Global 2000: os maiores bancos do mundo em 2020

gettyimagesAlexander-Spatari
Os bancos dominam a lista Forbes Global 2000 de 2020

As nações do mundo todo estão lidando com os custos econômicos da pandemia de coronavírus e se voltando para os maiores bancos para manter os mercados em funcionamento e direcionar crédito para a economia global, sustentando negócios e famílias. À medida que o mundo trabalha para se recuperar da pandemia, os titãs do setor bancário nos Estados Unidos, na Ásia e na Europa ajudam a impulsionar um estímulo mundial sem precedentes, lançando trilhões de dólares de volta à economia.

Os bancos dominam a lista Forbes Global 2000 de 2020, uma medida das maiores e mais bem-sucedidas empresas do mundo. A importância dos credores raramente perde um pouco da sua influência à medida que as empresas trabalham para se manter à tona, os mercados continuam a cantarolar e os poupadores gerenciam seus ativos. Os bancos dos EUA e da China lideram o setor. Os credores na Europa parecem estar estagnados e os de mercados emergentes, como o Brasil, sofrem ciclos econômicos voláteis, ou ainda não entraram no top 100, como a Índia.

LEIA TAMBÉM: Global 2000: as maiores empresas de tecnologia do mundo em 2020

Neste ano, o China Construction Bank substituiu o JPMorgan Chase, em 3º lugar, como a segunda maior empresa do mundo, enquanto o Banco Industrial e Comercial da China voltou a ocupar o primeiro lugar. Quatro bancos chineses, incluindo o Agricultural Bank of China (nº5) e o Bank of China (nº10), entraram no top 10 da Forbes Global 2000, enquanto JPMorgan, Bank of America (nº8), Wells Fargo (nº17) e Citigroup (nº20) terminaram entre os 20 primeiros.

Até agora, os credores nos EUA receberam a maior resposta contra o coronavírus. Nos dias e semanas após o início da pandemia, as empresas americanas obtiveram mais de US$ 500 bilhões em crédito, grande parte dos quatro maiores bancos dos Estados Unidos. Os reguladores ajudaram os credores a se abster de empréstimos comerciais, hipotecários e cartões de crédito à medida que a pandemia passa, em parte devido ao forte capital e liquidez dos bancos que estão lidando com a pandemia. A aprovação do Congresso de centenas de bilhões de dólares em apoio a pequenas empresas fluiu para milhões empreendimentos em todo o país por meio de credores grandes e pequenos. Adicione US$ 2 trilhões em estímulos do Federal Reserve aos mercados, e o papel dos grandes bancos quase nunca foi tão importante.

Com o desemprego subindo para 14,7% e a economia entrando em profunda recessão nos EUA, os bancos no topo do Forbes Global 2000 foram resistentes ao choque econômico. As empresas ganharam dinheiro no primeiro trimestre, apesar de terem acumulado mais de US$ 20 bilhões em provisões para perdas com empréstimos, e a maioria viu suas ações se recuperarem acentuadamente da queda de março.

Como alguns fundadores de indústrias (pense em companhias aéreas e energia), poucos vêem riscos iminentes para o setor bancário. O investidor Chris Davis, com US$ 23 bilhões em ativos da Davis Advisors, diz que o setor recapitalizado provavelmente suportará o coronavírus. “Acho que esse é o teste que validará o quão diferente um setor é depois de passar por uma crise financeira”, diz Davis à Forbes. “Como investidor de ações financeiras de longo prazo, os bancos não receberiam o respeito que merecem até serem testados em uma recessão.”

Enquanto os bancos dos EUA parecem ser os mais saudáveis, os chineses são os maiores. A China tinha sete bancos entre os 50 principais, incluindo o China Merchants Bank (nº26), o Postal Savings Bank of China (nº30) e o Bank of Communications (nº45), enquanto os EUA possuíam seis, entre ele, Goldman Sachs (nº47) e Morgan Stanley (nº48).

Entre os 100 melhores, o Canadá tinha três: RBC (nº35) Toronto-Dominion Bank (nº46) e Bank of Nova Scotia (nº85); o Japão, dois: Mitsubishi UFJ (nº52) e Sumitomo Mitsui (nº80).

Na Europa, apenas três bancos alcançaram o top 100: o BNP Paribas da França (nº42), o HSBC (nº44) e o Banco Santander (nº55), e todos perderam terreno. Outros nomes são o brasileiro Itaú Unibanco (nº78) e o australiano Commonwealth Bank (nº84).

Saíram dos cem maiores Bradesco (nº101), UBS (nº109), China Citic (nº113), Lloyd’s Banking Group (nº 115) e ING (nº194).

A maior queda do setor foi o Sberbank, da Rússia, que caiu da 47ª colocação para a 402ª, enquanto a Truist Financial nos EUA foi notável após a fusão dos antecessores BB&T e SunTrust, subindo quase 100 posições, para o 163º lugar.

As ameaças em potencial a todos os bancos do Forbes Global 2000 vêm da crise iminente nas atividades comerciais e da angústia mundial. Enquanto isso, a resposta dos bancos centrais à pandemia e a manutenção das taxas de juros globalmente em 0% também são sinais de advertência. As taxas negativas atingiram os bancos na Europa e no Japão, e os analistas econômicos agora veem altas chances de uma situação semelhante nos EUA.

Fora da situação macroeconômica, o setor enfrenta um grande risco iminente de tecnologia. Ano após ano, os maiores ganhadores do Forbes Global 2000 são plataformas gigantes de tecnologia na Ásia e no Vale do Silício, como Alibaba (nº31), Tencent (nº50), Apple (nº9), Amazon (nº22), Google (nº13), e Facebook (nº39), que são serviços financeiros cada vez mais de entretenimento.

O Alipay, do Alibaba, já é um gigante em serviços financeiros, enquanto a Tencent e o MercadoLibre da Argentina descobriram maneiras de integrar pagamentos em suas plataformas mais amplas. No ano passado, a Apple firmou uma parceria com o Goldman Sachs, enquanto o Google começou a trabalhar com o Citigroup, e a Amazon trabalha com o JPMorgan há anos. Essas parcerias e o potencial de invasão dos setores só aumentarão nos próximos anos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).