Dólar tem pouca variação ante real

iStock
Às 10:37, o dólar recuava 0,07%, a R$ 4,1896 na venda

O dólar tinha pouca variação contra o real hoje (22), em sessão volátil marcada pelo otimismo moderado em relação ao comércio entre Estados Unidos e China, mas ainda sentindo as tensões políticas recentes.

Às 10:37, o dólar recuava 0,07%, a R$ 4,1896 na venda. A moeda norte-americana chegou a tocar os R$ 4,1764 na mínima do dia. Na véspera, o dólar à vista fechou em queda de 0,15%, a R$ 4,1927 na venda. O dólar futuro de maior liquidez registrava queda de 0,15% nesta sexta-feira, a R$ 4,190.

LEIA MAIS: Dólar fecha em leve queda, abaixo de R$ 4,20

Continuava no foco dos investidores a retórica comercial entre Estados Unidos e China, após o presidente chinês, Xi Jinping, afirmar nesta sexta-feira que Pequim quer desenvolver um pacto comercial inicial com Washington e vem tentando evitar uma guerra comercial.

Segundo Alessandro Faganello, operador de câmbio da Advanced Corretora, os agentes do mercado estão “cautelosamente otimistas” em relação à notícia. “Os mercados emergentes estão se beneficiando um pouco dessas declarações, com um aumento do apetite a risco”, disse.

No entanto, para Faganello, o progresso não foi grande o suficiente para apagar os temores dos investidores sobre os riscos negativos da disputa para a economia global, o que limitava os ganhos do real. “Essa retórica comercial acaba sempre deixando o mercado receoso.”

No exterior, as moedas emergentes pares do real, como a lira turca, o peso mexicano e o rand sul-africano, registravam leves perdas contra o dólar.

Sobre o desempenho do real daqui para frente, Faganello destacou que, em épocas de final de ano, a liquidez tende a ser reduzida, o que sugere a vinda de um período de volatilidade, normal para a época. Permanecem ainda os ruídos políticos domésticos recentes, que continuam estimulando a depreciação da moeda brasileira.

VEJA TAMBÉM: Dólar cai ante real em sessão volátil de olho em negociações comerciais

Diante das altas recentes do dólar, a expectativa de Faganello para a atuação do Banco Central é de que a autarquia não permita uma aceleração exagerada da moeda norte-americana. “Acho que não vão deixar o dólar disparar. É preciso ficar de olho no motivo da alta do dólar.”

Nesta sexta-feira, o BC vendeu 3 mil contratos de swap cambial reverso e US$ 150 milhões em moeda spot, de oferta de até 15.700 e US$ 785 milhões, respectivamente.

Adicionalmente, a autarquia ofertará contratos de swap tradicional, para rolagem do vencimento janeiro de 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).