Brasil recua em recomendação de restringir cruzeiros e de isolamento voluntário de viajantes

Divulgação
Ministério da Saúde diz que recomendação sobre cruzeiros “será revista para tornar o texto claro e garantir os direitos e segurança dos consumidores”

O Ministério da Saúde decidiu retirar “para revisão e ajuste” uma recomendação de restrição a cruzeiros no país, além de ter excluído também sugestão de isolamento voluntário de pessoas que chegam de viagens devido à “dificuldade operacional de implantação”, segundo boletim de ontem (14).

O documento, que traz uma “errata” com essas informações, afirma que identificou “pontos para aprimoramento” após sugestões recebidas de Estados e municípios.

Em relação a cruzeiros, a pasta apontou que sua recomendação “será revista para tornar o texto claro e garantir os direitos e segurança dos consumidores”.

LEIA MAIS: Novo coronavírus: veja os eventos cancelados no Brasil

O recuo leva em conta “a necessidade de diferenciação entre os cruzeiros em trânsito, dos cruzeiros que ainda não iniciaram e que podem atuar como ambiente de risco durante o período de maior transmissibilidade do coronavírus, podendo conferir risco aos passageiros em alto mar”, acrescentou.

Para evitar a transmissão local do vírus, o Ministério da Saúde recomendou restrição de contato social para “idosos e doentes crônicos” nas cidades onde já houve infecção local ou comunitária, propondo também que se vacinem contra “influenza”.

Para eventos com aglomerações, incluindo governamentais, políticos, artísticos e culturais, a pasta afirmou que organizadores ou responsáveis devem notificar a secretaria de saúde local e disponibilizar pontos para que as pessoas lavem as mãos com frequência, além de oferecer álcool gel.

A pasta não fala em restrições, mas sugere que organizadores considerem “a possibilidade de adiar ou cancelar”, recomendando também que eventos possam ocorrer “virtualmente e sem plateia ou público, evitando a concentração de pessoas”.

O boletim do ministério também sugere que em áreas com transmissão comunitária do vírus se incentive as pessoas a trabalharem de casa e realizarem reuniões virtuais, bem como a adoção de horários alternativos de trabalho para reduzir o fluxo em horários de pico.

Instituições de ensino nessas regiões devem “planejar a antecipação de férias… ou uso de ferramentas de ensino a distância”, segundo o documento.

Declarações de quarentena devem ocorrer nessas áreas caso seja atingida a marca de 80% de ocupação dos leitos de UTI disponíveis para resposta ao coronavírus, acrescenta o boletim.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).