30 melhores vinhos do mundo

Getty Images
A lista abrangente destaca diversas categorias essenciais, incluindo melhores tintos, brancos, espumantes e outros de diferentes países e estilos

Resumo da notícia:

  • A premiação Wine Style Award, realizada pelo Vivino, maior mercado online de vinhos, com o aplicativo mais baixado da categoria, celebrou os melhores de 2019
  • O resultado revela algumas preferências fascinantes dos consumidores, como o aumento contínuo de viticultoras femininas, a popularidade decrescente do Chardonnay e mais
  • Para se qualificar para o prêmio, cada vinho deve receber pelo menos 50 avaliações no ano. Os preços variam de menos de US$ 20 para opções comuns, até milhares de dólares para edições vintage ou mais raras

Quando se trata de escolher vinhos, às vezes só o que se quer é a preferência popular. Se você é assim, não perca o mais recente “Wine Style Award”, realizado pela Vivino, um dos maiores mercados online da bebida do mundo e o aplicativo mais baixado, que celebra os melhores 1.640 rótulos, de 164 estilos, com base em 40 milhões de críticas e 120 milhões de avaliações no aplicativo e no site, de acordo com o fundador Heini Zachariassen.

LEIA MAIS: Os melhores champanhes e vinhos espumantes de 2018

O prêmio, que parece uma recomendação de um colega que é fã da bebida (exceto que há mais de 35 milhões de opções disponíveis), compartilha um vislumbre único de diferentes tendências.

Zachariassen reforça que não há envios, pagamentos ou especialistas envolvidos. Todos os vinhos do mundo têm a oportunidade de participar da iniciativa, e ele diz que os fabricantes confiam plenamente na capacidade de julgamento de sua comunidade.

A premiação deste ano revela algumas preferências fascinantes dos consumidores, como o aumento contínuo de viticultoras femininas, a popularidade decrescente do Chardonnay e um aumento do interesse em vinhos naturais e brancos portugueses, além dos menos conhecidos Pinot Noirs da Patagônia e Tasmânia.

A lista abrangente destaca diversas categorias essenciais, incluindo melhores tintos, brancos, espumantes e outros de diferentes países e estilos. Fiel à abordagem democrática da plataforma, cada uma das pontuações (até cinco pontos) é classificada com base nos critérios dos usuários. No entanto, há alguns padrões comuns, como o perfil de sabor do vinho e a qualidade em geral.

Naturalmente, alguns podem se perguntar se esse critério não produz resultados inconsistentes, mas Zachariassen acredita que a escala de cinco pontos é muito familiar para os consumidores que usam sites e aplicativos, ao contrário do tradicional sistema de pontuação de 100 pontos. Portanto, ao estudar mais de 100 mil críticas de especialistas, além de compará-las com as classificações do Vivino, eles chegaram à conclusão que uma nota 4.0 do site está relacionada aos 90 pontos de um especialista.

VEJA TAMBÉM: Conheça Rothschild, o barão dos bons vinhos

Há, também, a preocupação constante de críticas falsas em plataformas feitas por usuários, como Yelp e TripAdvisor. Então, como o Vivino mantém sua lista de prêmios justa e honesta?

Zachariassen diz que, embora a empresa não tenha encontrado problemas significativos com fraude, ela aplica medidas diferentes para localizar e corrigir qualquer manipulação de dados. Um vinho genuinamente popular, por exemplo, será muito explorado, então, quando houver um com muitas avaliações em relação a esses números, a equipe de dados e a de inteligência empresarial serão alertadas para aprofundar as informações.

Para se qualificar para o prêmio, cada vinho deve receber pelo menos 50 avaliações no ano. “Isso nos dá uma quantidade confiável de referências para trabalhar e pode mostrar uma grande variedade, não apenas os grandes. Também temos uma equipe de especialistas em dados que revisa cada vinho para garantir que as informações sejam precisas.”

Os preços variam de menos de US$ 20 de um Domaine de Fontsainte Gris de Gris Corbières Rosé 2017 até milhares de dólares de edições vintage ou raras. Os valores também variam de acordo com a localização do usuário.

Veja, a seguir, os 30 melhores vinhos do mundo em 2019 segundo o “Wine Style Award”, realizado pela Vivino:

1. Cabernet Sauvignon 2015, da Scarecrow (US$ 695)
Região: Napa Valley (Califórnia, EUA)

2. La Tâche Grand Cru 2000, da Domaine de La Romanée-Conti (US$ 4,5 mil)
Região: Côte de Nuits (Burgundy, França)

3. Sangiovese Toscana 2006, da Soldera (US$ 475)
Região: Toscana (Itália)

E AINDA: 6 grandes vinhos tintos de clima frio

4. Sauternes 2001, da Château d’Yquem (US$ 800)
Região: Sauternes (França)

5. Very Old Single Harvest Port 1968, da Taylor’s (US$ 250)
Região: Porto (Portugal)

6. Grands-Échezeaux Grand Cru 2011, da Domaine de La Romanée-Conti (US$ 2.999)
Região: Grands-Échezeaux Grand Cru (França)

7. Red 2014, d0 Viñedo Chadwick (preço não divulgado)
Região: Maipo Valley (Chile)

8. Toscana 2005, da Masseto (US$ 699)
Região: Toscana (Itália)

9. Pêra-Manca Tinto 2005, da Cartuxa (preço não divulgado)
Região: Alentejo (Portugal)

10. Pomerol 2005, da Pétrus (US$ 3,2 mil)
Região: Pomerol (França)

11. Lindaflor La Violeta Malbec 2010, da Monteviejo (preço não divulgado)
Região: Uco Valley (Argentina)

12. Barca Velha Douro 1999, da Casa Ferreirinha (preço não divulgado)
Região: Douro (Portugal)

LEIA TAMBÉM: O que são e quanto custam os vinhos biodinâmicos

13. Kayli Morgan Vineyard Cabernet Sauvignon 2013, da Hundred Acre (US$ 439)
Região: Napa Valley (Califórnia, EUA)

14. The Bard 2013, da Realm (preço não divulgado)
Região: Napa Valley (Califórnia, EUA)

15. Ark Vineyard Cabernet Sauvignon 2012, da Hundred Acre (US$ 479)
Região: Napa Valley (Califórnia, EUA)

16. Brasas Cabernet Sauvignon 2014, da Palmaz (preço não divulgado)
Região: Napa Valley (Califórnia, EUA)

17. Unico 1995, da Vega Sicilia (US$ 480)
Região: Ribera del Duero (Espanha)

18. Pessac-Léognan (Grand Cru Classé de Graves) 1989, do Château La Mission Haut-Brion (US$ 329)
Região: Pessac-Léognan (França)

19. Cobos Malbec 2013, da Viña Cobos (preço não divulgado)
Região: Mendoza (Argentina)

20. Grand Vin Pauillac (Premier Grand Cru Classé) 1982, do Château Latour (US$ 2,5 mil)
Região: Pauillac (França)

21. Cobos Volturno 2013, da Viña Cobos (preço não divulgado)
Região: Perdriel (Argentina)

22. Octavius Amarone della Valpolicella Riserva 2010, da Marchesi Fumanelli (preço não divulgado)
Região: Amarone della Valpolicella (Itália)

VEJA MAIS: A volta triunfal dos vinhos do leste europeu

23. Cerretalto Brunello di Montalcino 2010, da Casanova di Neri (US$ 320)
Região: Brunello di Montalcino (Itália)

24. Margaux (Premier Grand Cru Classé) 2010, do Château Margaux (US$ 850)
Região: Margaux (França)

25. Pauillac (Premier Grand Cru Classé) 2003, do Château Lafite Rothschild (US$ 1.299)
Região: Pauillac (França)

26. Patriarch 2014, da Frank Family (US$ 225)
Região: Rutherford (Estados Unidos)

27. Insignia 2002, de Joseph Phelps (US$ 229)
Região: Napa Valley (Califórnia, Estados Unidos)

28. Brut Champagne 1988, da Krug (US$ 2,2 mil)
Região: Champagne (França)

29. Amarone della Valpolicella Classico 2003, da Quintarelli Giuseppe (US$ 1,2 mil)
Região: Valpolicella (Itália)

30. Saint-Émilion Grand Cru (Premier Grand Cru Classé) 1990, do Château Cheval Blanc (US$ 1 mil)
Região: Bordeaux, Libournais, Saint-Émilion (França)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).