Brasil está entre os 10 países que mais espalham spam no mundo

Getty Images
A China é a maior fonte de spams, com 12% do tráfego mundial

Resumo:

  • Cerca de 52% dos e-mails enviados mundialmente no último ano foram anúncios indesejados ou spam;
  • A China é a maior fonte, com 12% do tráfego mundial concentrado;
  • O Brasil ocupa a 5ª posição no ranking, sendo responsável por 4,87% do conteúdo identificado como spam.

Cerca de 52% dos e-mails enviados mundialmente no último ano foram anúncios indesejados ou spam, segundo o site securelist.com.

LEIA MAIS: As senhas mais hackeadas do mundo

A China é a maior fonte de spams, com 12% do tráfego mundial. Os Estados Unidos vêm logo em seguida, com 9%, e a Alemanha em 3° lugar, com 7%. O Brasil ocupa a 5ª posição no ranking, sendo responsável por 4,87% do conteúdo identificado como spam.

A boa notícia, no entanto, é que o tráfego total de mensagens indesejadas em 2018 foi 4% menor do que em 2017.

Veja, na galeria de fotos abaixo, os 10 países que mais enviaram spam em 2018:

  • 1°. China:

    Porcentagem de spam em 2018: 11,69% do total

  • 2°. Estados Unidos:

    Porcentagem de spam em 2018: 9,04% do total

  • 3°. Alemanha:

    Porcentagem de spam em 2018: 7,17% do total

  • 4°. Vietnã:

    Porcentagem de spam em 2018: 6,09% do total

  • 5°. Brasil:

    Porcentagem de spam em 2018: 4,87% do total

  • 6°. Índia:

    Porcentagem de spam em 2018: 4,77% do total

  • 7°. Rússia:

    Porcentagem de spam em 2018: 4,29% do total

  • 8°. França:

    Porcentagem de spam em 2018: 3,34% do total

  • 9°. Espanha:

    Porcentagem de spam em 2018: 2,2% do total

  • 10°. Grã-Bretanha:

    Porcentagem de spam em 2018: 2,18% do total

1°. China:

Porcentagem de spam em 2018: 11,69% do total

 


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).