10 cidades com o maior número de bilionários

Pessoas com fortunas de dez dígitos podem viver praticamente onde desejarem. O que acontece é que muitos deles gostam dos mesmos lugares. Dos 2.153 integrantes da Lista de Bilionários do Mundo 2019, divulgada pela Forbes na terça-feira (5), 551 vivem em apenas 10 das 1.860 cidades que compõem todos os países do mundo. Os bilionários que moram nesta pequena amostra geográfica acumulam, juntos, uma fortuna de US$ 2,3 trilhões, superando o PIB de todas as nações do globo, com exceção de sete delas.

LEIA MAIS: 20 maiores bilionários do mundo em 2019

A cidade de Nova York encabeça a lista mais uma vez, com 84 bilionários, cujo patrimônio líquido combinado de US$ 469,7 bilhões é maior do que o PIB da Áustria. A maior cidade dos EUA e sede das duas maiores bolsas de valores do mundo abriga a maioria dos bilionários nos últimos cinco anos. Sua hegemonia começou em 2015, quando bateu Moscou, que, desde 2016, tem ocupado a 3ª posição. A capital russa tinha 85 bilionários em 2014, 14 a mais do que tem hoje.

A China tem a maioria das cidades do Top 10, com 145 dos bilionários do país vivendo em apenas três lugares: Pequim (4º lugar), Xangai (6º) e Shenzhen (8º). Embora as três cidades chinesas tenham menos bilionários do que no ano passado, elas ainda respondem por 45% dos membros da lista do país. Essa porcentagem pode crescer ainda mais à medida que o país segue em direção a uma urbanização ainda maior – sua população urbana aumentou de 48% para 59% desde 2009, segundo dados do censo chinês.

Os 10 lugares mais populares entre os bilionários são os mesmos do ano passado, embora com algumas mudanças de posições. São Francisco registrou o maior salto, subindo da 10ª para a 7ª posição ao abrigar oito bilionários a mais do que em 2018, incluindo o cofundador da Coinbase, Brian Armstrong, e a herdeira da Levi Strauss, Mimi Haas. Mumbai é a maior queda da nova lista, caindo da 7ª para a 10ª posição graças à perda de oito bilionários. Nove ficaram fora do novo ranking, incluindo os figurões da indústria farmacêutica Samprada Singh e Basudeo Singh, do Alkem Laboratories, cujo preço das ações caiu cerca de 20%. Apenas um novo bilionário surgiu na cidade mais populosa da Índia: Mahendra Choksi, herdeira de uma empresa de tintas.

Veja, na galeria de fotos a seguir, as 10 cidades do mundo que concentram o maior número de bilionários em 2019:

  • 10. Mumbai (Índia)

    Número de bilionários: 37 (oito a menos do que em 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 184,4 bilhões
    Morador mais rico: Mukesh Ambani, herdeiro da Reliance Industries, gigante da área de petróleo e gás, com fortuna de US$ 50 bilhões

    Mumbai abriga o que é, provavelmente, a residência mais cara do mundo: o palácio de 27 andares avaliado em US$ 1 bilhão de Mukesh Ambani. A cidade também sediou um dos maiores e mais caros casamentos de todos os tempos, novamente cortesia do bilionário. Ele organizou a celebração de uma semana para a filha Isha e o filho do colega bilionário Ajay Piramal em dezembro de 2018.

  • 9. Seul (Coreia do Sul)

    Número de bilionários: 38 (três a menos do que em 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 99,9 bilhões
    Morador mais rico: Lee Kun-hee, presidente da Samsung, com fortuna de US$ 16,9 bilhões

    Todos os bilionários sul-coreanos, com exceção de um, residem na maior cidade do país, e todos eles são cidadãos sul-coreanos. As pessoas mais ricas de Seul controlam os maiores negócios do país, incluindo as potências Samsung e Hyundai. A Coreia do Sul também é o quarto maior mercado de jogos online do mundo, com receita estimada em mais de US$ 5,7 bilhões. O setor produziu cinco bilionários em Seul, incluindo o criador do game “MapleStory”, Kim Jung-ju.

  • 8. Shenzhen (China)

    Número de bilionários: 39 (cinco a menos do que em 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 190,5 bilhões
    Morador mais rico: Ma Huateng, CEO da Tencent, com fortuna de US$ 38,8 bilhões

    Designada como uma “zona econômica especial” durante as reformas chinesas da década de 1980, a cidade que faz fronteira com Hong Kong se tornou um centro econômico e turístico. Cada um dos bilionários da cidade é um Todos os bilionários da cidade são self-made, ou seja, venceram por esforço próprio, sendo que o segundo mais rico, Hui Ka Yan, trabalhou como técnico em uma fábrica por uma década antes de fundar uma das principais incorporadoras imobiliárias da China. Já Frank Wang tornou-se o primeiro bilionário mundial no segmento de drones em 2016, junto com um investidor inicial e seu executivo de marketing, ambos residentes em Shenzhen.

  • 7. São Francisco (Estados Unidos)

    Número de bilionários: 42 (oito a mais do que em 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 109,2 bilhões
    Morador mais rico: Dustin Moskowitz, cofundador do Facebook, com fortuna de US$ 11,1 bilhões

    Coração da revolução tecnológica da América, São Francisco é a base dos fundadores do Uber, Airbnb e Pinterest. A grande concentração de empresas da era digital na região fez da cidade a mais cara dos Estados Unidos (toda a Bay Area, incluindo São Francisco e cidades próximas, tem 82 bilionários, menos que Nova York). Um fugitivo: o cofundador do PayPal e apoiador de Trump, Peter Thiel, que se mudou para Los Angeles em 2018, supostamente por sua maior diversidade política.

  • 6. Xangai (China)

    Número de bilionários: 45 (cinco a menos do que em 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 110,7 bilhões
    Morador mais rico: Colin Huang, empreendedor de comércio eletrônico, com fortuna de US$ 13,5 bilhões

    À medida que o e-commerce cresce em todo o mundo, também aumentam as fortunas de empreendedores como Huang, que está ligado ao varejista de internet Pinduoduo. O imenso volume de produtos comprados de maneira online criou um enorme mercado de entrega. Xangai, também o maior porto do mundo, abriga quatro grandes empresas de logística, cada uma delas com um par de bilionários. A dupla do setor mais rica da cidade está ligada à Yunda Express: as fortunas de Nie Tengyun e sua esposa Chen Liying, somam US$ 5,1 bilhões.

  • 5. Londres (Inglaterra)

    Número de bilionários: 55 (mesmo número de 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 226 bilhões
    Morador mais rico: Mikhail Fridman, fundador do Alfa Bank, o maior banco da Rússia, com fortuna de US$ 13,5 bilhões

    Londres, com mais hotéis cinco estrelas do que qualquer outra cidade, é uma meca para os ricos. Enquanto 20 britânicos chamam a cidade cosmopolita de lar, 35 bilionários expatriados de 23 países, incluindo Índia, Islândia e Rússia, mudaram-se para a capital inglesa. Cinco deles, incluindo dois herdeiros da Ikea, vêm da altamente tributada Suécia. Quatro são russos, incluindo a mulher mais rica da Rússia, Elena Baturina, cujo marido foi removido do cargo de prefeito de Moscou em 2010. E apesar de não ser residente, Ken Griffin, fundador do fundo Citadel, comprou uma propriedade de US$ 122 milhões a apenas dez minutos de caminhada do Palácio de Buckingham em janeiro deste ano.

  • 4. Pequim (China)

    Número de bilionários: 61 (três a menos do que em 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 193,3 bilhões
    Morador mais rico: Wang Jianlin, titã dos imóveis, com fortuna de US$ 22,6 bilhões

    Pequim abriga os dois bilionários mais jovens da China, ambos produtos da era da internet: Jihan Wu, um minerador de criptomoedas de 33 anos, e Zhang Yiming, presidente da ByteDance, de 35 anos. O sucesso de seu hub de criação de conteúdo na era da internet, de US$ 75 bilhões, alçou o bilionário da 13ª posição como o mais rico da cidade para a vice-liderança em apena um ano. Ele está atrás apenas de Wang, cuja fortuna vem do setor imobiliário. A tecnologia (17) e os imóveis (12) são as indústrias mais populares para bilionários na capital chinesa.

  • 3. Moscou (Rússia)

    Número de bilionários: 71 (seis a menos do que em 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 336,5 bilhões
    Morador mais rico: Leonid Mikhelson, oligarca do gás natural, com fortuna de US$ 24 bilhões

    Quase 80% de todos os bilionários da Rússia vivem na capital do país, que também é a cidade mais populosa. Moscou abriga cinco bilionários confirmados pelo Tesouro dos EUA em abril de 2018: Oleg Deripaska, poderoso amigo do presidente Vladimir Putin que jura ter provas da interferência russa nas eleições de Donald Trump; Viktor Vekselberg, acusado de enviar centenas de milhares de dólares a Michael Cohen, ex-advogado pessoal do presidente dos EUA; Andrei Skoch, legislador; Arkady Rotenberg, ex-parceiro de Putin; e o economista Suleiman Kerimov. O Grande Gatsby da Rússia, como Kerimov é chamado, enfrentou acusações de lavagem de dinheiro na França (suspensas em junho).

  • 2. Hong Kong

    Número de bilionários: 79 (dois a mais do que em 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 355,5 bilhões
    Morador mais rico: Li Ka-shing, do conglomerado kingpin, com fortuna de US$ 31,7 bilhões

    Os preços de moradia quadruplicaram desde a Grande Recessão graças ao pulso forte do governo em relação à oferta. O mercado em expansão moldou a fortuna de desenvolvedores como Lee Shau Kee e Peter Woo, e 29 bilionários de Hong Kong (e metade dos dez mais ricos) têm no setor imobiliário sua principal fonte de riqueza. Mas uma correção pode ser iminente – uma pesquisa do Citigroup diz que 57% dos cidadãos preveem uma queda nos preços dos imóveis residenciais em 2019.

  • 1. Nova York (Estados Unidos)

    Número de bilionários: 84 (um a mais do que em 2018)
    Patrimônio líquido total: US$ 469,7 bilhões
    Morador mais rico: Michael Bloomberg, o magnata da mídia, com fortuna de US$ 55,5 bilhões

    Alguns bilionários da Big Apple nasceram e foram criados por lá, incluindo o herdeiro da Estée Lauder, Ronald Lauder, o chefe do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, e Henry Swieca, cofundador da Highbridge Capital. Dimon e Swieca são dois dos 40 bilionários da cidade cujas fortunas foram construídas no setor financeiro, do qual a pessoa mais rica é Carl Icahn, um dos poucos administradores de fundos hedge que ganhou dinheiro em 2018. E, embora o bilionário mais famoso da cidade agora tenha na Casa Branca sua residência oficial, 17 outros magnatas do setor imobiliário vivem por
    lá. Entre eles está o nova-iorquino Steven Roth, que possui 70% do arranha-céu
    de Trump na 1290 Avenue of Americas. Mas, assim como em Londres, a residência mais cara de NYC, uma cobertura de US$ 238 milhões no Central Park, é de propriedade de Ken
    Griffin, um morador de fora da cidade.

10. Mumbai (Índia)

Número de bilionários: 37 (oito a menos do que em 2018)
Patrimônio líquido total: US$ 184,4 bilhões
Morador mais rico: Mukesh Ambani, herdeiro da Reliance Industries, gigante da área de petróleo e gás, com fortuna de US$ 50 bilhões

Mumbai abriga o que é, provavelmente, a residência mais cara do mundo: o palácio de 27 andares avaliado em US$ 1 bilhão de Mukesh Ambani. A cidade também sediou um dos maiores e mais caros casamentos de todos os tempos, novamente cortesia do bilionário. Ele organizou a celebração de uma semana para a filha Isha e o filho do colega bilionário Ajay Piramal em dezembro de 2018.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).