Forbes 400: os bilionários dos EUA que mais enriqueceram no último ano

Maja Hitij/GettyImages
Maja Hitij/GettyImages

Elon Musk viu sua fortuna aumentar em 242% no último ano

Apesar da pandemia, as pessoas mais ricas dos EUA estão prosperando. Os membros da lista Forbes 400 deste ano, divulgada ontem (8), valem em média 8% a mais em comparação a um ano atrás. Um seleto grupo desses bilionários teve ainda mais sorte: os 15 maiores ganhadores neste ano viram seu já enorme patrimônio líquido aumentar em pelo menos 40%. A Forbes usou os preços de fechamento das ações em 24 de julho para calcular o tamanho das fortunas da lista, no 39º ranking anual das pessoas mais ricas do país.

Leia mais: Forbes 400: os norte-americanos mais ricos em 2020

O maior ganhador do ano, em termos percentuais, é Elon Musk, que ficou surpreendentemente 242% mais rico do que na classificação do ano passado. Muita coisa aconteceu desde então, incluindo ele ter levantado mais de US$ 2 bilhões em novos fundos para sua empresa de foguetes, a SpaceX, e receber duas enormes concessões de opções de ações da Tesla como parte do audacioso acordo de compensação que ele assinou com a montadora elétrica em 2018. As ações da Tesla estão em alta, subindo 520% ​​quando a Forbes fez a última avaliação do patrimônio líquido em 24 de julho, o que ajudou a adicionar US$ 48,1 bilhões ao patrimônio líquido de Musk desde a lista do ano passado. Ele era a 23ª pessoa mais rica do país no ranking de 2019, valendo US$ 19,9 bilhões. Neste ano, está em 7º lugar, com US$ 68 bilhões. E ele ficou ainda mais rico recentemente. No final de agosto, quando as ações da Tesla dispararam. Musk oficialmente cruzou o limite de US$ 100 bilhões para se tornar o quinto centibilionário do mundo.

O segundo maior ganhador deste ano: o cofundador e CEO da Nvidia, Jensen Huang. As ações da fabricante de microchips gráficos (que adquiriu a empresa de tecnologia de rede israelense-americana Mellanox por US$ 6,9 bilhões em abril) mais que dobraram desde o ano passado, em meio a um impulso além dos jogos para a inteligência artificial e data centers. Graças às crescentes ações da Nvidia, Huang vale US$ 5,6 bilhões, tornando-o 133% mais rico do que no ano passado.

O magnata da segurança cibernética Jay Chaudhry também teve um grande ano, com as ações de sua empresa de segurança baseada em nuvem ZScaler crescendo 90%. Chaudhry cresceu em uma vila no Himalaia sem água corrente ou eletricidade antes de imigrar para os Estados Unidos em 1980. Ele e sua família possuem cerca de 45% da empresa, que ele abriu na Nasdaq em 2018. Seu patrimônio líquido aumentou 92% neste ano, para US$ 6,9 bilhões.

A dupla de pai e filho Ernest Garcia II e Ernest Garcia III completam os cinco maiores ganhadores em termos percentuais. Garcia II é o magnata por trás da Drivetime, uma das maiores concessionárias de carros usados ​​do país, mas ele deve seu lugar na lista dos maiores ganhadores a seu filho, Garcia III. O jovem Garcia fundou a Carvana, uma plataforma online para venda de carros usados ​​e concessão de empréstimos para automóveis, como uma subsidiária da Drivetime. Mais tarde, ele desmembrou a empresa e abriu o capital na Bolsa de Valores de Nova York em 2017. As ações subiram mais de 1.200% desde então, incluindo 77% no ano passado, adicionando bilhões à fortuna dos Garcia. Garcia II, o maior acionista da Carvana, vale US$ 9,6 bilhões, seu filho vale US$ 4,2 bilhões.

Leia também: GM compra fatia de 11% de fabricante de picapes elétricas

Duas mulheres garantiram um lugar entre os grandes ganhadores do ano: MacKenzie Scott, ex-esposa do homem mais rico do mundo, Jeff Bezos, e Judy Faulkner, fundadora da Epic, fornecedora líder de software de registros médicos dos Estados Unidos. Graças ao aumento contínuo das ações da Amazon, Scott está 58% mais rica este ano, apesar de ter doado quase US$ 1,7 bilhão para 116 organizações sem fins lucrativos. Ela prometeu, eventualmente, doar pelo menos metade de sua fortuna. Faulkner, por sua vez, ficou 45% mais rica quando sua empresa sediada em Wisconsin enfrentou a pandemia de Covid-19 de frente. A companhia de US$ 3,2 bilhões (vendas em 2019) está trabalhando para identificar laboratórios que possam ajudar a testar e distribuir equipamentos de proteção em Wisconsin, além de oferecer seu software de telessaúde e monitoramento remoto. Faulkner fundou a Epic em um porão em 1979 e atua como sua CEO.

Veja na galeria a seguir os 15 maiores ganhadores, medido por porcentagem do patrimônio líquido, na lista Forbes 400 de 2020 (os dados são de 24 de julho de 2020):

  • Elon Musk

    Patrimônio líquido: US$ 68 bilhões (aumento de US$ 48,1 bilhões, ou 242%)

    As ações da Tesla valorizaram mais de cinco vezes desde a lista do ano passado, tornando Musk o maior ganhador em termos percentuais. Sua ascensão meteórica, ajudada por duas concessões maciças de ações da Tesla como parte de sua remuneração de CEO, continuou mesmo depois de a Forbes terminar de estimar o patrimônio líquido para a lista deste ano no final de julho. Ele quebrou a marca de US$ 100 bilhões no final de agosto, menos de dois meses depois que a Tesla ultrapassou a Toyota como a montadora mais valiosa do mundo.

    Patrick T. Fallon/Bloomberg
  • Jensen Huang

    Patrimônio líquido: US$ 9,8 bilhões (aumento de US 5,6 bilhões, ou 133%)

    As ações da Nvidia aumentaram cerca de 25.000% desde que Huang abriu o capital da fabricante de chips em 1999, incluindo um salto de 128% desde a lista do ano passado. Huang, que é presidente-executivo desde a fundação da empresa em 1993, possui cerca de 3,6% de suas ações.

    Ethan Pines/Forbes
  • Jay Chaudhry

    Patrimônio líquido: US$ 6,9 bilhões (aumento de US$ 3,3 bilhões, ou 92%)

    Antes de fundar a empresa de segurança cibernética ZScaler, cujas ações subiram 90% desde o ano passado, Chaudhry lançou quatro outras empresas de tecnologia que foram todas adquiridas. Ele e sua esposa, Jyoti, pediram demissão e usaram as economias de uma vida inteira para abrir a primeira dessas, a startup de segurança cibernética SecureIT.

    Reprodução/Forbes
  • Ernest Garcia III

    Patrimônio líquido: US$ 4,2 bilhões (aumento de US$ 1,9 bilhão, ou 83%)

    Garcia III foi um executivo da revendedora e financiadora de carros usados ​​de seu pai, a DriveTime Automotive Group, antes de cofundar a Carvana, que vende carros usados pela internet, em 2012. Conhecida como a “Amazônia dos carros”, as ações da Carvana aumentaram 77% desde a lista do ano passado.

    Carvana
  • Ernest Garcia II

    Patrimônio líquido: US$ 9,6 bilhões (aumento de US$ 3,9 bilhões, ou 68%)

    Sua empresa DriveTime opera 127 concessionárias nos EUA e financiou mais de 4 milhões de compradores de automóveis. O Garcia mais velho ajudou a financiar a Carvana, que operava como parte do DriveTime antes que os fundadores a lançassem e a tornassem pública em 2017.

    Reprodução/Forbes
  • Pete Gassner

    Patrimônio líquido: US$ 4,5 bilhões (aumento de US$ 1,8 bilhão, ou 67%)

    As ações da Veeva Systems, a provedora de software em nuvem para empresas farmacêuticas e de biotecnologia que ele fundou e dirige como CEO, subiram 60% desde o ano passado.

    Cody Pickens/The Forbes Collection
  • Robert Pera

    Patrimônio líquido: US$ 10,5 bilhões (aumento de US$ 4,1 bilhões, ou 64%)

    Fundador e CEO da fabricante de equipamentos sem fio Ubiquiti Networks, a fortuna de Pera aumentou graças a um aumento de 58% nas ações da Ubiquiti desde o ano passado. Ele possui cerca de 75% da empresa de capital aberto.

    Christian Peacock/The Forbes Collection
  • Jack Dorsey

    Patrimônio líquido: US$ 6,8 bilhões (aumento de US$ 2,6 bilhões, ou 62%)

    O cofundador e CEO do Twitter está mais rico neste ano graças a uma alta de 96% no preço das ações de sua outra empresa, a processadora de pagamentos Square. Esse aumento mais do que cobre a promessa de Dorsey de dar US$ 1 bilhão de suas ações da Square para #startsmall, uma nova entidade filantrópica que ele diz que se concentrará em ações de alívio para Covid-19, saúde e educação das mulheres e campanhas por uma renda básica universal.

    Cole Burston/Bloomberg
  • MacKenzie Scott

    Patrimônio líquido: US$ 57 bilhões (aumento de US$ 20,9 bilhões, ou 58%)

    Em julho, junto com seu anúncio de quase US$ 1,7 bilhão em doações para 116 organizações sem fins lucrativos, a ex-mulher de Jeff Bezos, que não gosta de publicidade, disse que mudou seu sobrenome de Bezos para o nome do meio, Scott. Sua fortuna ainda está em grande parte ligada às crescentes ações da Amazon.

    Dia Dipasupil/Getty Images
  • Jeff Bezos

    Patrimônio líquido: US$ 179 bilhões (aumento de US$ 65 bilhões, ou 57%)

    A pessoa mais rica dos Estados Unidos teve um ótimo ano, apesar de algumas manchetes ruins, incluindo protestos relacionados ao coronavírus por trabalhadores da Amazon e uma investigação antitruste. Com o mundo em quarentena se voltando para as compras online, as ações da Amazon subiram 64% desde o ano passado.

    Michael Princa/Forbes
  • Chase Coleman

    Patrimônio líquido: US$ 6,9 bilhões (aumento de US$ 2,4 bilhões, ou 53%)

    Sua empresa de investimentos Tiger Global Management está apostando alto em ações de tecnologia e equipamentos para casa, que têm crescido muito durante a pandemia.

    Amanda Gordon/Bloomberg
  • Alan Trefler

    Patrimônio líquido: US$ 4,1 bilhões (aumento de US$ 1,3 bilhão, ou 46%)

    As ações da Pegasystems, a empresa de software que ele fundou em 1983, que se concentra em simplificar os negócios e aumentar o envolvimento do cliente, aumentaram 42% desde o ano passado.

    Boston Globe/Getty Images
  • Judy Faulkner

    Patrimônio líquido: US$ 5,5 bilhões (aumento de US$ 1,7 bilhão, ou 45%)

    Além de fornecer software de telessaúde e monitoramento remoto para ajudar na crise de Covid-19, a gigante de software Epic dá suporte aos registros médicos de mais de 250 milhões de pacientes e é usada pelos principais centros médicos, como Johns Hopkins e Mayo Clinic. As vendas cresceram 10%, para US$ 3,2 bilhões, em 2019.

    Epic
  • Reed Hastings

    Patrimônio líquido: US$ 5 bilhões (aumento de US$ 1,5 bilhão, ou 43%)

    A Netflix, que Hastings fundou e lidera como coCEO, se tornou fundamental durante a pandemia e tem lucrado com todo mundo em casa, com sucessos como “Tiger King” e “Extraction”. As ações da Netflix aumentaram em 66% desde o ano passado.

    Ernesto S. Ruscio/Getty Images
  • John Doerr

    Patrimônio líquido: US$ 10,5 bilhões (aumento de US$ 3 bilhões, ou 40%)

    O presidente da empresa de capital de risco Kleiner Perkins detém grandes participações em gigantes da tecnologia como a Amazon e a Alphabet, controladora do Google, onde atua no conselho.

    Steve Jennings/Getty Images

Elon Musk

Patrimônio líquido: US$ 68 bilhões (aumento de US$ 48,1 bilhões, ou 242%)

As ações da Tesla valorizaram mais de cinco vezes desde a lista do ano passado, tornando Musk o maior ganhador em termos percentuais. Sua ascensão meteórica, ajudada por duas concessões maciças de ações da Tesla como parte de sua remuneração de CEO, continuou mesmo depois de a Forbes terminar de estimar o patrimônio líquido para a lista deste ano no final de julho. Ele quebrou a marca de US$ 100 bilhões no final de agosto, menos de dois meses depois que a Tesla ultrapassou a Toyota como a montadora mais valiosa do mundo.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).