Alemanha aprova testes de candidatas a vacina para a Covid-19

Douglas Sacha/Getty Images
Douglas Sacha/Getty Images

O teste é somente o quarto de uma vacina específica para o coronavírus no mundo

A Alemanha deu luz verde para testes de possíveis vacinas contra o coronavírus em humanos desenvolvidas pela empresa de biotecnologia alemã BioNTech, que está disputando com equipes da própria Alemanha, dos Estados Unidos e da China para criar um agente que detenha a pandemia.

O teste, somente o quarto de uma vacina específica para este vírus no mundo, será realizado inicialmente com 200 pessoas saudáveis, e mais cobaias, incluindo algumas com risco maior da doença, serão acrescentadas em um segundo estágio, disse o Instituto Paul Ehrlich, responsável pelas vacinas alemãs, hoje (22).

LEIA MAIS: China aprova início de testes de vacinas experimentais contra Covid-19

A BioNTech disse que está desenvolvendo quatro candidatas a vacina através de um programa batizado de BNT162 com sua parceira, a gigante farmacêutica Pfizer.

Testes da vacina também estão sendo planejados para ocorrer nos EUA assim que houver aprovação da agência reguladora para testes em humanos.

A BioNTech, que concedeu os direitos de realização do BNT162 na China à Shanghai Fosun Pharmaceutical graças a um acordo de colaboração firmado em março, está competindo com a alemã CureVac e a empresa de biotecnologia norte-americana Moderna na corrida para desenvolver vacinas de ARN mensageiro.

Estas moléculas agem como receitas que instruem as células humanas a produzirem antígenos, que permitem que o sistema imunológico desenvolva um arsenal contra infecções futuras de coronavírus.

A Moderna começou a testar sua vacina experimental em humanos em março.

Duas vacinas experimentais diferentes contra o coronavírus foram aprovadas para testes humanos na China na semana passada. Uma unidade da Sinovac Biotech e o Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan estão desenvolvendo-as.

VEJA TAMBÉM: Israel testa protótipo de vacina para coronavírus em roedores em laboratório de defesa

Ainda em março, a China liberou outro teste clínico de uma candidata a vacina desenvolvida pela Academia Militar de Ciências Médicas e pela empresa de biotecnologia CanSino Bio. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).