Totvs vê maior competição entre bancos, ecommerce e empresas de tecnologia

ReutersConnect/Aluisio Alves
A empresa líder no país em software de gestão identificou que as separações entre os setores estão desaparecendo e está se adaptando ao novo cenário

O esforço de instituições financeiras, empresas de comércio eletrônico e produtoras de tecnologia para ofertar mais serviços a empresas médias e pequenas as levará, cada vez mais, a invadirem os segmentos um do outro, disse o presidente-executivo da Totvs, Dennis Herszkowicz.

“Bancos e [empresas de] ecommerce estão cada vez mais perto de se tornarem concorrentes nossos”, disse hoje (20) o executivo à Reuters, em entrevista na sede da companhia da tecnologia de sistemas de gestão.

LEIA MAIS: Totvs compra Consinco para fortalecer operação de varejo

Segundo ele, este cenário já vem ocorrendo no país, à medida que braços dos grandes bancos, como as adquirentes de cartões, têm oferecido uma gama crescente de serviços de gestão para lojistas e uma variedade de negócios, nicho de mercado que era atendido principalmente por empresas de TI como a Totvs e a fornecedora de software para o varejo Linx.

Por outro lado, estas vêm avançando, sozinhas ou por meio de parcerias, na seara dos bancos, oferecendo cada vez mais serviços financeiros, incluindo os próprios pagamentos e antecipação de recebíveis.

As declarações de Herszkowicz, ex-executivo da Linx, mostram como a Totvs, que se apresenta como líder no país em software de gestão, com cerca de 50% do mercado e 40 mil clientes, está redesenhando sua estratégia para seguir expandindo receitas em um mercado em que identificar rivais tem sido cada mais complexo.

Para o executivo, a arena concorrencial ficará ainda mais aberta a partir de 2020, com os agentes começando a explorar uma nova oportunidade: medição de performance dos negócios e sistemas preditivos que podem ajudar as pequenos e médias empresas a se anteciparem a situações como as de maior necessidade de capital, por exemplo.

Assim, com o uso de tecnologias como inteligência artificial, as provedoras de soluções poderiam vender a empreendedores produtos como seguros ou deixar disponíveis linhas de crédito pré-aprovadas.

LEIA TAMBÉM: “É preciso saber executar uma grande ideia para iniciar um negócio”, diz fundador da Totvs

“As barreiras setoriais estão caindo – e os bancos perceberam isso e nós também”, disse o presidente da Totvs.

Segundo o executivo, essa percepção faz parte do plano de expansão tanto orgânica quanto de eventuais fusões e aquisições da companhia para os próximos anos. A empresa considera, inclusive, a possibilidade de pedir ao Banco Central uma licença de instituição de pagamentos.

Criada em 1983 como Microsiga, a Totvs rapidamente se expandiu apoiada numa agressiva campanha de aquisições. Foram mais de 30 na última década. Uma das últimas, em outubro, foi a compra de 89% da Supplier, dona de administradora de cartões, por R$ 455,2 milhões. A operação consumiu parte dos pouco mais de R$ 1 bilhão da oferta de ações de maio passado.

Herszkowicz, que assumiu o comando Totvs há pouco mais de um ano, substituindo o fundador do grupo, Laércio Consentino, diz ver “espaços enormes” para ganho de eficiência em serviços financeiros e avaliação de performance do comércio eletrônico.

Ao mesmo tempo em que se tornam concorrentes diretos, empresas de TI, bancos e empresas de ecommerce também tendem a desenvolver parcerias, ao perceberem que, em casos específicos, é melhor juntar forças.

E TAMBÉM: Anglo American anuncia acordo para comprar Sirius

A própria Totvs tem feito aproximações nesta direção. No ano passado, fez um acordo com a Rede, braço de adquirência do Itaú Unibanco, e montou uma joint venture com a plataforma digital de comércio eletrônico Vtex.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).