Medtec de Singapura afirma que teste para Covid-19 pode ajudar a conter a disseminação do vírus

Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

Kit de teste rápido da Biolidcs

A Biolidics Limited de Singapura tem apostado muito em seus kits de teste rápido para Covid-19 depois de superar obstáculos de regulamentação das autoridades sanitárias de Singapura, Filipinas e União Europeia.

A medtech, especializada em equipamentos e aplicações para tratamento de câncer, criou um kit de teste que detecta anticorpos contra o coronavírus. A Biolidics diz que os testes têm uma taxa de precisão de 95%, com base em seu ensaio clínico de 570 amostras.

VEJA TAMBÉM: Brasileira Hi acelera produção de testes rápidos de coronavírus e mira parcerias comerciais

Em vez de coleta de material na garganta ou no nariz que geralmente requerem horas ou até dias para obter os resultados, os testes da Biolidics usam amostras de sangue e um pequeno dispositivo que mede a resposta de anticorpos ao vírus em 10 minutos.

A empresa adverte que os resultados não devem ser usados ​​como única base para o diagnóstico ou para testes confirmatórios, devem ser interpretados em conjunto com o exame clínico e testes complementares. Enquanto isso, o Ministério da Saúde de Singapura emitiu um documento em 3 de abril direcionado à classe médica, afirmando: “Atualmente, não há kits de testes rápidos de sorologia para Covid-19 no diagnóstico de infecções pelo vírus”.

O teste da Biolidics verifica se há anticorpos no sangue e é capaz de identificar quem foi infectado anteriormente e pode já ter desenvolvido imunidade ao vírus. Até o momento, 1,5 milhão de pessoas em todo o mundo foram infectadas pela Covid-19 e 88.000 morreram em decorrência da epidemia.

As ações da Biolidics aumentaram 29% desde o anúncio de que receberam autorização provisória da Autoridade de Ciências da Saúde de Singapura em 30 de março. No dia seguinte, o Departamento de Saúde das Filipinas autorizou o uso do kit de teste rápido da empresa para a detecção da Covid-19. A UE aprovou a comercialização e a venda dos testes em 3 de abril.

No contexto de exames de sangue para anticorpos, “as tecnologias não são novas”, disse Jeremy Yee, presidente da Biolidics. “Existe desde 1961 e é usada como uma ferramenta para testar doenças como Ebola e outras que causaram surtos.” No entanto, a empresa de capital aberto com um valor de mercado estimado em US$ 49 milhões foi rápida em ganhar vantagem como uma das pioneiras.

E AINDA: Pfizer diz que estudos preliminares sobre tratamentos para Covid-19 são promissores

O primeiro lote de kits de teste está “em trânsito aéreo, da China para Singapura”, disse o Dr. Wang Qing-Yin, diretor de operações da Biolidics e ex-cientista diretor do Novartis Institute for Tropical Diseases (Instituto de Pesquisa de Doenças Tropicais).

Yee estima encomendar cerca de dois milhões de kits nos próximos dois meses à Vazyme Biotech, um produtor chinês de enzimas e anticorpos. “Em termos de produção, estamos limitados apenas por nosso capital”, disse sobre a realocação temporária de recursos, antes destinados ao estudo do câncer, para financiar os custos de produção.

Embora a receita da Biolidics tenha aumentado 13,4%, para US$ 988 mil em 2019 em relação a um ano atrás, impulsionada principalmente por seus sistemas de detecção de câncer, a empresa ainda está no vermelho. Mas Yee espera que as vendas dos novos kits de teste ofereçam um grande impulso aos ganhos este ano.

Enquanto isso, a Biolidics está trabalhando para obter aprovação e vender seus kits de diagnóstico de doenças infecciosas em outros países da Ásia e nos Estados Unidos, com a autorização de uso de emergência da Administração de Alimentos e Medicamentos do país.

A Biolidics é parte da empresa de capital aberto Clearbridge Health, de Singapura, incorporada em 2009. Em dezembro de 2018, a unidade de diagnóstico de câncer da Clearbridge estreou na SGX Catalist como Biolidics, levantando US$ 5,4 milhões, o que representa 11,3% da empresa. A Clearbridge continua como a maior acionista, com uma participação de 24%, seguida pela diretoria estatutária do Enterprise Singapore, sob o Ministério do Comércio e Indústria, por meio do fundo Seeds Capital, com uma participação de 11%. A empresa planeja expansão para a China e o desenvolvimento de soluções inovadoras de diagnóstico para reduzir os custos com assistência médica e melhorar resultados clínicos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).