Boeing decide parar produção do jato 737 MAX

Reuters
Reuters

A suspensão da produção do jato 737 MAX em janeiro representa a maior interrupção em linha de produção da companhia em mais de 20 anos

A Boeing decidiu na segunda-feira (16) suspender a produção do jato 737 MAX em janeiro, a maior interrupção em linha de produção da companhia em mais de 20 anos, pressionada pelos impactos da queda de dois aviões do modelo que foi impedido de voar no mundo este ano.

Apesar da decisão, a empresa deverá continuar queimando caixa enquanto deixa sua força de trabalho intacta e provavelmente terá de dar suporte a fornecedores, afirmaram analistas. Alguns deles estimaram a queima de caixa em cerca de US$ 1 bilhão por mês.

VEJA MAIS: Lucro trimestral da Boeing cai 53%

A Boeing, que produz o 737 ao sul da cidade norte-americana de Seattle, afirmou que não vai demitir nenhum dos quase 12 mil funcionários durante a interrupção da linha de produção.

“Estimamos que a Boeing está queimando quase US$ 2 bilhões por mês com a paralisação dos voos do MAX, mas isso não vai cair a zero durante a suspensão da produção”, disseram analistas do JPMorgan em relatório a clientes.

Os analistas avaliam que mais da metade dos custos vão continuar sendo registrados por conta de despesas com pessoal e apoio aos principais fornecedores, com a fabricante de fuselagens Spirit AeroSystems.

Analistas da Jeffreys estimam queima de caixa de mais de US$ 730 milhões por mês.

A suspensão dos voos do MAX em março forçou a Boeing a cortar a produção das aeronaves de 52 para 42 unidades por mês e já custo à empresa mais de US$ 9 bilhões até agora.

Para o terceiro trimestre, a Boeing reportou uma queda de 53% no lucro do período e um fluxo de caixa negativo de US$ 2,89 bilhões. A fabricante de aviões, que está tentando concluir a aquisição da brasileira Embraer, divulgou na ocasião dívida de longo prazo de cerca de US$ 21 bilhões.

Para que o MAX volte a voar nos Estados Unidos, a agência de aviação norte-americana FAA precisa certificar as mudanças no software do avião e sistemas de treinamento de pilotos. Outros reguladores globais, incluindo do Brasil, precisam também aprovar o retorno dos voos do avião que no país tem como operador a Gol.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).