Bayer faz oferta de US$ 62 bilhões pela Monsanto

Com a proposta, a companhia alemã de medicamentos e químicos quer tornar-se a maior empresa no mercado de insumos agrícolas.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Bayer faz oferta de US$ 62 bilhões pela Monsanto (iStock)

Bayer faz oferta de US$ 62 bilhões pela Monsanto (iStock)

Acessibilidade


A companhia alemã de medicamentos e químicos Bayer ofereceu US$ 62 bilhões em dinheiro para comprar a empresa de sementes norte-americana Monsanto, desafiando críticas de alguns de seus próprios acionistas em uma aposta para tornar-se a maior companhia em um mercado de insumos agrícolas que consolida-se cada vez mais.

A oferta não solicitada, que inclui dívida, seria a maior aquisição de uma empresa alemã no exterior, caso seja aceita.

RANKING: 50 marcas mais valiosas do mundo em 2016

A proposta, que poderia superar a fusão planejada entre as unidades agrícolas de Dow Chemical e DuPont, foi feita apenas três semanas depois de Werner Baumann assumir como presidente-executivo da Bayer, e foi condenada por importantes acionistas da empresa com uma “tentativa arrogante de construir um império” quando a notícia surgiu na semana passada.

Dando detalhes pela primeira vez, a Bayer disse nesta segunda-feira (23) que irá oferecer 122 dólares por ação, um prêmio de 37% sobre o preço da Monsanto antes de os rumores sobre a proposta surgirem.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

VEJA TAMBÉM: Família mais rica do mundo fatura US$ 8,7 bilhões em um dia

“Nós esperamos uma resposta positiva do conselho de diretores da Monsanto”, disse Baumann a repórteres em uma teleconferência, descrevendo as críticas de alguns investidores como “reação ignorante na imprensa” estimulada pelo elemento surpresa.

A Monsanto, que disse na semana passada que recebeu uma abordagem da Bayer, mas sem dar detalhes, ainda não fez comentários sobre a oferta. As ações da companhia norte-americana dispararam 9,5% no pré-mercado.

(Por Maria Sheahan, Ludwig Burger e Patricia Weiss)

Compartilhe esta publicação: