Acordo entre EUA e China pode ser adiado até dezembro

ReutersThomasWhite
Discussões sobre os termos e o local do pacto adiam o acordo

Uma reunião entre os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, para assinar um acordo comercial há muito aguardado pode ser adiada até dezembro, já que as discussões continuam sobre os termos e o local do pacto, disse um funcionário de alto escalão do governo Trump à Reuters hoje (6).

A autoridade, que falou sob condição de anonimato, disse que ainda é possível que a “Fase Um” do acordo, com o objetivo de encerrar uma guerra comercial prejudicial, não seja alcançada, mas é mais provável que um acordo seja feito.

Dezenas de locais foram sugeridos para a reunião, que originalmente estava programada para ocorrer durante uma cúpula da Apec em meados de novembro no Chile, que acabou sendo cancelada, disse a autoridade.

LEIA MAIS: Trump diz que EUA e China anunciarão novo local para assinar acordo comercial em breve

As opções incluem lugares na Europa e na Ásia, mas a primeira é mais provável, com a Suécia e a Suíça entre as possibilidades. O Estado norte-americano de Iowa, que Trump sugeriu, parece ter sido descartado, disse a autoridade.

A mais recente pressão da China por mais reversões tarifárias será discutida, mas não se espera que isso atrapalhe o progresso em direção a um acordo provisório.

A autoridade disse que acredita-se que a China veja um acordo rápido como sua melhor chance de conseguir termos favoráveis, dada a pressão que Trump está enfrentando em um inquérito de impeachment no Congresso, enquanto busca a reeleição em 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).