Blockchain 50: as maiores empresas que adotam a tecnologia

Jonathan Kichen/GettyImages
A segunda lista anual Blockchain 50 representa empresas que adotam a tecnologia subjacente a criptomoedas

O blockchain começou como uma maneira de mover o bitcoin do ponto A para o B, mas agora tem sido usado por uma série de grandes empresas a fim de monitorar e movimentar qualquer número de ativos em todo o mundo de forma tão fácil quanto enviar um e-mail. A segunda lista anual Blockchain 50 representa empresas que adotam a tecnologia subjacente a criptomoedas como bitcoin e a utiliza para acelerar processos de negócios, aumentar a transparência e potencialmente economizar bilhões de dólares. A fim de se qualificar, os membros do ranking Blockchain 50 devem gerar pelo menos US$ 1 bilhão em receita anualmente ou ser avaliados em US$ 1 bilhão ou mais.

Desde a liquidação instantânea dos títulos do governo alemão até a verificação da procedência dos diamantes extraídos na África e geração de liquidez a um pequeno fornecedor de boxes de chuveiros em Zhongshan, na China, os membros deste ano ultrapassaram os benefícios teóricos do blockchain, gerando grandes receitas e economia de custos. Embora muitas empresas em nossa nova lista sejam nomes conhecidos como Vanguard, Square e Microsoft, algumas startups nativas de criptomoeda como a Bitfury já atenderam aos nossos critérios e estão a caminho de se tornarem blue chips da era digital.

VEJA TAMBÉM: Tudo o que você precisa saber sobre blockchain e criptomoedas

Amazon

Como uma extensão do Amazon Web Services, a gigante do comércio eletrônico oferece ferramentas de blockchain para empresas que não desejam criar suas próprias. Na Austrália, a Nestlé usou o produto blockchain da Amazon para ajudar a lançar uma nova marca de café, a Chain of Origin, que permite que os consumidores possam olhar internamente a cadeia de suprimentos do café. Ao digitalizar um QR code, é possível ver em qual pequena fazenda os grãos foram plantados e onde eles foram torrados. Outros clientes de blockchain da Amazon incluem Sony Music Japan, BMW, Accenture e cervejaria artesanal sul-coreana Jinju Beer.

Seattle, Estados Unidos
Blockchain: Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Rahul Pathak, diretor geral de database, analytics, e blockchain na AWS

Ant Financial

Sua plataforma financeira chamada Duo-Chain possibilitou que US$ 1,5 bilhão em empréstimo fosse feito a produtores como a GuanYong Computer, da Sichuan. A Ant usa seu próprio blockchain para verificar recibos e realizar pagamentos.

Hangzhou, China
Blockchain: Ant Blockchain Technology, Hyperledger Fabric and Enterprise Ethereum (Quorum)
Executivo-chave: Geoff Jiang, vice-presidente da Ant Financial

Anthem

No final de 2019, a companhia de seguros de saúde começou a usar seu sistema de blockchain para que pacientes pudessem acessar suas informações médicas de maneira segura. Nos próximos dois a três anos, todos os seus 40 milhões de membros terão esse acesso.

Indianápolis, Estados Unidos
Blockchain: Hyperledger Fabric
Executivos-chaves: Mariya Filipova, vice-presidente de inovação; Plamen Petrov, vice-presidente de tecnologias exponenciais; Rajeev Ronanki, CDO

Aon

Além de mediar o gasto de US$ 255 milhões da Coinbase para proteção de hackers, a Aon está construindo uma plataforma de Blockchain que irá acelerar a opções de seguro de seus clientes. Ela está criando um contrato de seguro onde o cliente compra seu plano para cobrir seus riscos do seguro original, mas o processo é complexo já que diferentes empresas de seguros têm jeitos diferentes de emitir seus planos. A Aon está construindo uma plataforma onde as grandes empresas de “seguro do seguro” podem trabalhar no mesmo sistema. Até agora, a EverestRe e a RennaissanceRe já assinaram contrato e irão ajudar com o design do projeto. 

Londres, Reino Unido
Blockchain: R3 Corda
Executivo-chave: Robert Olson, CIO da Aon Reinsurance Solutions

Baidu

A gigante de pesquisas da China tem inúmeros negócios de blockchain, incluindo um que permite que chineses adotem cachorrinhos digitais, todos diferentes uns dos outros, e que “vivem” no blockchain. Outro serviço oferece empréstimos estudantis, mas os fundos só são liberados uma vez que a tecnologia conferiu as notas do estudante. A Baidu usa uma rede de blockchain pública popular que foi desenvolvida pela IBM.

Pequim, China
Blockchain: Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Li Feng, chefe de blockchain

Bitfury

A fabricante de equipamentos de mineração cripto também customizou o blockchain do bitcoin para que clientes possam construir seus próprios aplicativos. Estudantes da Synergy University em DUbai, por exemplo, usam a rede Exonum da Bitfury para verificar as credenciais de potenciais funcionários.

Amsterdã, Holanda
Blockchain: Bitcoin, Exonum
Executivo-chave: Chris Dickson, chefe de soluções blockchain

BMW

A fabricante de luxo atualmente tem um programa piloto com produtores na Europa, México e Estados Unidos e usa blockchain para rastrear materiais, componentes e partes, por toda a cadeia de produção. A BMW é membro da Mobi (Mobile Open Mobility Initiative), um consórcio de fabricantes de automóveis que inclui a Honda e a Ford. Em julho de 2019, a Mobi lançou o primeiro padrão de identificação de veículos pelo blockchain, o que dá a novos carros uma identidade digital. A tecnologia pode eventualmente rastrear eventos na vida de um carro e conectar veículos para que compartilhem informações, rastreiem suas velocidades, localizações e até mesmo as intenções do motoristas (como mudar de pista).

Munique, Alemanha
Blockchain: Hyperledger Fabric, Ethereum, Quorum, Corda and Tezos
Executivo-chave: Andre Luckow, diretor de registro de distribuição e tecnologias emergentes

Broadridge

Em 2019, a Broadridge adquiriu um software de blockchain desenvolvido pela firma de serviços financeiros Northern Trust. Ele foi feito para gerenciar o ciclo de vida de investimentos privados. A ferramenta automatiza transações e gerência acordos legais, acelerando o processo de coleta de dados e comunicação com os investidores. Atualmente, esse serviço está disponível para fundos baseados em Guernsey e no Delaware. Para a  segunda metade de 2020, a Broadridge tem planos de vir a público executando acordos bilaterais pelo blockchain. 

New York, Estados Unidos
Blockchain: Hyperledger Fabric, Quorum, Corda, DAML (Digital Asset Modeling Language)
Executivo-chave: Mike Tae, chefe da Broadridge Corporate Strategy

Cargill

A maior companhia privada dos Estados Unidos lançou sua própria plataforma privada chamada Splinter em 2019. Ela permite que membros da vasta cadeia de produção usem aplicações para se comunicar e realizar transações. A Cargill é detalhista mas diz que as aplicações do blockchain são vastas e abrangem todos os aspectos dos negócios da empresa. Eles começaram a testar o software Hyperledger Sawtooth da Intel em 2017 na época do Dia de Ação de Graças para rastrear perus da fazenda ao supermercado, e também trabalharam previamente com a startup Bitwise para contruir uma rede de blockchain customizada chamada Hyperledger Grid.

Wayzata, Estados Unidos
Blockchain: Hyperledger Sawtooth, Hyperledger Grid
Executivo-chave: David Cecchi, diretor-sênior de engenharia

China Construction Bank

O segundo maior banco do mundo têm nove projetos de blockchain em operação, incluindo um que ajuda no rastreamento de remédios. Um deles também rastreia créditos de carbono, e um outro mostra como subsídios do governo estão sendo gastos. O BCTrade conecta 60 instituições financeiras incluindo o serviço postal da China, o banco de Shanghai, o Bank of Communications e mais de 3.000 fábricas de importação e exportação. Atualmente, um exportador esperando por um carregamento para retirar um empréstimo pode fazê-lo em questão de minutos por meio do comprovante de recibo futuro do blockchain. 

Xangai, China
Blockchain: Hyperchain, Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Lei Xing, líder de blockchain como plataforma de serviço

Citigroup

O Citi recentemente lançou sua primeira carta de crédito usando sua rede de blockchain Komgo. O banco também trabalha com a Goldman Sachs e outras 13 corretoras de ações para automatizar o serviço de compatibilidade e reconciliação de contratos derivativos usando o blockchain Axcore, da Axconi. Com o blockchain, o Citi espera reduzir seus erros e custos operacionais e minimizar disputas pelos valores de bens.

New York, Estados Unidos
Blockchain: Axcore, Symbiont Assembly, Quorum
Executivo-chave: Puneet Singhvi, líder de mercados e serviços de valores mobiliários para blockchain

Coinbase

Oito anos após sua fundação, a Coinbase abriu 35 milhões de contas, preside US$ 21 bilhões em bens e tem uma previsão de lucros de US$ 800 milhões para esse ano. A Coinbase é uma das exchanges líderes em regulações, servindo investidores institucionais, fundos pensionais, de doações e até empresas de varejo. Neste mês, anunciou que recebeu autorização da Visa para emitir seus próprios cartões de crédito.

São Francisco, Estados Unidos
Blockchain: Bitcoin, ethereum, XRP and 24 others
Executivo-chave: Brian Armstrong, cofundador e CEO

Credit Suisse

O grande banco suíço investe em blockchain desde 2015, quando se tornou um dos membros fundadores do consórcio de blockchain R3. Agora, continua trabalhando com a exchange cripto itBit para gerenciar seus bens nos Estados Unidos usando blockchain. Outra parceria com a tecnologia é com o grupo de capital Deutsche Börse, que reduziu seu tempo de processamento de documentos para menos de um dia.

Zurique, Suíça
Blockchain: Corda, Paxos
Executivo-chave: Emmanuel Aidoo, chefe de mercado de ativos digitais

Daimler

A gigante produtora de automóveis têm diversos pilotos de blockchain, desde donos de caminhões pagando por gasolina com criptomoedas como o e-euro até um novo instrumento de cobrança de dívidas chamado Schuldschein. A Daimler também usa o blockchain para rastrear contratos por toda a cadeia de produção pela sua subsidiária Mercedes-Benz.

Stuttgart, Alemanha
Blockchain: Hyperledger, Corda, Ethereum
Executivo-chave: Jonas von Malottki, líder de prioridade de código aberto

De Beers

O novo software da De Beer, o Tracr, rastreia diamantes e faz com que passe por scanners 3D quando as pedras são mineiradas, cortadas, polidas e vendidas. Mais de 30 participantes já assinaram esse acordo, como a Signet Jewelers, dona das lojas Kay, Zales e Jared. Milhares de pedras são registradas por mês.

Londres, Reino Unido
Blockchain: Ethereum
Executivo-chave: Jim Duffy, CEO da Tracr

Depository Trust & Clearing Corporation (DTCC)

O depósito de ações globais DTCC moverá em breve seu crédito de US$ 10 trilhões para uma rede de blockchain. Essa derivativa representa mais de 50 mil contas de algumas das maiores instituições financeiras do mundo. Previamente, cada instituição tinha seus próprios registros, o que exigia várias reconciliações e esforços redundantes.  O DTCC vai eliminar esse desperdício de tempo e papelada.

Nova York, Estados Unidos
Blockchain: Axcore
Executivos-chaves: Rob Palatnick, chefe global de tecnologia, pesquisa e inovação; Jennifer Peve, diretor geral de negócios e inovação

Dole Foods

Depois de diversas revogações de grandes produtos na última década, a Dole adotou o blockchain em todo o processamento de frutas. Milhões de quilos de bananas, abacaxis, pêssegos e outros. Consumidores no Walmart agora podem ver de onde veio sua fruta se escanear o QR code. O próximo objetivo são os vegetais. Seu novo nível de rastreabilidade começa na fazenda e termina nos corredores dos supermercados. Pela parceira IBM Food Trust, eles chegaram a 11.300 transações por dia, ou 2,3 milhões por ano.

Charlotte, Estados Unidos
Blockchain: IBM Blockchain, Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Natalie Dyenson, vice-presidente de alimento, segurança e qualidade

Facebook

Em junho de 2019, o Facebook anunciou seus planos para a libra, sua criptomoeda apoiada por vários bens estáveis incluindo o dólar norte-americano e títulos do governo. O anúncio trouxe críticas à concessão de poder monetário à mesma companhia que sofre acusações de ter influenciado a eleição presidencial dos Estados Unidos em 2016. Apoiadores originais da libra já saíram do consórcio, como Visa e Mastercard. No entanto, a Libra Association ainda administra o código de seu blockchain e diz que se conseguir aprovação regulatória, lançará a criptomoeda em 2020.

Menlo Park, Estados Unidos
Blockchain: Hotstuff
Executivos-chaves: David Marcus, chefe do Calibra, carteira de moeda digital do Facebook; Morgan Beller, cocriadora da Libra, chefe de estratégia da Calibra

Figure

Esse unicórnio possibilitou a realização de mais de US$ 800 milhões em empréstimos, hipotecas, financiamentos entre outros para credores como Franklin Templeton e Jeffries.Todos os documentos são mantidos e verificados por meio de algoritmos na rede de blockchain Provenance.

São Francisco, Estados Unidos
Blockchain: Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Jennifer Mitrenga, chefe das Américas

Foxconn

A Apple usa seu negócio de transações, a Chained Finance, para pagar mais de 20 produtores de eletrônicos em moedas digitais cunhadas no Ethereum. O resultado são custos diminuídos drasticamente em porcentagens que chegam a 24%. O tempo esperado de processamento vai de sete dias para menos de um. A Foxconn usa o Ethereum por ser famoso para processar smart contracts, que automatizam transações financeiras.

Taipé, Taiwan,/em>
Blockchain: Ethereum
Executivo-chave: Jack Lee, CEO em exercício na Chained Finance

General Electric

A GE está explorando ativamente o blockchain por meio de sua subsidiária de aviação de US$ 30 bilhões, que construiu o que chama de registro “back-to-birth” de um motor de avião que registra detalhes importantes do processo de fabricação e sobre a manutenção realizada. Em um setor em que registros completos e facilmente acessíveis são essenciais para a produtividade (peças de companhias aéreas sem documentação adequada não são facilmente compradas e vendidas), a equipe de blockchain da GE criou uma trilha digitalizada para impedir que motores com documentação incompleta fiquem sem uso.

Austin, Estados Unidos
Blockchain: Microsoft Azure, Corda, Quorum, Hyperledger
Executivo-chave: David Havera, líder de blockchain

Google

Em junho, o gigante site de buscas anunciou que estava integrando sua plataforma de análise de dados, a BigQuery, ao Chainlink, permitindo que dados de fontes externas fossem usados ​​em aplicativos criados diretamente no blockchain. A parceria poderia ajudar a processar contratos futuros, liquidar apostas especulativas e tornar as transações mais privadas. No início de 2019, a Google lançou um conjunto de ferramentas no BigQuery que tornava os dados de blockchain para bitcoin e outras sete principais criptomoedas fáceis de serem encontrados.

Mountain View, Estados Unidos
Blockchain: Chainlink, Bitcoin, Ethereum, Bitcoin Cash, Ethereum Classic, Litecoin, Zcash, Dogecoin, Dash
Executivo-chave: Allen Day, desenvolvedor do Google Cloud

Honeywell

A Honeywell desenvolveu um mercado baseado em blockchain para peças aeroespaciais usadas, uma indústria de US$ 4 bilhões cheia de equipamentos especializados e caros e requisitos de segurança rigorosos. A plataforma GoDirect Trade da Honeywell coleta informações sobre peças de aeronaves ao longo de todo o seu ciclo de vida e as disponibiliza a potenciais compradores antes da venda. O uso de um registro de blockchain permite à Honeywell agregar com segurança essas informações de vários clientes, muitas vezes concorrentes. Em seu primeiro ano, o GoDirect Trade processou mais de US$ 5 milhões em transações online.

Charlotte (sede); Phoenix (sede aeroespacial), Estados Unidos
Blockchain: Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Lisa Butters, líder de aplicações blockchain e diretora geral da GoDirect Trade

HSBC

O HSBC realizou um milhão de operações de câmbio estrangeiras, totalizando US$ 1,2 trilhão em sua plataforma FX Everywhere, construída usando uma versão modificada do ethereum. Outro empreendimento do HSBC, Contour, é uma rede de blockchain que fornece cartas de crédito a exportadores globais cujos navios às vezes viajam mais rápido que a documentação do empréstimo, resultando em longas esperas no porto. A Contour usa o software blockchain Corda para conectar compradores, vendedores e bancos de trade finance a um único livro compartilhado. Das 14 cartas de crédito até agora emitidas na plataforma, que totalizam US$ 30 milhões, a mais recente foi em novembro de 2019, quando o HSBC emitiu uma carta à Kingfisher, com sede na Romênia, para uma remessa de portas de chuveiro vindas de Zhong Shan Neptum da China. Em um projeto separado, a empresa planeja transferir US$ 20 bilhões em títulos para o seu Digital Vault, também construído na Corda, cortando corretores e conectando investidores diretamente a ativos do mercado privado.

London U.K.
Blockchain: Ethereum, Corda, Hyperledger Fabric
Executivos-chaves: Joshua Kroeker, líder de blockchain, crescimento e inovação; Mark Williamson, chefe global da FX Everywhere

IBM

A Big Blue criou uma versão proprietária do Hyperledger Fabric, o código chamado IBM Blockchain, que é mais rápido de configurar e mais fácil de operar. O IBM Food Trust é um dos vários consórcios de blockchain montados pela empresa e foi projetado para mover cadeias complicadas de suprimento de alimentos para uma plataforma compartilhada e distribuída. Em janeiro de 2020, a gigante do azeite CHO anunciou que acompanha o seu óleo gourmet Terra DeLyssa na blockchain Food Trust desde a colheita de novembro de 2019. A empresa tunisiana que fabrica um total de mais de 24 mil garrafas de azeite por dia analisa o óleo em seus próprios laboratórios credenciados pelo Conselho Internacional de Azeite, ajudando a gerar oito pontos de dados, incluindo o pomar onde as azeitonas foram cultivadas, o moinho onde foram esmagadas, e as instalações onde o óleo foi filtrado, engarrafado e distribuído, cada um capturado na blockchain e acessível via QR code na garrafa. Da mesma forma, o Food Trust já rastreou 18 milhões de transações para 17 mil produtos.

North Castle, Estados Unidos
Blockchain: Stellar, Hyperledger Fabric, Burrow and Sovrin
Executivo-chave: Bridget van Kralingen, vice-presidente sênior de plataformas globais da indústria e blockchain

ING Group

O projeto blockchain mais maduro do ING é a plataforma descentralizada de financiamento comercial Komgo, que elimina os atrasos e a papelada redundante envolvida com as cartas de crédito emitidas para financiar o comércio. Normalmente, quando os comerciantes de commodities precisavam emprestar dinheiro para comprar petróleo bruto enviado para todo o mundo, por exemplo, todas as contrapartes, incluindo comerciantes, bancos, inspetores e agentes, entregavam documentos em papel, resultando em embarcações que frequentemente precisavam esperar um empréstimo após ancorar. Mas em julho de 2019, o ING realizou seu primeiro comércio de commodities no Komgo, alimentado pela blockchain Quorum. A carta de crédito de US$ 43 milhões foi processada e aprovada pelo ING Geneva para a Mercuria Energy Trading SA em questão de minutos.

Amsterdã, Holanda
Blockchain: Corda, Quorum, ethereum, Hyperledger Fabric, Hyperledger Indy
Executivo-chave: Mariana Gomez de la Villa é diretora do Programa Global de Tecnologia de Contabilidade Distribuída

Intercontinental Exchange

Em 2019, a controladora da Bolsa de Valores de Nova York lançou a Bakkt, uma das primeiras bolsas de futuros de bitcoin regulamentadas. Desde o lançamento em setembro, a Bakkt fechou 117 mil contratos futuros de bitcoin e planeja adicionar suporte para outros ativos digitais em breve. A Bakkt também obtém receita com taxas, ajudando os clientes a armazenar seu bitcoin e vendendo dados de mercado sobre como seus produtos são usados. Na primeira metade de 2020, a Bakkt lançará um aplicativo de pagamentos voltado ao consumidor, permitindo que os clientes paguem comerciantes como Starbucks com criptomoeda.

Atlanta, Estados Unidos
Blockchain: Bitcoin
Executivo-chave: Mike Blandina, CEO da Bakkt

JPMorgan

O maior banco dos Estados Unidos está acompanhando o progresso de seu JPM Coin, a moeda digital que anunciou em fevereiro de 2019 para ajudar os bancos a liquidar transações mais rapidamente. No entanto, admite que 100 instituições estão agora usando sua nova “Rede Interbancária de Informações”, uma rede de blockchain que acelera pagamentos transfronteiriços entre bancos, usando uma plataforma compartilhada para resolver atrasos que surgem quando, por exemplo, um banco pensa que um transferência pode violar uma sanção internacional. Anteriormente, essas discrepâncias eram resolvidas com telefonemas e e-mails, que podiam levar de dois dias a duas semanas. Agora eles são resolvidos em minutos, disse a JPMorgan.

Nova York, Estados Unidos
Blockchain: Quorum, uma versão privada do Ethereum
Executivo-chave: Christine Moy, diretora do Centro de Excelência em Blockchain

LVMH

A fabricante de artigos de luxo está usando a tecnologia blockchain para rastreabilidade e prova de autenticidade. Para este fim, LVMH, ConsenSys e Microsoft anunciaram em maio de 2019 a plataforma blockchain AURA, que usa ethereum e o serviço de nuvem Azure da Microsoft para rastrear e registrar produtos de luxo. Entre suas marcas, a Louis Vuitton já está acompanhando milhões de seus produtos, em um esforço para reduzir a falsificação.

Paris, França
Blockchain: Ethereum
Executivo-chave: Eric Pradon, vice-presidente sênior de inovação

Mastercard

A segunda maior empresa de cartões de crédito da América solicitou 116 patentes relacionadas a blockchain e tem vários projetos em andamento. Está trabalhando com o comprador de alimentos em atacado Topco para dar visibilidade aos consumidores de onde vieram suas compras. A Mastercard também está testando uma rede de pagamentos internacionais mais rápida e transparente com os bancos, e está tentando convencer os bancos centrais que desejam emitir moedas digitais para usar seus trilhos para ajudar a mover as novas moedas.

Purchase, Estados Unidos
Blockchain: Plataforma própria, construída do zero
Executivo-chave: Ken Moore, EVP e diretor do Mastercard Labs

Microsoft

A gigante de softwares oferece blockchain por meio do Azure, seu serviço de nuvem. No ano passado, ela lançou um novo produto desenvolvido para facilitar as empresas a criarem seus próprios ativos digitais (tokens) usando um conjunto padrão de critérios. Como suas outras ofertas, a nova estrutura de tokenização da Microsoft foi projetada para reduzir as barreiras à entrada na blockchain para grandes empresas.

Redmond, Estados Unidos
Blockchain: Ethereum, Corda, Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Matthew Kerner, gerente-geral de indústria e blockchain

Nasdaq

Como uma das primeiros adotantes empresariais de um blockchain, a Nasdaq foi além dos pilotos e das provas de conceito e lançou vários produtos blockchain projetados para o mercado de capitais, incluindo uma ferramenta de votação eletrônica para o depositário central de valores mobiliários da África do Sul. Agora, a empresa está chegando a outros setores, como seguros e logística, depois de descobrir que as soluções originalmente desenvolvidas para o setor financeiro poderiam ser aplicadas em outros campos. Também forneceu a tecnologia blockchain à NYIAX, uma troca de publicidade que permite que os editores comprem, vendam e negociem contratos.

Nova York, Estados Unidos
Blockchain: Assembly, Corda, Hyperledger Fabric, DAML e outros
Executivo-chave: Johan Toll, chefe de ativos digitais

National Settlement Depository

Após alguns testes iniciais de emissão de títulos em uma blockchain, o depositário central de valores mobiliários da Rússia ajudou a criar o Distributed Digital Depository (D3Ledger) para armazenar e trocar ativos cripto, mesmo que sejam emitidos em diferentes blockchains. O NSD também está trabalhando com o banco agrícola russo para emitir tokens de grãos que rastreiam de maneira mais transparente o movimento de grãos armazenados em silos russos –geralmente usados ​​como garantia em transações de swaps. Em abril de 2019, a empresa controladora da NSD, Moscow Exchange, descobriu a escassez em seis desses silos de grãos, resultando em perdas de US$ 37 milhões, algo que o depositário acha que poderia ser corrigido se sua tecnologia fosse integrada em todas as camadas da cadeia de suprimentos.

Moscou, Russia
Plataforma blockchain: Hyperledger Fabric, Hyperledger Iroha, NXT, Ethereum, Waves, Bitcoin
Executivos-chaves: Artem Duvanov, chefe de inovação, Alexander Yakovlev, chefe do laboratório blockchain

Nestlé

A maior empresa de alimentos de capital aberto do mundo lançou três produtos graças ao IBM Food Trust em 2019, e tem outros dois previstos para o primeiro semestre. Agora, os clientes europeus podem escanear QR codes e rastrear fórmulas infantis orgânicas, comida para bebê e purê de batata instantâneo, desde a fabricação até a prateleira do supermercado. Por meio do OpenSC, a Nestlé também está criando outro projeto com produtores de leite na Nova Zelândia e produtores de óleo de palma na América do Sul.

Vevey, Suíça
Blockchain: Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Benjamin Dubois, operações corporativas – gerente de transformação da cadeia de suprimentos

Optum

Em 2018, a empresa de assistência médica cofundou a Synaptic Health Alliance para explorar o blockchain na assistência médica. A Alliance criou uma rede de blockchain que permite que seus membros, incluindo Aetna, Humana e Quest Diagnostics, visualizem, insiram, validem, atualizem e auditem os dados dos funcionários da rede. Atualmente, a tecnologia está sendo executada em três programas no Texas, com o objetivo de testar se o blockchain pode simplificar o processo de atualização das informações do provedor de serviços de saúde. O setor de saúde estima que pelo menos US$ 2,1 bilhões são gastos anualmente para manter os bancos de dados dos provedores.

Eden Prairie, Estados Unidos
Blockchain: Ethereum
Executivo-chave: Mike Jacobs, vice-presidente sênior de engenharia

Overstock

Apesar da partida do CEO Patrick Byrne, a Overstock ainda está desenvolvendo sua plataforma de negociação baseada em blockchain, a tZERO, que permitiria aos investidores negociar versões digitais de ativos tradicionais como ações, títulos, imóveis e arte. Atualmente, os investidores podem negociar apenas dois tokens na plataforma –representando as ações da Overstock e da tZERO. Até o momento, a Overstock gastou cerca de US$ 200 milhões em 18 empresas de blockchain em estágio inicial e ainda não obteve lucro significativo de nenhuma delas. Uma investigação da SEC sobre vários assuntos relacionados aos esforços de blockchain da empresa está em andamento.

Midvale, Estados Unidos
Plataforma blockchain: Bitcoin, Ethereum, Hyperledger Fabric, Ravencoin, Florin e outras
Executivo-chave: Jonathan Johnson, CEO da Overstock e presidente da Medici Ventures

Ripple

A maioria dos bancos usa o Swift como intermediário global para transferências internacionais de dinheiro, um sistema criado na era anterior à da internet que permite que os bancos enviem mensagens seguras uns aos outros e torna as transações lentas e ineficientes. A rede global de pagamentos da Ripple, a RippleNet oferece uma solução segura mais rápida, e o volume de transações na rede está aumentando. A Ripple não está sofrendo por dinheiro –vendeu US$ 500 milhões em XRP em 2019, ultrapassou 300 clientes corporativos em novembro e levantou US$ 200 milhões em dezembro. O PNC se tornou o primeiro banco dos EUA a usar o RippleNet em todos os seus pagamentos internacionais, no ano passado.

São Francisco, Estados Unidos
Plataforma blockchain: XRP Ledger
Executivo-chave: Brad Garlinghouse, CEO

Royal Dutch Shell

Atualmente, a Shell está trabalhando em nove projetos de blockchain em vários estágios de maturidade. É um membro fundador da Vakt, uma plataforma blockchain que foi lançada em novembro de 2018 que processa transações pós-negociação de petróleo Brent. A Vakt simplifica o setor global de comércio de commodities, que ainda depende em grande parte de uma montanha de papéis, movendo-o para um livro digital compartilhado. A Shell também está trabalhando em um programa piloto usando blockchain para autenticar e verificar a origem e proveniência de equipamentos de processo críticos para a segurança, com a esperança de implantá-lo no segundo trimestre de 2020. A empresa está focando primeiro nas válvulas usadas nas fábricas da Shell e provavelmente expandirá a funcionalidade para as bombas, ao mesmo tempo em que generaliza o sistema para se adequar a qualquer tipo de equipamento ou dispositivo.

The Hague, Holanda
Blockchain: Ethereum
Executivo-chave: Sabine Brink, líder de blockchain

Samsung

O blockchain Nexledger da Samsung ajuda as partes de um acordo a provar sua identidade e a executar contratos. A plataforma já está sendo usada por um grupo de 18 bancos coreanos em um aplicativo chamado BankSign, que permite que os clientes de varejo provem quem são rapidamente, mesmo quando visitam um banco em que não são clientes. Desde o seu lançamento em agosto de 2018, o sistema registrou 235 mil usuários individuais. A Samsung também está usando o Nexledger para ajudar os pacientes a provar sua identidade, acelerando o tempo necessário para processar uma reivindicação de seguro de saúde.

Seoul, Coreia do Sul
Blockchain: Nexledger, Ethereum
Executivo-chave: Jeanie Hong, chefe do centro de blockchain

Santander

Mais conhecido no mundo cripto por seu trabalho usando o sistema de pagamento da Ripple para criar um aplicativo de pagamentos transfronteiriços, este gigante bancário espanhol abriu novos caminhos para o blockchain em setembro de 2019, quando emitiu um título de US$ 20 milhões no blockchain público do ethereum. O título de 1,98% foi notável por mostrar como os títulos tradicionais poderiam negociar instantaneamente em mercados secundários se as contrapartes usassem uma blockchain pública compartilhada, em vez dos três dias em que normalmente leva.

Madrid, Espanha
Plataforma blockchain: Hyperledger Fabric, Ethereum
Executivo-chave: Coty de Monteverde, diretor do Centro de Excelência Blockchain

Signature Bank

O JPM ganhou mais manchetes, mas o Signet foi o primeiro banco segurado pelo FDIC a lançar uma criptomoeda lastreada em dólares, chamada signets, em janeiro de 2019. No segundo semestre de 2019, cerca de US$ 10 bilhões em pagamentos comerciais na forma de signets negociados no ethereum plataforma. Um cliente de longa data, o New York Air Courier Service, que ajuda os exportadores com a alfândega da área alfandegada e a pagar taxas por atrasos de remessa, começou a usar signets para fazer pagamentos instantaneamente, em vez dos três dias que costuma usar a Câmara de Compensação Automática transferência bancária.

Nova York, Estados Unidos
Plataforma blockchain: Ethereum
Executivo-chave: Frank Santora, vice-presidente sênior e diretor de soluções de ativos digitais

Silvergate Bank

Em janeiro de 2014, o Silvergate se tornou um dos primeiros bancos dispostos a abrir contas para trocas de criptomoedas. Desde então, o banco cresceu e atende 750 exchanges de criptomoedas, incluindo Bitstamp, Coinbase, Kraken e Gemini e investidores institucionais de criptomoeda como Block Town, Polychain e Figure. Em 2017, a Silvergate lançou sua rede de troca proprietária que permite que os investidores transfiram fundos para as bolsas de criptomoeda em todo o mundo, 24 horas por dia, sete dias por semana. Apelidada de Silvergate Exchange Network, atualmente é construída usando um banco de dados centralizado tradicional, o que significa que apenas o Silvergate pode usá-lo, mas atualmente uma versão em blockchain que utiliza os bancos de dados compartilhados está em andamento.

La Jolla, Estados Unidos
Plataformas blockchain: Bitcoin, Ethereum, XRP, 20 outras criptomoedas apoiadas por seus clientes
Executivo-chave: Alan Lane, CEO

Square

No terceiro trimestre de 2019, a Square gerou US$ 148 milhões em receita de taxas cobradas dos usuários que pagaram com bitcoin. A empresa acaba de lançar um serviço semelhante ao Venmo que permite que os membros das redes sociais enviem e recebam instantaneamente pagamentos cripto.

São Francisco, Estados Unidos
Blockchain: Bitcoin
Executivo-chave: Steve Lee, gerente de projeto Square Crypto

Tencent

O gigante da internet chinês está ajudando a criar um aplicativo blockchain de financiamento comercial para simplificar as compras de metais a granel. Por exemplo, a empresa de comércio eletrônico de commodities Gangjuren está trabalhando com a Tencent e vários pequenos e médios comerciantes de aço para simplificar o processo de financiamento. A tecnologia do blockchain funciona coletando enormes quantidades de dados rastreáveis ​​sobre metais em um armazém, melhorando o valor do crédito dos recebimentos do armazém. A compra e a venda de metais pode ser acelerada porque todas as partes envolvidas estão usando as informações confiáveis ​​do blockchain. Em setembro de 2019, o valor da transação havia excedido US$ 100 milhões.

Shenzhen, China
Blockchain: TrustSQL, Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Carlos Hu, chefe do time de blockchain

T-Mobile

O NEXT Identity Project da T-Mobile, criado usando o blockchain Hyperledger Sawtooth em colaboração com a Microsoft, visa melhorar a maneira como a empresa de telecomunicações gerencia quem pode obter acesso aos dados de funcionários e clientes. Atualmente, centenas de administradores têm acesso aos dados da empresa e do cliente, mas o novo sistema blockchain reforçaria os controles e concederia acesso apenas àqueles que se encaixam em uma estrutura muito estreita definida pelos auditores da empresa. Nenhum humano está envolvido no processo. Desde janeiro de 2019, a NEXT opera com os sistemas de produção existentes e concluiu cerca de 60 mil transações que resultaram em novas informações sendo adicionadas à blockchain nos primeiros seis meses. A T-Mobile também está trabalhando para alavancar a tecnologia blockchain para executar e implementar acordos de roaming no atacado.

Bellevue, Estados Unidos
Blockchain: Hyperledger Sawtooth, Hyperledger Fabric, Ethereum
Executivo-chave: Chuck Knostman, vice-presidente de estratégias de tecnologias emergentes

UBS

A moeda de liquidação de serviços públicos da UBS se tornou realidade em junho, quando o banco suíço liderou um consórcio de 14 instituições financeiras, incluindo Barclays, Nasdaq e Santander, em um investimento de US$ 63,2 milhões para lançar uma nova empresa, a Fnality International. A versão controlará o desenvolvimento da USC, um veículo de liquidação comercial que reduz o tempo e o custo necessários para processar uma transação.

Zurich, Suíça
Plataformas blockchain: Hyperledger Fabric, Ethereum, Quorum, Corda
Executivo-chave: Sam Chadwick, chefe de blockchain

United Nations

A organização que conecta 193 países tem inúmeras iniciativas de blockchain. Para o roubo suprimentos usando cartões de identificação furtados, a ONU desembolsou nos últimos dois anos fundos para 106.000 refugiados sírios na Jordânia, usando escaneamentos de íris verificados por blockchain em vez de cartões de identificação.

Nova York, Estados Unidos
Blockchain: Bitcoin, Ethereum
Executivos-chave: Christina Lomazzo, líder de blockchain da Unicef, Houman Haddad, chefe de tecnologias emergentes da WFP

Vanguard

Desde fevereiro de 2019, a gigante dos fundos usa uma rede de blockchain para definir preços de segurança em cerca de US$ 1,5 trilhão dos seus US$ 6 trilhões em participações. A Vanguard conta com a tecnologia desenvolvida pela Symbiont, uma startup sediada em Nova York.

Valley Forge, Estados Unidos
Blockchain: Symbiont Assembly
Executivo-chave: Warren Pennington, diretor do grupo de gerenciamento de investimentos da Vanguard

VMware

O fornecedor de software que vale US$ 60 bilhões fez uma parceria com a Australian Securities Exchange no último verão para trabalhar no desenvolvimento de um aplicativo para substituir o sistema de 25 anos da bolsa para tornar eficiente a liquidação pós-negociação. A tecnologia por trás da libra do Facebook também é derivada de um software chamado HotStuff, desenvolvido pela VMware.

Palo Alto, Estados Unidos
Plataforma blockchain: Project Concord, tecnologia própria de suporte múltiplo
Executivo-chave: Brendon Howe, vice-presidente e gerente-geral de blockchain

Walmart

A Iniciativa de Rastreabilidade de Alimentos do conglomerado de varejo rastreia seus legumes frescos, carne e aves ao longo de sua cadeia de suprimentos. A iniciativa ajuda o Walmart a identificar onde uma remessa pode ter sido contaminada, permitindo direcionar os recalls de maneira mais estreita e precisa, reduzindo o desperdício de alimentos. O Walmart também se juntou a um programa piloto no último verão, supervisionado pela Food and Drug Administration dos EUA, para rastrear a distribuição de medicamentos prescritos e vacinas em uma blockchain. IBM, KPMG e Merck colaboraram com o Walmart no piloto, que abordou os requisitos regulatórios da Lei de Segurança da Cadeia de Suprimentos de Drogas dos EUA.

Bentonville, Estados Unidos
Plataforma blockchain: Hyperledger Fabric
Executivo-chave: Tejas Bhatt, diretor sênior de inovação em segurança do alimento

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).