Global 2000: os destaques da lista das maiores empresas de capital aberto do ano

Getty Images / Michael-Macdonald-EyeEm
Getty Images / Michael-Macdonald-EyeEm

O número de empresas chinesas no Global 2000 deste ano aumentou pelo oitavo ano consecutivo para 324, aproximando-se do líder perene Estados Unidos (com 588 empresas)

A pandemia de Covid-19 apagou anos de crescimento dos valores de mercado em questão de semanas. Embora abril tenha apresentado uma recuperação, o coronavírus afetou todas as empresas da lista Global 2000 de 2020.

Os valores de mercado acumulados para as 2.000 maiores empresas de capital aberto do mundo caíram mais de 4% desde o outono passado. Os registros do primeiro trimestre mostraram perdas catastróficas (ou pequenos ganhos, na melhor das hipóteses), e os balanços de 2019 foram impactados pelas tarifas dos Estados Unidos sobre importações da China –impostos que os investidores ignoraram em grande parte enquanto os preços das ações subiam até a crise do coronavírus atingir o mercado.

VEJA MAIS: Global 2000: as maiores empresas de capital aberto do mundo em 2020

Essas tensões comerciais agora parecem uma disputa pouco importante, já que o presidente Donald Trump culpa a China pela disseminação da Covid-19. O relacionamento das duas superpotências econômicas, para melhor ou pior, continuará a moldar a economia global durante toda a pandemia e após o seu fim.

Pelo menos em uma medida a China está se superando: o número de empresas chinesas no Global 2000 aumentou pelo oitavo ano consecutivo para 324, aproximando-se do líder perene Estados Unidos (com 588 empresas) e abrindo vantagem para o Japão, que está em terceiro lugar. Outros destaques do ranking deste ano incluem lucros em queda e uma série de notáveis novatos, como dois que imediatamente se mostraram indispensáveis durante a pandemia: Slack e Zoom dispararam no Global 2000 de 2020.

Veja, na galeria de imagens a seguir, os destaques da das maiores empresas de capital aberto do ano:

  • Estados Unidos x China

    A China (incluindo Hong Kong) é o lar de 324 empresas na lista deste ano. O número aumentou ou permaneceu o mesmo todos os anos desde que o ranking foi publicado pela primeira vez em 2003. Assim, o país diminui gradualmente a diferença entre os Estados Unidos, que abriga 588 das companhias do Global 2000.

    Forbes
  • Novatos de destaque

    A Saudi Aramco causou impacto em 2019 com o maior IPO do ano. A gigante estatal de petróleo está estreando no número 5 da lista. A Uber também se posiciona na metade superior das 2.000, devido principalmente ao seu valor de mercado, embora suas perdas de US$ 8,5 bilhões no ano passado (contabilizadas em 30 de abril) sejam a quarta maior de todas as companhias do ranking.

    Forbes
  • Queda de lucros

    Os lucros acumulados caíram 2,9% desde o ano passado e os valores de mercado declinaram mais de 4%. Espera-se mais perdas adiante, ao passo que as economias lutam para reabrir sem a vacina contra o coronavírus.

    Forbes
  • Principais Indústrias

    Bancos e instituições financeiras ricas em ativos compõem mais de 20% do ranking. As empresas de tecnologia estão em ascensão, enquanto as companhias de petróleo e gás –afetadas pela demanda em queda, à medida que os consumidores param de voar e dirigir em meio a paralisações pelo coronavírus– caíram de 110 representantes na lista para 101.

    Forbes

Estados Unidos x China

A China (incluindo Hong Kong) é o lar de 324 empresas na lista deste ano. O número aumentou ou permaneceu o mesmo todos os anos desde que o ranking foi publicado pela primeira vez em 2003. Assim, o país diminui gradualmente a diferença entre os Estados Unidos, que abriga 588 das companhias do Global 2000.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).