BR Distribuidora vê coronavírus reduzir demanda por combustível

Paulo Whitaker/Reuters
BR Distribuidora disse que ativou ainda em 13 de março um comitê de crise e que tem adotado medidas mitigadoras

A empresa de combustíveis BR Distribuidora admitiu em comunicado hoje (23) que a epidemia de coronavírus “deverá ocasionar redução da demanda por combustíveis no país”, citando redução da atividade econômica e medidas de restrição à circulação de pessoas e ao uso de transportes.

A empresa, no entanto, disse que “a evolução do surto continua volátil e há incerteza sobre seus efeitos e duração, tornando difícil, neste momento, estimar ou quantificar os potenciais impactos nos negócios”, de acordo com o comunicado.

VEJA TAMBÉM: BR Distribuidora tem lucro líquido de R$ 96 milhões no 4º trimestre

Em meio a esse cenário, a BR, que tem a Petrobras como principal acionista, disse que ativou ainda em 13 de março um comitê de crise e que tem adotado medidas mitigadoras, “buscando a estabilidade das operações, normalidade no atendimento aos clientes e a preservação da saúde e bem-estar de colaboradores diretos e indiretos”.

Alguns governos estaduais pelo Brasil têm buscado reduzir a circulação de pessoas com as crescentes restrições à abertura de estabelecimentos comerciais, mas postos de gasolina não têm sido enquadrados nas medidas por serem considerados serviços essenciais.

Na semana passada, diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) afirmou à Reuters que postos de combustíveis no Brasil já haviam começado a observar redução acentuada das vendas, com alguns deles atingindo queda de mais de 50% da demanda.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).