10 YouTubers mais bem pagos de 2020

O feriado de 4 de Julho foi um momento de silêncio e calma na maior parte dos EUA. Mas não no YouTube, onde Jimmy Donaldson, a celebridade dos vídeos conhecida como Mr. Beast, lançou um episódio especial comemorativo com um show de fogos de artifício de US$ 600 mil. Os destaques da atração incluíram acender cerca de 100 fogos presos a um manequim, explodir um Toyota e detonar os fogos de artifício mais caros do mundo, um dispositivo de US$ 160 mil, que pode ser movido apenas por meio de empilhadeira. A exibição aérea ainda forçou Mr. Beast e sua equipe a consultar a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês), para não interferir no tráfego aéreo.

O episódio de 11 minutos já foi visto quase 60 milhões de vezes e representa bem o que levou Donaldson ao segundo lugar na lista anual da Forbes dos YouTubers mais bem pagos. Os vídeos forrados de diversão têm sido o alicerce do YouTube há anos. Mas nenhum deles realmente esteve na mesma escala que Donaldson ou filmado com uma qualidade de produção de alto nível. Ele também se tornou famoso por produções de doação de grandes quantias de dinheiro, como o momento em que ele distribuiu US$ 200 mil para várias pessoas que perderam seus empregos durante a pandemia –o vídeo já foi visto 23 milhões de vezes.

VEJA TAMBÉM: Os 7 influenciadores mais bem pagos do TikTok

“As ideias tendem a ficar mais malucas e ele vai continuar a gastar grandes quantias de dinheiro para melhorar a qualidade da produção”, promete Reed Duscher, empresário de Donaldson. (Mr. Beast pode adorar os holofotes digitais, mas é muito tímido –e não participou da reportagem.) “Quero dizer, ele acabou de tuitar hoje que tem um amontoado de boas ideias de vídeos que custam US$ 10 milhões. E ele não está errado, ele realmente tem.”

Em breve, ele terá a chance de aplicar esse dinheiro: os negócios no YouTube estão crescendo. Donaldson e os outros YouTubers bem pagos garantiram uma receita total estimada de US$ 211 milhões de 1º de junho de 2019 a 1º de junho de 2020, um salto de 30% em relação ao ano anterior. Ao contrário de outros nichos do mundo midiático que estão sofrendo com uma desaceleração induzida pela pandemia, o YouTube tem sido uma grande atração para as pessoas presas em casa, sentadas e no tédio do isolamento social.

As principais estrelas continuam a produzir para os jovens –ou pelo menos aqueles com um senso de humor juvenil. Segundo dados da empresa de pesquisa Statista, 77% dos usuários de internet dos EUA com idades entre 15 e 25 anos acessam o YouTube. O maior vencedor desta corrida foi Ryan Kaji, de nove anos, que garantiu o primeiro lugar do ranking pelo terceiro ano consecutivo. Ele é famoso pelos chamados vídeos de unboxing, nos quais tira os brinquedos das embalagens e faz revisões sobre o ítem. O garotinho agora tem uma linha própria de produtos –brinquedos, mochilas, pasta de dente, entre outros– comercializados na Target, Amazon e Walmart que faturou US$ 200 milhões em vendas no ano passado, além de uma série da Nickelodeon chamada Ryan’s Mystery Playdate. Há também a estrela infantil Nastya (7ª posição), a única pessoa do gênero feminino com números suficientes para entrar na lista que se baseia em rendimentos, e o recém-chegado à lista Blippi (na 8ª posição), um jovem de 32 anos com um popular canal educacional infantil onde ele canta canções sobre animais aquáticos e visita museus infantis. Atraindo um público um pouco mais velho está o destaque do mundo da maquiagem Jeffree Star (na 10ª posição) e o comediante David Dobrick (na 9ª posição), outro estreante do ranking.

Quase todos os YouTubers ganham a maior parte de sua receita com anúncios gerados em seus vídeos no YouTube, um número que aumenta quando os vídeos são recomendados para a família, em inglês e com mais de oito minutos. E embora essas taxas de anúncios tenham caído no início da pandemia de Covid-19, elas se recuperaram rapidamente. Além disso, os YouTubers receberam muito dinheiro de grandes marcas como Bass Pro Shops e Kroger, que patrocinaram vídeos específicos da Dude Perfect (na 3ª posição) e Rhett e Link (na 4ª posição), respectivamente.

Todas essas celebridades do século 21 também se ramificaram no lucrativo mundo das mercadorias de marca. Os principais criadores como Dobrik, Donaldson e Markiplier (na 5ª posição) facilmente faturam US$ 500 mil ou mais em vendas mensais de camisetas, moletons e toucas –todas roupas perfeitas para trabalhar em casa. “Em março, abril, quando as pessoas ficaram presas em casa, havia mais consumo de conteúdo e isso colidiu com uma onda de e-commerce”, diz Nikita Kopotun, cofundadora da Juniper, loja de mercadorias personalizadas para influenciadores digitais.

E AINDA: 5 dicas para se tornar um youtuber de sucesso em 2021

Em um sentido comercial, os tempos não poderiam ser melhores para essas estrelas. Mas o pequeno Ryan resume o momento tanto para o universo das crianças quanto dos adultos quando diz: “Eu simplesmente mal posso esperar até o dia em que poderemos voltar lá para fora.”

Metodologia

Todas as estimativas de lucros são de 1º de junho de 2019 a 1º de junho de 2020. Os valores levantados não levam em conta impostos e não foram deduzidos honorários para agentes, empresários e advogados. As estimativas de ganhos são baseadas em dados de Captiv8, SocialBlade e Pollstar, bem como entrevistas com especialistas do setor. Para os fins da lista, a Forbes define as estrelas do YouTube como alguém cuja forma principal de receita digital e de mídia vem da plataforma.

Veja a seguir os 10 YouTubers mais bem pagos de 2020:

10ª. Jeffree Star

Ganhos: US$ 15 milhões
Visualizações (junho de 2019 a junho de 2020): 600 milhões
Inscritos: 16,9 milhões

A estrela da beleza foi parte de uma briga de mais de um ano com o colega YouTuber e celebridade da maquiagem James Charles, que quase entrou nesta lista. A polêmica e um comportamento racista no passado causaram algumas ramificações nos negócios, incluindo a decisão da varejista Morphe de parar de vender sua linha. Ainda assim, ele registrou mais de meio bilhão de visualizações durante o período de um ano. Mais lucrativa do que seu canal no YouTube, porém, é sua linha de maquiagem, vendida por ele direto ao consumidor. Uma de suas coleções mais recentes, Blood Money, oferece sombras para os olhos de US$ 52 e protetores labiais de US$ 18, e sua popular Conspiracy Collection, lançada no ano passado, supostamente vendeu um milhão de paletas de sombras em 30 minutos.

9ª. David Dobrik

Ganhos: US$ 15,5 milhões
Visualizações: 2,7 bilhões
Inscritos: 18 milhões

Nos últimos anos, Dobrik, de 24 anos, fez de tudo para arrancar gargalhadas de seu público. Ele entrou em um lava-rápido com um conversível, depilou o corpo inteiro de uma pessoa e até mesmo uma vez surpreendeu seu melhor amigo ao se casar com sua mãe. (Ela fazia parte da brincadeira –eles se divorciaram, amigavelmente, depois de um mês.) Ultimamente, Dobrik tem se concentrado em transferir seus esforços para o TikTok. Lá ele também tem sido um sucesso, acumulando 24,7 milhões de seguidores. As marcas adoram o humor de Dobrik, e ele recebeu patrocínios da SeatGeek, Bumble, EA e outras grandes marcas. Seu público dedicado o levou a um próspero negócio de roupas (camisas, moletons, shorts, calças), grande parte delas vendidas pela Clickbait.

8ª. Blippi (Stevin John)

Ganhos: US$ 17 milhões
Visualizações: 8,2 bilhões
Inscritos: 27,4 milhões

Com 32 anos, o único adulto que cria conteúdo infantil na lista, Stevin John lançou seu canal em 2014. Ele performa em sua plataforma como Blippi, o personagem infantil de roupas divertidas que educa por meio de vídeos como “Blippi visita o aquário” e “Aprenda as cores com Blippi”. Como Kaji, ele lançou uma linha de produtos em escala comercializados nos grandes varejistas –as versões infantis de seus óculos laranja e boina azul e laranja são os mais vendidos– e disponibiliza seus vídeos por meio do Hulu e Amazon.

7ª. Nastya (Anastasia Radzinskaya)

Ganhos: US$ 18,5 milhões
Visualizações: 39 bilhões
Inscritos: 190,6 milhões

A YouTuber russa de seis anos que atende por Nastya em seu canal, produz vídeos dela e de seu pai brincando com legos, fazendo tarefas domésticas e explicando sobre vírus. Os vídeos são coloridos, expressivos e não apresentam linguagem difícil, o que os torna perfeitos para seu público global de crianças. Desde sua estreia na lista no ano passado, Nastya se diversificou: ela se tornou um perfil popular no TikTok com três milhões de seguidores e lançará um programa próprio no próximo ano.

6ª. Preston Arsement

Ganhos: US$ 19 milhões
Visualizações: 3,3 bilhões
Inscritos: 33,4 milhões

O mundo pixelizado do Minecraft continua a ser uma mina de ouro para Arsement, de 26 anos. Ele alcançou o estrelato no YouTube com seus vídeos explorando o universo animado e, desde então, se ramificou para vários outros canais focados em jogos. Em um, ele joga Roblox. Em outro, chamado TBNRFrags –da sigla em inglês que significa “o melhor nunca descansa”, com a terminologia “rags” que remete a “matar um oponente” na gíria dos jogos. TBNRFrags apresenta suas façanhas como atirador em Call of Duty. Arsement opera vários servidores de Minecraft lucrativos, onde os usuários pagam para ter acesso aos mundos que ele criou no Minecraft e para ter itens no jogo; ele dirige outro canal no YouTube, PrestonCosmic, dedicado ao tempo que passa jogando em seus servidores.

5ª. Markiplier (Mark Fischbach)

Ganhos: US$ 19,5 milhões
Visualizações: 3,1 bilhões
Inscritos: 27,8 milhões

Markiplier está no YouTube há oito anos, postando reviews populares de videogames. Ele atraiu quase 28 milhões de assinantes, ansiosos para ver seus novos vídeos e vasto material –como, digamos, sua série de 31 partes examinando Cry of Fear em 2013. No ano passado, Markiplier, de 31 anos, decidiu mudar as coisas e, além de seu canal no YouTube, ele e seu amigo gamer Ethan Nestor (também conhecido como CrankGameplays) fundaram um novo canal, o Unus Annus. Nele, eles propuseram apresentar vídeos engraçados. Uma vez, os dois experimentaram um monte de fantasias de Grinch. Em outra, eles próprios fizeram um spray de pimenta. A união do conteúdo seguia uma premissa central: um vídeo por dia durante um ano –depois destruíram o canal completamente, apagando todo o seu conteúdo, uma reflexão sobre a vida instável de popularidade na internet. Unus Annus era de fato popular, tinha 4,5 milhões de assinantes e quase 1 bilhão de visualizações. Quando chegou a hora de desligar a tomada no mês passado, mais de 1,5 milhão de pessoas acessaram uma transmissão ao vivo enquanto a dupla se despedia –o número de espectadores é similar à quantidade de pessoas que normalmente assiste a um jogo de beisebol no horário nobre de domingo à noite na TV norte-americana.

4ª. Rhett e Link

Ganhos: US$ 20 milhões
Visualizações: 1,9 bilhão
Inscritos: 41,8 milhões

Eles são duas das estrelas de longa data do YouTube, tendo começado o “Good Mythical Morning”, seu talk show nerd bem-humorado, em 2012. Rhett, de 43 anos (Rhett James McLaughlin), e Link, 42 anos (Charles Lincoln III), recentemente adicionaram algo a mais à sua Mythical Entertainment Co.: em fevereiro de 2019, eles pagaram US$ 10 milhões para adquirir o SMOSH, um canal de esquetes cômicas no YouTube. Com essa compra, a Mythical Entertainment, que agora tem 100 funcionários, teve quase 2 bilhões de visualizações no YouTube no ano passado, trazendo cerca de US$ 11 milhões em receita estimada do programa com compartilhamento de anúncios do YouTube. “Good Mythical Morning” também tem um clube de fãs com mensalidades que variam de US$ 10 a US$ 20 para ter acesso a conteúdos exclusivos.

3ª. Dude Perfect

Ganhos: US$ 23 milhões
Visualizações: 2,77 bilhões
Inscritos: 57,5 milhões

Os cinco amigos (Coby Cotton, Cory Cotton, Garret Hilbert, Cody Jones e Tyler Toney) se divertem mais brincando com sabres de luz, armas de brinquedo Nerf e paintballs do que a maioria dos adultos. Suas atividades populares os levaram a uma turnê nacional que arrecadou cerca de US$ 6 milhões e um documentário, o Backstage Pass. Em março, quando o coronavírus atingiu nível global e, pela primeira vez, os esportes profissionais pararam, o grupo usou seu canal no YouTube para hospedar o Quarantine Classic, onde competiam entre si em jogos de basquete de três pontos e hóquei com cadeira de rodas. A série de vídeos arrecadou cerca de US$ 160 mil para a Cruz Vermelha e a Feeding America.

2ª. Mr. Beast (Jimmy Donaldson)

Ganhos: US$ 24 milhões
Visualizações: 3 bilhões
Inscritos: 47,8 milhões

Donaldson é a maior nova estrela do YouTube, bom o suficiente para quase 50 milhões de assinantes –seu objetivo final é dobrar este número– e três bilhões de espectadores no ano passado. Seus vídeos são uma mistura de atividades mirabolantes e humor: nos últimos 12 meses, ele se congelou no gelo, deu 1000 voltas em uma roda-gigante e construiu a maior torre de Lego de todos os tempos. O canal de Donaldson no YouTube o ajuda a comercializar sua linha de produtos usados por ele e sua equipe nos vídeos. O canal é popular entre marcas como Microsoft, Electronic Arts e o aplicativo de cupons Honey.

1ª. Ryan Kaji

Ganhos: US$ 29,5 milhões
Visualizações: 12,2 bilhões
Inscritos: 41,7 milhões

A estrela de nove anos está voando alto –literalmente. Em novembro, ele se tornou o primeiro YouTuber a aparecer na Parada do Dia de Ação de Graças da Macy’s com um carro alegórico que o colocou como super-herói. Foi uma jogada de marketing e um momento emocionante para as crianças que assistem aos vídeos de Kaji sobre experimentos científicos DIY (faça você mesmo), histórias em família e reviews de novos brinquedos. Isso é apenas o começo: a maior parte de seu negócio vem de acordos de licenciamento para mais de 5.000 produtos da marca Ryan’s World –que oferece desde decoração infantil para quartos e bonecos de ação a máscaras e walkie talkies.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).