Dólar tem maior alta em mais de duas semanas com exterior

ReutersSergio-Moraes
ReutersSergio-Moraes

É a maior valorização desde 27 de março

O dólar começou a semana em forte alta ante o real, puxado pelo movimento da moeda no exterior, num dia (13) de maior cautela em mercados de risco à medida que analistas se preparam para uma recessão econômica mundial.

O real esteve entre as moedas de pior desempenho na sessão, afetado adicionalmente por expectativas crescentes de que o juro no Brasil ficará ainda mais baixo para ajudar a economia a se recuperar depois de uma contração prevista do PIB de cerca de 2%, conforme projeções contidas no relatório Focus do Banco Central.

No plano global, o dólar teve ganhos frente a um conjunto de moedas de países emergentes – grupo listado por organismos internacionais como dos mais vulneráveis à crise atual.

Analistas do Goldman Sachs resumiram os temores de investidores: “Ainda nos preocupamos que o custo econômico da recessão ditada pelo coronavírus pode superar em muito as expectativas do mercado”.

LEIA MAIS: Ibovespa fecha em alta guiado por Vale e bancos após sessão volátil

O Goldman considera que, no atual contexto, as estratégias consistem na busca de ativos de maior qualidade em detrimento dos mais vulneráveis a ciclos econômicos e numa rotação de emergentes para mercados desenvolvidos. Dentro dos emergentes, o banco recomenda ativos com maior nota de crédito aos de maior yield, conforme nota a clientes.

O Brasil é considerado grau especulativo pelas três principais agências de classificação de risco e se encontra fora do “complexo high-yield”, com a Selic na mínima histórica e podendo cair mais. Esse combo reduz a capacidade do país de atrair investimentos que poderiam ajudar a baixar o dólar.

No fechamento das operações no mercado à vista, o dólar subiu 1,86%, a R$ 5,1855 na venda. É a maior valorização desde 27 de março.

Na B3, o dólar futuro de primeiro vencimento tinha alta de 1,43%, a R$ 5,1910, às 17h19. Os negócios com dólar futuro na B3 se encerram às 18h (de Brasília).

A alta se manteve apesar de o Banco Central ter anunciado oferta extraordinária de 10 mil contratos de swap cambial tradicional pela manhã, com colocação integral dos contratos (no equivalente a US$ 500 milhões). (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).