A companhia, controlada pelo francês Casino e dona das marcas Pão de Açúcar e Extra, anunciou ontem (30) que seu resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado consolidado somou R$ 960 milhões no terceiro trimestre, alta de 10,9% ante mesma etapa de 2018. A margem Ebitda ficou estável em 7,1%.

Em termos líquidos, o Ebitda do GPA no período foi de R$ 839 milhões, alta de 3,2% sobre um ano antes. Não ficou imediatamente claro se o número é comparável com a previsão média de analistas consultados pela Refinitiv, de R$ 813,3 milhões, para o período.

VEJA TAMBÉM: GPA inicia preparativos para o Novo Mercado da B3

O lucro líquido consolidado somou R$ 192 milhões de julho a setembro, alta de 27,2% no comparativo anual.
A receita líquida do grupo cresceu 10,3% ano a ano, para R$ 13,5 bilhões. A receita líquida do Assaí, braço de atacarejo do grupo, subiu 18,4%, a R$ 6,95 bilhões. A Margem Ebitda subiu 0,7%, para 7,1%.

Já no segmento multivarejo, que inclui as bandeiras Extra e Pão de Açúcar, a receita líquida do trimestre evoluiu 2,9%, para R$ 6,58 bilhões. O Ebitda ajustado encolheu 5,2% e a margem Ebitda teve baixa de 0,7%, a 7,6%.

Segundo a companhia, o resultado foi impactado pelo fechamento de lojas para conversão e pela continuidade da fragilidade do cenário econômico.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).